Aberturas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Aberturas
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Enquanto os números descem, fala-se das consequências da pandemia em Portugal e no mundo, traduzidas pelo abandono escolar, pelo agravamento das desigualdades entre ricos e pobres, ou entre homens e mulheres, bem como pelo balanço trágico das mortes, mesmo entre os profissionais de saúde (17 mil mortos)*. Analisam-se também as alterações na vida quotidiana, num processo de digitalização que vai do acesso à cultura (cresce a procura do  cinema on-line) ao teletrabalho e à chamada «fadiga do Zoom». Por seu lado, as medidas de confinamento – no Brasil, o grau mais restritivo é a «fase vermelha» – repercutem-se na própria vivência do amor, essa «arte da boa distância», no dizer do filósofo português João Pedro Cachopo. Deste modo se perfila o contexto da atualização de O léxico da covid-19, onde se incluem, além dos termos atrás destacados, expressões como «testar, rastrear, isolar, vacinar», «turismo de vacina» e «[um] vírus [que] não vai desaparecer».

* Registe-se o prémio Award of Excellence no concurso de fotografia PoY – Pictures of the Year International, na categoria Spot News, atribuído ao fotógrafo português Rodrigo Cabrita, pela imagem que captou, de um doente muito jovem de covid-19.Ler e ver aqui e aqui.

2. Porque será que, no ensino não universitário, não se foca a diferença entre o porque causal e o porque explicativo? A pergunta é feita no Consultório, que apresenta outras cinco: se existe saliente, que alude ao verbo sair, porque não se usa "saiente"? Será que parece infantil o uso de tu numa mensagem publicitária? Numa construção consecutiva – «comeu tanto que ficou maldisposto» –, a  conjunção consecutiva é a expressão descontínua «tanto... que»? O que é mais correto: «antes de que» ou «antes que»? Por último, qual era a antiga regra ortográfica aplicada ao prefixo tele-?

3. Na rubrica O Nosso Idioma, três apontamentos:

– Num registo áudio, a entrevista  que a  linguista Margarita Correia deu ao programa de rádio Páginas de Português em 21/02/2021, sobre as diferenças entre glossário, dicionário e vocabulário.

– O artigo que o jornalista Nuno Pacheco dedicou,em 04/03/2021, ao 31.º aniversário do jornal Público, abordando  o uso idiomático de trinta-e-um, por exemplo, em «foi/vai ser um trinta-e-um».

– Um  apontamento do linguista brasileiro Aldo Bizzocchi publicado no mural Língua e Tradição em  01/03/2021, no Facebook, a respeito de trocadilhos e outros jogos de palavras humorísticos, típicos da cultura brasileira, como este: «O pai ia dar ao filho que estava para nascer o nome de Edison; só que, quando o menino nasceu, seu pai o batizou de Pelé. Os amigos estranharam e perguntaram: "Ué, não era pra ser Edison?" Ao que o pai respondeu: "Não, Edison era antes do nascimento"» (Obs.: o verdadeiro nome de Pelé é Edson Arantes do Nascimento).

4. O Partido Comunista Português (PCP), o mais antigo partido português com assento na Assembleia da República, foi fundado em 6 de março de 1921. O centenário é comemorado pelo partido, claro está, mas também por outras entidades, como é o caso da Fundação Mário Soares e Maria Barroso, que assinala o dia do aniversário, a partir das 17h30, com um evento digital a que se pode ter acesso aqui.

Relacionados com o enquadramento ideológico e a história recente do PCP, leiam-se "Figuras de urso", "Tradução desumana", "Salamizar", "Marxizante" e "A pronúncia de racismo".

5. Outra comemoração, a do Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, coincidente com o Dia das Nações Unidas para os Direitos da Mulher e a Paz Internacional. Em 2021, o tema associado à data é "As mulheres na liderança: alcançar um futuro igualitário num mundo de COVID-19". Mais informação aqui.

