Aberturas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Aberturas
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

 

1. Os nomes de marcas comerciais têm uma relação não motivada com o género gramatical. Por esta razão, por vezes, é difícil determinar se o nome de uma dada marca é masculino ou feminino, fenómeno que gera também dúvidas no plano da concordância. Não existindo nenhuma regra que determine, a priori, o género deste tipo de nomes, os falantes optam, não raro, por atribuir ao nome da marca o género do tipo de produto associado. Assim sendo, como determinar o género do nome Google? A diferença entre «mais bem/mal» e melhor/pior é uma das áreas que gera mais dúvidas aos falantes a par do uso do infinitivo flexionado. Na nova atualização do consultório, duas respostas abordam estas questões. Ainda uma dúvida sobre o significado da palavra configurador no âmbito do campo lexical de informática

Na primeira imagem: Carta das línguas minoritárias e suas vulnerabilidades.

2. A língua portuguesa convive, nos vários países onde é falada, com outras línguas, dialetos e crioulos. Esta convivência nem sempre tem sido equilibrada, pois em muitas situações o português tem agido como elemento aglutinador dos falantes, o que tem funcionado como uma séria ameaça às línguas mais frágeis, que arriscam extinguir-se. Refletindo sobre esta realidade, o escritor angolano José Eduardo Agualusa defende que a relação entre as diferentes línguas no espaço da lusofonia deve ser entendida como uma parceria que deve apoiar as línguas nacionais, conferindo-lhes a dignidade que merecem, pois desta forma «estamos criando um espaço de língua portuguesa em que todas as partes participam de forma livre, em situação de relativa igualdade, sem dominados nem dominadores. Uma lusofonia horizontal, que não se esgota, longe disso, na língua comum. Uma irmandade autêntica.» (crónica originalmente publicada no jornal Expresso, de 01/06/2019, transcrita, com a devida vénia, na rubrica O Nosso Idioma).  

3. Em linha com os problemas associados às línguas minoritárias encontra-se o 2.º Simpósio Internacional Línguas e Variedades Linguísticas Ameaçadas na Península Ibérica (LAPI 2019), que se realiza a 4 e 5 de julho de 2019, em Lisboa, com comunicações que visam a problemática da diversidade linguística na Península Ibérica. Este congresso é organizado pelo Centro Interdisciplinar de Documentação Linguística e Social (CIDLeS) e tem também a intenção de reunir um arquivo com dados relativos a todas as línguas ameaçadas na Europa (notícia aqui). A ação do CIDLeS tem incidido na preservação e descrição do minderico ou piação, língua falada pelos habitantes da zona de Minde, uma freguesia do concelho de Alcanena, distrito de Santarém, mas também tem apoiado estudos sobre outras línguas minoritárias, como uma língua falada no norte da Estremadura espanhola (cf. estudo desenvolvido pelo investigador checo Miroslav Vales).

4.  Os dialetos fronteiriços motivaram um projeto intitulado "Fronteira hispano-portuguesa: documentação linguística e bibliográfica" (Frontespo), cujos resultados, relacionados com as particularidades dos falares das zonas de fronteira, têm vindo a ser divulgados desde 2015 (cf. notícia aqui). Este é um projeto, com investigação ainda em curso, que pretende preservar dados linguísticos que se encontram em risco de desaparecimento em consequência da escolarização dos falantes e por ação uniformizadora dos meios de comunicação de massas. Alguma bibliografia produzida no âmbito desta investigação poderá ser consultada aqui

O Ciberdúvidas tem, desde há muito, dado destaque às questões relacionadas com a problemáticas das línguas ameaçadas, como se pode recordar  nos seguintes textos: «Línguas e línguas», «As línguas dos outros», «Multilinguismo», «Línguas (quase) mortas», «Esta língua nossa» e «Dues lhénguas».

5. Um registo final, e de pesar, sobre o falecimento da escritora portuguesa Agustina Bessa-Luís (1922 – 2019). Nascida a 15 de outubro de 1922, em Vila Meã (Amarante), deixa uma vasta e diversificada obra (cf. aquiaqui e aqui), reconhecida e aclamada no mundo inteiro. Estreou-se em 1948 com a novela Mundo Fechado, mas foi o romance A Sibila (1954) que marcou a sua maturidade enquanto escritora, que lhe trouxe o sucesso e o reconhecimento. O realizador Manuel de Oliveira, amigo pessoal da escritora, adaptou diversas das suas obras ao cinema, sendo Vale Abraão (1993) uma das produções mais conhecidas. Em 2004, o júri que a distinguiu, por unanimidade, Prémio Camões desse ano, considerou que a sua obra traduzia «a criação de um universo romanesco de riqueza incomparável, contribuindo para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum". 

Mais informações aqui, aquiaqui e aqui.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. As línguas têm regras estáveis e formas fixas, mas também flexibilidade para a construção de frases e enunciados se adaptar ao contexto de comunicação, ou às necessidades mentais e afetivas da expressão. Por exemplo, uma fórmula de agradecimento típica do centro de Portugal, bem haja, varia em pessoa e em número e passa a bem hajas, quando se destina à pessoa que se trata por tu. A descrição das línguas pode igualmente dar conta da sua variação no espaço, revelando características localmente confinadas, como acontece com a pronúncia de certas vogais nasais na metade norte de Portugal. E o contacto entre línguas diferentes ocasiona interferências, situação de alguma forma ilustrada pelo nome comunalidade, que acusa  a influência semântica do inglês. No fundo, acabamos por testar teorias e instrumentos da análise gramatical no confronto com a realidade de construções e frases como «artista de cinema» ou «ela saberá atuar, a menos que haja algum percalço». Tais são os tópicos abordados na presente atualização do Consultório.

2. Sendo o português uma língua pluricêntrica, isto é, um idioma cuja unidade abarca internacionalmente certa diversidade, impõe-se a colaboração e a convergência de usos e normas no seio da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). No âmbito da atividade do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) – criado em 2002 para a gestão comum da língua portuguesa –, realizou-se na cidade da Praia, capital de  Cabo Verde, de 27 a 28 de maio último, a XIV Reunião Ordinária do Conselho Científico (CC) deste organismo da CPLP, na qual foram apreciados o relatório de atividades de 2018, algumas propostas de um plano para 2020, bem como as contas e o orçamento do próprio IILP. Foram ainda analisados novos projetos com ênfase na área de capacitação de professores e foi discutido o papel dos Observadores Associados da CPLP nas ações de promoção e difusão da língua portuguesa. A rubrica Notícias transcreve na íntegra o comunicado final deste encontro, documento em que se salienta, com interesse para a aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990 em toda a CPLP, o seguinte ponto: «[O Conselho Científico do IILP solicitou] A definição de mecanismos a adotar pelos Estados-membros para a entrega e a validação urgentes dos VON em falta, com vista a integrar o Vocabulário Ortográfico Comum (VOC), permitindo assim a conclusão desse  projeto essencial para a CPLP.»

3Maria Henriqueta Costa Campos (1929-2004), linguista e professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, sempre soube apontar caminhos para uma investigação aliciante e frutuosa, da riqueza de dados facultados por qualquer uso da língua, da coloquialidade à expressão literária, com vista à sua modelização teórica (sobre a sua vida e obra, ler também aqui). No ano em que comemoraria 90 anos, o Grupo Gramática e Texto do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa presta-lhe homenagem com a realização em 11 de julho de 2019 de uma oficina subordinada ao tema 'Linguística & Texto Literário' e intitulada "Sei um ninho"*. Os interessados em apresentar as suas comunicações a este encontro devem enviar até 20 de junho p.f. os respetivos resumos (200/300) à organização (contactos: claranc@fcsh.unl.pt ou ht.valentim@fcsh.unl.pt).

* Trata-se do primeiro verso do poema Segredo, do poeta português Miguel Torga (1907-1995).

4. Dois registos no rasto da atualidade :

–  o  Rally de Portugal, uma prova com grandes tradições com impacto também lexical (consultar, por exemplo, as respostas "Rali" e "O piloto/a condutora");

– o  Dia Mundial da Criança, assinalado em 1 de junho (sobre o tema, ler "Crianças em risco, e não 'de risco'", "Crianças-soldado, crianças-soldados", "'Sobrevivência infantil' ou 'das crianças'?" "As 'crianças-índigo'" e Ensinar o mais-que-perfeito e o modo conjuntivo às crianças").

Na imagem, Meninas, pintura, óleo sobre tela, 1928. Sarah Afonso, no  Museu do Chiado, Museu Nacional de Arte Contemporânea.

5.  Quanto aos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa recorde-se que o Língua de Todos de sexta-feira, 1 de junho (transmitido pela RDP África, depois do noticiário das 13h00*; com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*) entrevista a diretora, em Portugal, da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), Ana Paula Laborinho a respeito do projeto de mobilidade académica Paulo Freire-PALOP. No Páginas de Português  de domingo, 2 de junho (emitido na Antena 2, às 12h30*, com repetição no sábado seguinte, dia 8 de junho, às 15h3*), convida-se o embaixador de Portugal no Brasil, Jorge Cabral, para falar da digitalização dos acervos das bibliotecas dos Grémios Literários de Belém do Pará, do Recife e de Salvador da Bahia.

  * Os programas Língua de Todos e Páginas de Português ficam disponíveis, posteriormente, aqui e aqui.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Numa altura em que a referência aos vários países europeus é constante na comunicação social, não menos frequente é a utilização de termos que designam as nacionalidades. São estas as palavras que Carla Marques, consultora permanente do Ciberdúvidas, explora, procurando significados que vão muito além da significação de base equivalente a "ser habitante de..." e que denunciam perceções linguísticas associadas a uma visão particular de nacionalidades e etnias, num apontamento disponível na rubrica O Nosso Idioma

2. No rescaldo das eleições para o Parlamento Europeu, cujos resultados foram conhecidos a 26 de maio, Sara Mourato, colaboradora do Ciberdúvidas, apresenta, em jeito de glossário, uma listagem de termos mais frequentes neste contexto eleitoral, assinalando as formas corretas a nível ortográfico e da sua pluralização, bem como a nomenclatura institucional adequada. Um trabalho de síntese que se justifica dadas as hesitações que continuam a associar-se ao uso de muitas destas palavras no espaço público. Ainda a atualidade da eleição dos eurodeputados para o Parlamento Europeu leva Marco Neves, tradutor e professor universitário, a refletir sobre as 24 línguas oficiais da União Europeia, cuja listagem se pode recuperar a partir de uma análise das siglas presentes nas notas de euro (notas de 50, 100 e 200), num artigo disponível no blogue do autor, Certas Palavras

3. O efeito dos resultados das eleições europeias também se fez sentir em Portugal, sendo notórias as movimentações para reestruturar o mapa político. Alguns analistas anunciam já o desaparecimento da "geringonça", nome dado à coligação dos partidos de esquerda na atual legislatura, e adivinham a criação de uma "PANgonça", ou seja, uma possível aliança entre o partido socialista e o PAN (partidos das pessoas, dos animais e da natureza). O neologismo "PANgonça" é mais uma curiosa criação emanada da realidade política, que, neste caso, resulta da associação do acrónimo PAN a "gonça", elemento truncado de geringonça, com o qual se procura manter a ideia de aliança ocasional e estranha (termo utilizado num artigo do semanário Expresso). 