Consultem-se, a propósito, as respostas e artigos do Ciberdúvidas sobre género como categoria linguística e o tema da violência de género: «O feminino de guarda-noturno», «O feminino de palhaço», «Feminino de piloto aviador», «Juíza + a aprendiza», «Capataz ou capataza?», «Ainda o feminino de capitão», «Feminino de escanção», «Qual o feminino de bombeiro?», «A tropa no feminino», «O feminino de gramático», «O feminino de músico», «Político-mulher», «Palavras à procura de feminino», «Ginocídio e feminicício», «Feminicício ≠ uxoricídio». Na imagem, um desenho de Álvaro Cunhal (191-2005), secretário-geral do Partido Comunista Português entre 1961 e 1992.

6. Datas também com interesse, algumas com incidência linguística:

– Neste dia, em 1946, Winston Churchill, primeiro-ministro britânico, fala pela primeira vez da cortina de ferro, metáfora para a divisão entre a Europa Ocidental e a de Leste durante a Guerra Fria, num discurso no Missouri; e, em 2016, o International Board (IFAB), entidade que regula as leis no futebol, aprova, a título experimental, o recurso às imagens vídeo nas arbitragens dos jogos, o chamado VAR (cf. "Uma questão de terminologia" e "Videoárbitro").

– A  6 de março é assinalado o Dia Europeu da Terapia da Fala.

– Em 7 de março, faz 95 anos que se efetuou a primeira conversa radiotelefónica transatlântica, entre Nova Iorque e Londres.

Cf. "Rádios-piratas", "Radiodespertador...", "Radiocontrolada", "Radiouvinte" e "A rádio e o rádio".

7. Nos programas* que a Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa produz para a rádio pública portuguesa, são temas centrais as políticas e planeamento linguístico na Guiné-Bissau e o portal Portulan, uma infraestrutura de investigação para a ciência e tecnologia da linguagem.

Língua de Todos, na RDP África, é transmitido na sexta-feira, dia 6 de março, pelas 13h20 (é repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00). O Páginas de Português, vai para o ar na Antena 2, no domingo, 7 de março, pelas 12h30 (com repetição no sábado seguinte, 13 de março, às 15h30). Hora oficial de Portugal continental, ficando ambos os programas disponíveis posteriormente aqui e aqui, respetivamente.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Foi em 2 de março de 2020 que foram confirmados os dois primeiros casos de pessoas infetadas em Portugal. Num ano, os números subiram para cerca de 80 500 pessoas infetadas, tendo já falecido mais de 16 000 doentes (Cf. Relatório DGS). A chegada do coronavírus trouxe mudanças profundas a vários domínios da sociedade, situação a que o léxico não ficou indiferente. Novas palavras e expressões passaram a integrar os textos quotidianos dos falantes: coronavírus, covid, confinamento, «estado de emergência», entre outras tantas. Um ano depois, a situação evoluiu, mas ainda não se encontra resolvida. O desconhecido e a incerteza em tantas frentes – desde as medidas restritivas da mobilidade social tomadas para travar a  transmissão do vírus e as suas sequelas até  ao facto  de 80% das infeções em Portugal terem ainda origem desconhecida* — fica bem patente na entrevista da ministra da Saúde Marta Temido, concedida  à Antena 1.

Afinal, só 10% dos casos ocorrem comprovadamente nas famílias. Mais de 80% dos casos de Covid em Portugal são de origem desconhecida

2. É dessa realidade multifacetada e das suas manifestações na língua que o glossário O Léxico da Covid-19 vai deixando registo para memória futura da dinâmica lexical de um período muito particular da história. Desta feita, assinala-se a entrada dos seguintes 16 novos termos: Adriano Maranhão, amostras de saliva,  «animais  errantes», «apartheid informal», «Burguesia do teletrabalho», colapso, «comércio essencial», «cuidados paliativos», «desconfinamento em segurança», «desconfinamento informal», dose, «2 de março», «mitigação», PRR, resiliência e  «vacinação VIP».

3. A designação da nova época geológica e cultural em que se terá  chegado até nós o em meados do século XX dá matéria na rubrica Consultório a uma questão sobre o nome adequado para a designar: antropoceno ou antropocénio? Noutra resposta analisa-se a possibilidade de o nome natureza se ter formado a partir de "naturaleza". Do ponto de vista da classe de palavras, identifica-se a subclasse do verbo sentir-se e a possibilidade de o advérbio ter um valor temporal. Por fim, indicam-se valores que poderão estar associados a dois tempos do conjuntivo, o futuro simples e o futuro composto (perfeito) e apresenta-se uma resposta sobre a presença do r retroflexo em Portugal. 