4.  No Consultório, vamos até Kosrae, uma ilha e um dos quatro estados da Micronésia, no Oceano Pacífico, para saber como se pronuncia esta palavra em português. Nesta nova atualização, encontramos também resposta a questões sobre a origem da palavra sebenta, sobre a função sintática do pronome numa frase como «Era-lhe fiel» e sobre a classificação do verbo dar na expressão «dar adeus à Libertadores». Ainda dúvidas sobre a correção da frase «Nós era que apresentaríamos o trabalho» e sobre o uso do superlativo absoluto sintético em formas do particípio passado.

5. Organização Mundial de Saúde incluiu na lista de doenças o burnout – termo inglês que tem como equivalente, em português, «esgotamento profissional».

6. Nas notícias relacionadas com a língua portuguesa e com os países lusófonos, destacamos uma feira, uma comemoração e um congresso: 

— A 89.ª edição da Feira do Livro de Lisboa, com início no presente dia 29/05, prolongando-se até dia 16 de junho, no Parque Eduardo VII;

Um acontecimento como uma feira do livro convida a reler alguns textos do Ciberdúvidas relacionados com o tema («Os livros digitais» e «No tempo do livro») e a recordar algumas respostas relacionadas com livros («O mesmo livro», «O aumentativo de livro», «"Publicação de livro" vs. "lançamento de livro"», «A preposição de na oração "O livro é de José"» e «Livro de horas»). 

— A conferência científica internacional que assinala 100 anos da validação da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, com as observações de um eclipse total do Sol no Brasil e na ilha do Príncipe, que era à época uma colónia portuguesa;

Esta efeméride justifica que recordemos aqui algumas respostas relacionadas com os temas que convoca: «Metateoria e teoria», «Espaço e período (de tempo)», «Os naturais da ilha do Príncipe (São Tomé e Príncipe)», «Português de São Tomé» e o programa de rádio alusivo ao ensino da língua portuguesa em São Tomé e Príncipe (Língua de Todos).

— O congresso internacional “Macau e a Língua Portuguesa: novas pontes a Oriente” (MacLP2019), que terá lugar nos dias 27, 28 e 29 de novembro de 2019, sob organização do Instituto Politécnico de Macau e do Instituto Português do Oriente, e  que se centrará na reflexão e na partilha de investigação inovadora e de qualidade sobre a língua portuguesa nos domínios da Linguística, da Literatura e Cultura, da Pedagogia e Didática, bem como da tradução e Interpretação.

 7.  Temas dos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa da presente semana:

— No Língua de Todos – transmitido na sexta-feira, 1 de junho, na RDP África, depois do noticiário das 13h00*; com repetição no dia seguinte, pelas 9h15* –  passa uma entrevista com a diretora da Organização dos Estados Ibero-Americanos (OEI), em Portugal, Ana Paula Laborinho. Em foco o projeto de mobilidade académica Paulo Freire-PALOP (que, tal como o programa europeu Erasmus, vai  permitir a circulação de estudantes entre instituições de ensino superior dos PALOP e portuguesas);

— No Páginas de Português  – emitido na Antena 2no domingo, 2 de junho às 12h30*, com repetição no sábado seguinte, dia 8 de junho, às 15h3* – o embaixador de Portugal no Brasil, Jorge Cabral, conta  como está a ser feita a digitalização dos acervos das bibliotecas dos Grémios Literários de Belém do Pará, do Recife e de Salvador da Bahia.

  * Os programas Língua de Todos e Páginas de Português ficam disponíveis, posteriormente, aqui e aqui.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Quando se caracteriza a ordem de palavras do português, costuma falar-se na ordem SVO, que é o mesmo que dizer que numa frase da nossa língua aparece primeiro o sujeito, depois o verbo e, eventualmente, os seus complementos e modificadores: «Ela apresentou a sua demissão na sexta-feira». Contudo, nem sempre é assim, pois sabemos que a inversão do sujeito é frequente nas interrogações – «Apresentou ela a sua demissão na sexta-feira?» – e até em certas declarações, como se pode confirmar no consultório, numa nova resposta que sistematiza os casos de sujeito pós-verbal. Nesta atualização, podemos ainda compreender o uso contrastivo de sim, tal como ocorre no seguinte exemplo: «Ela demitiu-se não na quinta-feira, mas, sim, na sexta.» Já agora, a propósito de demissões e da conturbada saída do Reino Unido da União Europeia, uma outra resposta alude à da primeira-ministra britânica Theresa May em 24/05/2019, cuja saída depressa ficou conhecida como Mayexit (literalmente, «saída de May»), mais uma formação neológica anglo-saxónica de que os media em português se apropriaram. E, acumulando-se as nuvens no horizonte europeu, comenta-se a etimologia de nuvem e neblina.

Na imagem, Theresa May entra no n.º 10 de Downing Street em Londres, após o discurso em que anunciou a sua demissão (foto extraída do vídeo difundido pelo canal da Deutsche Welle News no Youtube).

2. Na rubrica O nosso idioma, transcreve-se um artigo que vai ao encontro de dúvidas levantadas pela escrita de topónimos: como estabilizar, por exemplo, a adaptação do nome geopolítico Sri Lanka ao português? Ou como evitar a excessiva variação na grafia de tantos topónimos da Angola, de Moçambique ou da Guiné-Bissau? Não basta o conhecimento da língua, é também preciso consenso e intervenção institucional ao nível internacional, num processo em que Portugal não tem estado nada ativo, como revela de modo muito crítico a linguista Margarita Correia, investigadora do CELGA-ILTEC (Universidade de Coimbra) no texto que assinou em 25/05/2019 no Diário de Notícias.

3. Continuando a comentar questões normativas do português, é tópico mais pacífico o da ortografia das palavras esdrúxulas, isto é, das proparoxítonas – por exemplo, pacífico, tópico, ou até toponímia. De tal maneira, que é caso para um texto se intitular "Há dois tipos de palavras: as proparoxítonas e o resto", como faz o arquiteto e escritor brasileiro Eduardo Affonso  na edição digital do Jornal da Cidade (artigo publicado em 25/05/2018).

4. Entre notícias sobre a aprendizagem da língua portuguesa como objeto de estudo, saliente-se a 12.ª edição da International Association for Research in L1 Education (ARLE – Associação Internacional para a Investigação em Ensino de L1), que, em 2019, tem organização do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa (UNL) e decorre de 24 a 28 de junho nas instalações da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, também da UNL. Este evento, que conta com a presença de linguistas de renome internacional (ver a lista de conferencistas convidados), dedica neste ano especial atenção às questões do ensino-aprendizagem do português como língua materna (ler Notícias; mais informações aqui).

5. Duas últimas notas com atualidade:

– uma sobre a notícia publicada pelo jornal digital Plataforma em 24/05/2019, registando as debilidades da Clínica Tyanyou China & Angola Hospital, em Huíla, Angola, entre elas, a de um médico chinês precisar de recorrer à tradução por telemóvel, do mandarim para o português, para atender os seus pacientes;

– outra sobre o Festival de Cannes, que, na edição de 2019 da sua secção paralela Un certain regard (Um certo olhar), premiou um filme em língua portuguesa,  A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, realizado por Karim Aïnouz. Também um filme rodado na Galiza ganhou o prémio do júri de Un certain regard:  trata-se de O que arde, do realizador franco-galego Oliver Laxe, que conseguiu o facto notável de, pela primeira vez, uma obra cinematográfica falada em galego ter vencido um certame em Cannes.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. As eleições para o Parlamento Europeu, que decorrem nos 28 Estados-membros da União Europeia de 23 a 26 de maio,  trouxeram para a atualidade mediática vocábulos ligados a tendências políticas ou à ação política. A construção da União Europeia e das vicissitudes também linguísticas que esta organização tem procurado ultrapassar são aspetos que justificam a (re)leitura de alguns artigos e respostas disponíveis no arquivo do Ciberdúvidas: "União Europeia"; "Gentílicos usados pelos serviços da União Europeia"; "Código de redação da União Europeia"; "O domínio alemão através do inglês"; "O inglês, língua oficial da União Europeia, mesmo depois do Brexit"; "Que ordem linguística para a nova União europeia?"; "Brexit vs. Bremain, os dois anglicismos marcantes do referendo na Grã-Bretanha, pró e anti-União Europeia"; "Estatuto do português em perigo na União Europeia"; "Política linguística da União Europeia em causa"; "Afonso Cruz vencedor do Prémio da União Europeia de Literatura 2012"; "Qual o lugar da língua portuguesa na União Europeia alargada?"; "A língua portuguesa na União Europeia alargada"; "Uma crise europeia com consequências linguísticas?"; "A difusão do português na União Europeia no Páginas de Português"; "Segundo um estudo comunitário, português é 'língua zero' na União Europeia". 

2. Uma nova greve pelo clima tem lugar neste dia, 24 de maio, em pelo menos 111 países, incluindo Portugal, uma ação que mobilizará mais de um milhão de estudantes em manifestações em defesa do planeta (notícias aqui e aqui) e que começa a produzir alguns efeitos, inclusive na linguagem. Referimos já aqui a decisão do jornal britânico The Guardian de substituir a expressão "climate change"  ("alterações climáticas") por "climate emergency" ("emergência climática"). Esta greve traz para o discurso quotidiano expressões como combustíveis fósseisenergias renováveis, aquecimento global, emissões poluentes, plástico, extermínio de espécies, que correspondem a preocupações que estarão na ordem do dia, acompanhadas da expressão «Planeta B», insistentemente repetida pela jovem ativista sueca Greta Thunberg, inspiradora das manifestações mundiais, que defende que «não há Planeta B».

A atualidade desta problemática leva a que recordemos algumas respostas / textos relacionados com léxico da área: ««Alterações climáticas» ou «mudanças climáticas»?», «Climático», «Do clima à ortografia», «Condições edafoclimáticas» e «O verbo estar com expressões relativas a temperatura».

3. A presente atualização do Consultório traz questões relacionadas com a existência e significado dos vocábulos espanéfico, espernético e espernéfico, com a conjugação do verbo parecer na 1.ª e 2.ª pessoas, com o uso de interjeições num poema do Almeida Garrett e com a possibilidade de introdução do grau comparativo de igualdade por como, quanto e quão. E ainda uma resposta que trata o valor da conjunção pois numa frase específica e a identificação da função sintática desempenhada por «à astronomia» na frase «Dedico-me à astronomia».

4. Entre as notícias relacionadas com a língua,  assinalem-se:

– a atribuição de 21 bolsas a estudantes de Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) pela Organização de Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), projeto enquadrado num programa de mobilidade, similar ao projeto europeu Erasmus, que vai permitir “a circulação de estudantes entre instituições do ensino superior e portuguesas, com reconhecimento curricular pelas escolas de origem” (notícia completa aqui);

– o trabalho de investigação que o Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa (CLUNL) está a levar a cabo, pedindo, para o efeito, a participação  falantes nativos de português europeu, espanhol, italiano, inglês e alemão (ler Notícias);

– a apresentação, até 16 de junho 2019 (1.ª fase), de candidaturas ao curso de Pós-Graduação em Ensino de Português Língua Não Materna (em regime de e-learning), na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (ler Notícias).