4. A eutanásia foi a palavra que serviu como ponto de partida para a crónica apresentada pela professora Carla Marques no programa Páginas de Português, emitido na Antena 2, no dia 28 de fevereiro de 2021, a qual pode ser recordada aqui.

5. A pronúncia afetada, à inglesa, do nome próprio Camp Nou, designação do estádio da cidade de Barcelona, motiva a reflexão crítica do jornalista português João Alferes Gonçalves, num pequeno apontamento disponível na rubrica Pelourinho – um caso mais da pandemia anglófona, recorrente no audiovisual português. 

6. As palavras mais pesquisadas no Dicionário Priberam da Língua Portuguesadurante o mês de janeiro de 2020, foram ontem divulgadas, tendo revelado que o novo confinamento, as medidas associadas à pandemia e a onda de frio determinaram as áreas da curiosidade lexical do portugueses, como fica patente nas palavras postigo, colapso ou profilático (notícia aqui).

7. A covid tem aberto muitas batalhas e exigido esforços acrescidos a diferentes classes profissionais, entre as quais se destaca o pessoal de saúde. No entanto, a classe dos professores, com a sua ação e os seus esforços, também não deve ficar esquecida nesta pandemia, porque o ensino continuou a ter lugar apesar de todas as vicissitudes, graças à disponibilidade, força e coragem dos professores, o que nos é recordado neste artigo do professor Dinis Rebelo (texto divulgado no jornal Público e aqui transcrito com a devida vénia). 

8. A professora e colaboradora permanente do Ciberdúvidas Carla Marques promoveu, em 1 de março, um webinário dedicado à oralidade, que poderá ser (re)visto aqui.

9. Palavras Cruzadas, da autoria e apresentacão de Dalila Carvalho, é um novo programa diário na Antena 2, que se recomenda vivamente. Iniciado em janeiro p.p, reflete sobre as palavras do dia a dia, em conversa com um convidado especializado no tema em foco em cada semana de emissão. Por exemplo: Faça o favor de dizer se tem uma neoplasia maligna ativa ; Velho, Idoso, Sénior ou Maior? ArrasarO que faz de um texto uma boa letra para uma canção?;  Há palavras de direita e de esquerda?; Os números também mentem?; Expressões psiquiátricas; Mister (Porque é que os treinadores de futebol são Mister? E as secretárias agora são assistentes? E os vendedores de imóveis são consultores? E os fotógrafos do jornal são repórteres fotográficos?);Títulos Profissionais (Como resolver de forma airosa o uso inadequado dos títulos profissionais?); Tratamento por tu e por você?; Esposa ou mulher?; ou Com os melhores cumprimentos. Emite de segunda a sexta-feira, às 9h55 e às 18h20 – ficando permanentemente disponível, em arquivo, depois, na RTP Play   

10. No âmbito das notícias de relevo, destaque para as seguintes

— A  formação de professores "A Europa na Escola", ação de curta duração com inscrições abertas até 22 de março. 

— O projeto de mentorado desenvolvido pela Fundação Calouste Gulbenkian, que apoia o estudo dos alunos mais desprotegidos, durante o período de confinamento.

— A criação da plataforma Book it, por parte de um grupo de ex-alunos da Universidade de Aveiro, com o objetivo de rentabilizar o uso e a leitura de livros usados;

— O projeto «Conta Comigo: Leitura à distância de uma chamada», que permite aos colaboradores da biblioteca de Baião a ler histórias às pessoas mais idosas, via telefone. 

11. Assinalam-se neste dia os 45 anos da independência de Marrocos, pretexto para se recordar alguns textos disponíveis no Ciberdúvidas da Língua Portuguesa: «Marrocos, Marráquexe e Marraquexe», «Rabat e Rebate (Marrocos)», «O aportuguesamento Melilla (enclave espanhol em Marrocos)», «O berbere, o latim e os dialetos berberes africanos», «Fonemas portugueses de origem árabe», «O artigo em topónimos estrangeiros», «Não, o inglês não basta», «A volta dos gentílicos (ou adjetivos pátrios)» e «Para Marrocos» ou «Para o Marrocos».