5. Nesta semana, o programa Língua de Todos, transmitido pela RDP África, dedica a sua atenção à Gramática para Todos – o Português na Ponta da Língua, a mais recente obra de Marco Neves, professor universitário e tradutor, numa entrevista com o autor (25 de maio, depois do noticiário das 13h00*; com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*). O programa Páginas de Português desta semana, na Antena 2, convida José António Souto Cabo, professor titular de Língua Portuguesa da Universidade de Santiago de Compostela, que virá falar sobre o documento que este investigador descobriu na Torre do Tombo, o Pacto de Irmãos, considerado como um dos mais antigos em galego-português, datado entre 1173 e 1175 e ainda sobre o galego-português, a sua origem e o modo como modelou a sociedade medieval de Portugal e da Galiza (no domingo, 26/05/2019, às 12h30*; com repetição no sábado seguinte, dia 1 de junho, às 15h30*).

 . * Os programas Língua de Todos e Páginas de Português ficam disponíveis, posteriormente, aqui e aqui.

 
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. «Ele chegou a casa e sentou-se no sofá e descansou um pouco e...» – não haverá nesta frase excesso de ocorrências da palavra e? Uma nova resposta do Consultório define em que condições se pode repetir esta conjunção. Outras questões também fazem parte da atualização deste dia: como analisar a maneira de referir a ação associada à frase «meti-me a viajar»? E como descrever a apreciação expressa em «valeu a pena lutar»? Que diferença gramatical existe entre tornar e tornar-se? E porque será que se diz «optei pelo curso de Letras», mas não «o curso de Letras foi optado»?

2. Na rubrica Pelourinho, a propósito da legendagem de uma série de televisão francesa, intitulada Philharmonie (em português, Orquestra), um apontamento de Sara Mourato recorda que, para designar uma mulher que dirige uma orquestra, um coro ou uma banda, se usa o substantivo maestrina, e não maestro.

3. «Fará sentido pôr em causa o Acordo Ortográfico (AO), dez anos depois de ele estar em vigor, de os alunos terem terminado dois ciclos de ensino e não conhecerem outra ortografia [...]?» – pergunta a professora Lúcia Vaz Pedro num texto que passa a estar disponível na rubrica Acordo Ortográfico e que o Jornal de Notícias publicou numa versão mais curta em 21/05/2019. «Demagogia, populismo e mesmo fake news» tinham também de chegar  à política da língua» – escreve o jornalista português Henrique Monteiro, no artigo que  assinou no semanário Expresso de 18/05/2019, que fica transcrito igualmente na rubrica Acordo Ortográfico. Em causa estão as declarações do jornalista e escritor brasileiro Nelson Valente, que, tecendo críticas ao AO, considera ter chegado o momento de o português brasileiro «ser reconhecido como uma nova língua».

4. Uma perspetiva diferente, a da unidade na diversidade, é a de jornalistas brasileiros da Folha de S. Paulo, que percorreram Portugal e Moçambique, além de diferentes regiões do Brasil, para mostrar a riqueza das expressões da língua portuguesa, a sétima mais falada do mundo. O nosso idioma reproduz, com a devida vénia, um dos vídeos desse trabalho.

5. Que o português falado e escrito no Brasil é a mesma língua usada em África ou em Portugal continua a ser também a visão prevalecente, como comprova o Pémio Camões de 2019, que, na sua edição de 2019, acaba de ser atribuído ao conhecidíssimo compositor e escritor brasileiro Chico Buarque de Hollanda. Entre as muitas reações à notícia, registe-se a de outro escritor e jornalista, também brasileiro, Sérgio Rodrigues, que não se faz rogado no elogio feito no jornal Folha de São Paulo, em 21/05/2019: «[...] a qualidade superior do cancioneiro de Chico vai além da capacidade que ele demonstra de manejar, como se os tivesse inventado, basicamente todos os recursos disponíveis no patrimônio acumulado pelos vates desde Homero».

6. No campo dos conteúdos digitais promotores da língua portuguesa, impõe-se mencionar o recente lançamento do Portal do Português da Universidade do Porto (UP), uma plataforma da iniciativa da Pró-Reitoria para a Promoção da Língua Portuguesa da UP, a qual «visa promover a importância do português como uma língua global e uma língua de produção e transmissão de conhecimento», bem como «difundir o [seu] uso [....] em contexto académico». Uma chamada de atenção, ainda, para o jornal eletrónico Plataforma, que mantém redações em Lisboa e Macau e que, conforme se declara no seu estatuto editorial, se caracteriza como «um órgão de comunicação social generalista onde se destaca a atualidade dos países e das regiões onde se fala a língua portuguesa».

7. Sobre os programas que o Ciberdúvidas produz para a rádio pública portuguesa:

– A propósito da recente publicação da obra Gramática para Todos – o Português na Ponta da Língua, do professor universitário e tradutor Marco Neves, o programa Língua de Todos, transmitido pela RDP África, passa uma entrevista com este autor e divulgador de temas da língua portuguesa (no dia 25 de maio, depois do noticiário das 13h00*; com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*).

– No Páginas de Português desta semana, na Antena 2 (no domingo, 26/05/2019, às 12h30*; com repetição no sábado seguinte, dia 1 de junho, às 15h30*)., conversa-se com José António Souto Cabo, professor titular de Língua Portuguesa da Universidade de Santiago de Compostela, sobre o documento que este investigador descobriu na Torre do Tombo, o Pacto de Irmãos, considerado como um dos mais antigos em galego-português, datado entre 1173 e 1175. Este texto é o legado de uma época em que se tinha formado no território norte-ocidental da península ibérica uma língua romance derivada do latim, num processo de evolução que durou séculos. O especialista reflete sobre o galego-português, a sua origem e o modo como modelou a sociedade medieval de Portugal e da Galiza.

* Os programas Língua de Todos e Páginas de Português ficam disponíveis, posteriormente, aqui e aqui.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. A gramática e as suas áreas constitutivas têm, ao longo dos séculos, sido testemunhas de uma especialização cada vez maior. Ao longo dos tempos, os estudos gramaticais aprofundaram novas áreas de estudo no âmbito específico da gramática e também no da sua relação com outras disciplinas. Esta diversidade de abordagens que se tem desenvolvido nos estudos linguísticos está a par com a variedade de perguntas que chegam ao Consultório do Ciberdúvidas. Nesta nova atualização são tratadas questões na área da sintaxe («Qual a função sintática desempenhada pelo constituinte «breve e misteriosa» na frase «Teve vida breve e misteriosa?» e «O modificador integra o predicado?»), da etimologia («Qual a origem do adjetivo rupestre?» e «Por que razão variam em género os numerais um/uma e dois/duas?») e da lexicologia («Qual a expressão mais adequada: "Às claras", "pelo claro" ou "em claro"?).

2. Na Montra de Livros, é também uma gramática que divulgamos. Trata-se da mais recente publicação do tradutor e professor universitário Marco Neves: Gramática para todos – o português na ponta da língua, da Editora Guerra & Paz. Uma gramática construída em tom coloquial e que propõe uma abordagem simples das tradicionais partes da gramática, às quais se junta um capítulo para tratamento de erros e dúvidas frequentes e ainda um outro com pistas para a produção textual. Uma obra para iniciados, que procura tornar acessível o conhecimento gramatical.

3. De tradução à letra e dos seus resultados por vezes risíveis nos fala Ana Martins, colaboradora do Ciberdúvidas e responsável pela Ciberescola, num apontamento que recorda a obra O Novo Guia de Conversação Português e Inglês, do português Pedro Carolino, que reúne um conjunto de traduções de expressões portuguesas propostas por um autor que não falava inglês. Este detalhe final justificará a tradução de «Quem tem boca vai a Roma» como «With a tongue one go to Rome», que constitui um dos inúmeros casos que aqui se encontram e que parece antecipar, em 1855, alguns estranhos resultados da atual tradução automática. 

4. A lexicologia, área da gramática que se dedica ao estudo das palavras e das relações que estabelecem entre si, dedica uma parte da sua atenção ao estudo do alargamento do significado das palavras. Este processo, designado extensão semântica, tem uma vitalidade assinalável e promove a dinâmica das línguas. A palavra redundância, utilizada pelo primeiro-ministro português António Costa a propósito das negociações do Estado português com o SIRESP, é um exemplo deste fenómeno de alargamento da significação inicial de um vocábulo no sentido de uma complexidade de sentido que por vezes parece roçar o contraditório. Sobre este aspeto da língua reflete o jornalista Luís M. Faria, num apontamento publicado e originalmente divulgado no Revista do Expresso

5. Destaque para a decisão do jornal britânico The Guardian que anunciou a atualização do seu livro de estilo, introduzindo  termos que descrevam com maior precisão e impacto a crise ambiental que o planeta enfrenta. Exemplo disto é a substituição da expressão "climate change"  ("alterações climáticas") por "climate emergency" ("emergência climática").  

6.  A expansão e divulgação da língua portuguesa no panorama mundial fica patente nas seguintes notícias que aqui destacamos:

— A oferta de ensino de língua portuguesa nas escolas públicas do distrito escolar de Santa Clara, em Silicon Valley, nos Estados Unidos, num projeto agora iniciado em resultado de um acordo entre o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, a Presidente da Câmara de Santa Clara, Lisa Gillmor, e Stanley Rose, superintendente do distrito escolar (notícia aqui);

— O avanço lento do projeto da primeira escola internacional portuguesa, em São Paulo, no Brasil, um projeto cuja primeira pedra foi lançada em 2017 e que assegurará um ensino com dupla certificação e ainda um centro de formação de professores (notícia aqui);

— Portugal é o país convidado da Feira do Livro de Sevilha, que terá lugar de 22 de maio a 2 de junho de 2019, na cidade espanhola de Sevilha (mais pormenores aqui). 

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Os exageros podem ser literários – basta lembrar a hipérbole –, mas, no quotidiano, assalta-nos a desconfiança quando alguém desata a «prometer mundos e fundos», expressão que é o tópico de uma das cinco novas respostas do Consultório. Dúvidas também suscitam o verbo provar, a identificação de uma função sintática, as palavras que denotam os denominadores das frações e um caso de interrogativa indireta.

2. Entre alunos de 12, 13 ou 14 anos, terá a disciplina de língua materna a capacidade de concorrer com as muitas solicitações eletrónicas e extraescolares que os distraem? A professora Lúcia Vaz Pedro, consultora do Ciberdúvidas, explica como tornar as aulas de Português mais apelativas num apontamento escrito para a rubrica Ensino.

3. Falar em público não é só abrir a boca e dizer o que vem à cabeça – e quem julga o contrário anda muito enganado. Para evitar ilusões e dissabores, O nosso idioma disponibiliza um conjunto de preciosos conselhos práticos, dados pela linguista e consultora permanente do Ciberdúvidas Carla Marques, que os reuniu num artigo originalmente publicado  na revista digital Leya Educação.

4. Corrigir os erros gramaticais dos outros é um dever social ou um exercício de personalidades obsessivas? O linguista brasileiro Aldo Bizzocchi discute o papel sociocultural da correção de erros linguísticos, num texto publicado no blogue Diário de um Linguista em 14/05/2019 e transcrito na rubrica O Nosso Idioma.

5. Entre as comemorações que vão preenchendo o calendário, três com atualidade:

– Em 17 de maio, o Dia Internacional contra a Homofobia assinala o aniversário da retirada da homossexualidade da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde (CID) da Organização Mundial da Saúde (OMS)*. Na mesma data, refiram-se ainda as celebrações do Dia das Letras Galegas, feriado que, na Galiza, se dedica a uma figura notabilizada pelo seu contributo para a língua galega e que, neste ano de 2019, tem como homenageado o historiador, etnógrafo e geógrafo Antonio Fraguas (sobre a questão linguística da Galiza, ler "Mana Galiza", de Fernando Venâncio).

*À volta do tema da sexualidade e das questões de género associadas, leiam-se os seguintes textos: "Homofobia, homófobo e homofóbico"; "Sobre a formação de homofóbico e homofobia"; "Os sem palavras"; "'Relacionamento homoafectivo'"; A palavra sexualidade; «Intercurso sexual»; «Fazer sexo»; «Três irmãs "foram abusadas" sexualmente»; Homossexual ou "gay"?; "Casal 'gay' ou par 'gay'"?; Igualdade no/de género e entre os géneros; «Afetivo e sexual» e o composto correspondente; A sintaxe de assumir-se; A pronúncia de heterossexualAuditorar/hetero-; Colectivo de dragão + heterossexual; Retrossexual; «Relacionamento homoafectivo»; Metrossexual.

– Festeja-se em 18 de maio o Dia Internacional dos Museus, marcado em Portugal pela entrada livre em vários espaços museológicos e por uma série de atividades para o público.

Referentes à palavra museu ou a esta alusivos, são vários os artigos e respostas em arquivo: "Da palavra museu à gramática de 'não dá'"; "O surpreendente Museu da Língua Portuguesa"; "O diminutivo de museu"; "Museu do Mar da Língua Portuguesa"; "'Museu Reina Sofia'... porquê?"; "Museu da Língua Portuguesa: um pouco de história"; "Horário de visita"; "Espólio dif. Acervo"; "São Paulo reconstrói o Museu da Língua Portuguesa"; "A vírgula e o á encalhados no Museu da Farmácia"; "Era uma vez um museu da língua portuguesa, em Bragança"; "O neologismo coquetelaria, ainda a locução «descargo de consciência» e a língua portuguesa como expoente máximo da interculturalidade".

6. Um registo final para lembrar que no programa Língua de Todos, transmitido pela RDP África, a linguista Sandra Tavares Duarte fala do português e do seu bom uso, abordando os casos do verbo fixar (fixado fixo) e de «ter de» e «ter que» (na sexta-feira, dia 17 de maio, depois do noticiário das 13h00* e com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*). No Páginas de Português, que irá para o ar na Antena 2, no domingo, 19/05/2019, às 12h30* (com repetição no sábado seguinte, dia 25 de maio, às 15h30*), entrevista-se Lúcia Vidal Soares, professora adjunta da Escola Superior de Educação de Lisboa, acerca da questão das línguas em Timor-Leste.

 * Hora oficial de Portugal continental, ficando os programas Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis, posteriormente, aqui e aqui

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. A riqueza do português caracteriza-se, entre outros aspetos, pela variação que compreende, marca distintiva das potencialidades de uma língua dinâmica. Algumas das dúvidas colocadas no Consultório emergem da tentativa de compreender alguns aspetos desta diversidade, as suas origens e as suas margens. Tal atitude fica clara na tentativa de conhecer a origem da pronúncia da palavra esôfago, do português do Brasil, que contrasta com a pronúncia europeia de esófago. Também os usos dos demonstrativos nas variantes brasileira e europeia causam dúvidas e hesitações. Ainda uma questão sobre o processo de formação de «poça de maré» e a dificuldade em distinguir o complemento de nome do modificador

2. «Copo de água» é uma expressão usada com frequência em pedidos feitos em bares e cafés que motiva um fenómeno de hipercorreção linguística quando leva, por vezes, os falantes a substituí-la por «copo com água», o que não se justifica, como tem sido registado no Ciberdúvidas (ver explicação aqui). Um tema retomado num apontamento recente de Marco Neves, tradutor e docente universitário português, disponível no blogue do autor, Certas Palavras

Sobre o tema, recordamos ainda a resposta «Copo de água» vs. «copo com água» e duas outras  relacionadas com a expressão copo d'águaA origem da expressão copo d'água» e «Sobre a origem da expressão copo d'água»).

3. A atualidade política tem sido marcada, em Portugal, pela presença mediática da palavra desplante. Usada inicialmente pelo primeiro-ministro português António Costa num comentário às declarações do empresário Joe Berardo na comissão de inquérito da Assembleia da República (notícia aqui), vale a pena lembrar a sua origem. Desplante é um nome formado por derivação não-afixal a partir do verbo desplantar, que pode designar uma posição de esgrima, mas que, no contexto em que tem sido usado, significa a «qualidade de quem é ousado ou de quem não mostra o devido respeito pelas conveniências = Arrojo, Atrevimento.» ( in Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea). 

4. No âmbito da língua portuguesa no mundo, chega-nos a notícia de que a Faculdade de Estudos Hispânicos e Portugueses, em Pequim, a primeira faculdade de português na China continental, pretende aprofundar os estudos relacionados com a língua, abrindo cinco novas áreas de estudo: linguística, tradução, literatura, ciência política, economia e comércio. O objetivo deste alargamento centra-se no desenvolvimento do intercâmbio internacional da China com os países lusófonos (notícia aqui).

5. Do português e do seu bom uso se falará no programa Língua de Todos, transmitido pela RDP África, no qual  a linguista Sandra Tavares Duarte abordará os usos do particípio duplo do verbo fixar (fixado fixo) e de «ter de» e «ter que» (na sexta-feira, dia 17 de maio, depois do noticiário das 13h00* e com repetição no dia seguinte, pelas 9h15*). O programa Páginas de Português, da Antena 2, que irá para o ar no domingo, 19/05/2019, às 12h30**, com repetição no sábado seguinte, dia 25 de maio, às 15h30**, tratará questões relacionadas com Timor-Leste, em entrevista a Lúcia Vidal Soares, professora adjunta da Escola Superior de Educação de Lisboa

 ** Hora oficial de Portugal continental, ficando os programas Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis, posteriormente, aqui e aqui

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Será aceitável dizer-se «aposto em como consigo dar um salto»? Não será melhor «aposto que consigo dar um salto»? Um pouco de pesquisa histórica é capaz de mostrar que não há razão para rejeitar o uso de apostar em como em lugar de apostar que, conforme se conclui numa das novas respostas em linha no Consultório. Esta atualização traz ainda dúvidas acerca de uma oração relativa introduzida por cujo, do uso frásico do advérbio estritamente e da concorrência entre dois geónimos, Malvinas e ilhas Falkland.

2. Às portas do fim da época de 2018/2019, o futebol português motiva mais uma confusão linguística no discurso mediático. Trata-se da troca do nome descrença por descrédito, conforme Sara Mourato assinala e corrige num novo apontamento do Pelourinho.

 3. Ainda à volta de um trabalho jornalístico publicado no semanário Expresso de 4/05/2019 e aqui referido na abertura de 6/05/2019, na rubrica Acordo Ortográfico divulga-se "Contra o simplificacionismo imponderado do AO de 1990", um texto da autoria do consultor D'Silvas Filho.

4. Na data de 13 de maio, passam 102 anos desde as aparições de Fátima, em Portugal. É dia de oração e reflexão para crentes de todo o mundo; mas, pondo fé e confessionalismo a distância, considera-se igualmente o impacto deste santuário e da Igreja Católica na história contemporânea portuguesa. A respeito da marca que instituições e ritos católicos deixaram na língua, recomenda-se a consulta dos seguintes artigos e respostas: "Aparição", "Aparição e aparecimento", "A invocação do nome Nossa Senhora"; "As palavras do papa"; «Ser mais papista que o papa»; "Bíblia (escreve-se sem itálico)"; "Bíblia / biblioteca"; "A evolução semântica de igrejabispoministro e missa"; "Padre, P. e Pe"; "A forma de tratamento de um padre"; "Padre, madre, abade, abadessa"; "O aumentativo de padre"; "Sobre a prática do catolicismo"; "Origem das palavras católico e catolicismo"; "Católico, 'catolicato' e 'catolicossato'"; "A origem da palavra igreja"; "Igrejas evangélicas"; "A origem da expressão 'roubo de igreja'"; "A história e o significado da expressão XPTO"; "XPTO"; "A.C. - d.C.; Jesus Cristo; a.I. - d.I."; "A. D. e d. C."; "A organização católica Opus Dei em português é feminina"; "O feminino da palavra bispo"; "Forma de tratamento de cardeal"; "Cheirar a bispo»/«entrar o bispo"; "Batizado"; "Batismo e batizado"; "A pronúncia da palavra batizado"; "Cruz de falecido e cruz de eclesiástico"; "A influência do latim eclesiástico"; "A pronúncia do latim (em escolas e universidades e no âmbito eclesiástico)"; "Maiúsculas em três casos específicos"; "Congreganismo"; "O acto de dar o dízimo (nas igrejas)"; "'Filho da Igreja', 'filho de Deus', 'filho das ervas' e 'filho das malvas'"; "Santo / São". Para compreensão dos topónimos Fátima e Cova de Iria, releiam-se ainda as respostas intituladas "Os topónimos Sobral de Monte Agraço, Monte Abraão e Fátima", "A pronúncia de palavras da família de cova", "O artigo definido e as personalidades históricas".

5. Nem sempre se pensa no cinema também como forma de afirmar e promover uma língua. Justifica-se, por isso, o registo do Festival Itinerante da Língua Portuguesa (FESTin), que tem nova edição no presente mês de maio, com o propósito de fomentar a interculturalidade, a inclusão social e o intercâmbio cultural nos países de língua portuguesa, valorizando a diversidade de cada povo. As sessões decorrem em Lisboa – nos cinemas São Jorge, no cinema City Alvalade e no Fórum Lisboa (ver programação aqui).

No contexto dos estudos fílmicos, outra área de investigação que vai ganhando maior força e expressão em língua portuguesa, refira-se igualmente a realização do IX Encontro da Associação de Investigadores da Imagem em Movimento (AIM), que no presente ano decorre de 13 a 16 de maio em Santiago de Compostela (mais informação aqui).

6. Por último, uma notícia com significado para a lexicografia de Portugal: Carlos Amaral, um dos fundadores da Priberam e diretor executivo desta empresa, foi  considerado “Personalidade do Ano” pela revista Exame Informática, no âmbito dos prémios anuais “O Melhor do Portugal Tecnológico”. Na entrega do galardão, um dos membros do júri, José Tribolet, sublinhou que o premiado é «alguém que tem um papel muito importante na história da língua portuguesa», a quem se «reconhece o pioneirismo, a capacidade, engenho e perseverança neste longo percurso».