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Apesar de opiniões contrárias, como a carta "Prioridade à escola!", de 23 de fevereiro p. p., apelando à retoma urgente da atividade letiva presencial, mantêm-se em Portugal as aulas à distância e o confinamento estrito. Do discurso que, em 25 de fevereiro, o presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa associou à renovação do estado de emergência (até 16 de março p. f.), os media portugueses destacam uma frase de força ilocutória diretiva: «Temos de ganhar até à Páscoa o verão e o outono deste ano.» Entretanto, revela-se que antes do primeiro anúncio de infeções em Portugal, em 2 de março de 2020, o coronavírus já circulava no país. Assim se desenha o pano de fundo das 15 novas entradas de O léxico da covid-19: automação, B. 1.526Butantan, conta-gotas, «dois anos», «Estado de emergência XII», Gana, «positividade tóxica», prioridades, Sinopharm, «toque de recolher», «vacina russa», «vacinas chinesas», «vacinação em massa» e «(o) valor do R».

Na imagem, p. 24 de O Escritor (1975), de Ana Hatherly (1929-2015).

2.  Na presente atualização, o Consultório recebe seis perguntas: um determinante possessivo pode desempenhar função sintática? O verbo inocular tem voz passiva? Como analisar a expressão «ser a gota de água» numa frase? Como se opera a localização temporal na frase «antes de escrever, o escritor sente-se ansioso»? O que é no em «não no pode estorvar» (Camões)? Qual é a pronúncia de racismo no português de Portugal?

3. Na rubrica Montra de Livros, apresenta-se o livro Conversando é que a Gente se Entende, obra da autoria do professor Nélson Cunha Mello. Publicada no Rio de Janeiro em 2009, que reúne 10 mil expressões idiomáticas, casos, ditos populares, gírias e bordões da criativa linguagem popular no Brasil.

4. Em O Nosso Idioma, a consultora permanente do Ciberdúvidas, Carla Marques, propõe uma reflexão sobre as distorções que, em Portugal, o uso mediático da última década tem infligido ao nome narrativa, hoje convertido num irritante modismo. Três outros artigos ficam aí transcritos e atribuídos, com a devida vénia, aos respetivos autores e às fontes onde foram originalmente publicados:

 ♦ O artigo "Da tradução automática gratuita", assinado pela professora portuguesa Margarita Correia, sobre as limitações do Google Tradutor (in Diário de Notícias, de  22/02/2021).

 ♦ Um apontamento do linguista brasileiro Aldo Bizzocchi, que a pretexto das origens da palavra fidalgo, fala de investigação etimológica criteriosa e do apoio que se não dá no Brasil a projetos nesta área de estudos (in blogue Diário de um Linguista, em 24/02/2021).

♦ E um texto do escritor e letrista Fernando Gomes sobre a vírgula de Oxford – a propósito da ambiguidade de uma sequência do decreto presidencial para renovação do estado de emergência em Portugal (Facebook, fevereiro de 2021).

5. No campo da formação com interesse para docentes de Português e eventualmente para outros profissionais, destacamos:

 ♦ A sessão Professor, não consigo fazer a minha apresentação oral, um webinar (ou webinário) sobre oralidade em contexto escolar a realizar em 1 de março, pelas 17h30, e dinamizado pela professora e linguista Carla Marques

♦ O 5.º webinário A Interculturalidade na aula de PLE, organizado pela Área de Filologia Galega e Portuguesa, do Departamento de Filologias Integradas da Universidade de Sevilha, pelo Grupo de Pesquisa HUM889: Línguas em Contato: Tradução, Ensino, Linguística e Literatura, e pela Área de Português do Instituto de Idiomas da Universidade de Sevilha (27 de fevereiro de 2021, às 18h00 de Madrid, às 17h00 de Lisboa e às 14h00 de Brasília; inscrições aqui).

6. Da atualidade relativa à língua e às suas literaturas, salientam-se:

♦ a atribuição do  Prémio Universidade de Coimbra, em 2021, assinalando o seu 731.º  aniversário, ao cardeal e ensaísta português Tolentino de Mendonça, atual bibliotecário e arquivista da Biblioteca do Vaticano.

♦ Mais uma edição do festiva literário Correntes d'Escritas, promovida pela Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, que em 2021 a realiza em modo virtual e no qual será prestada uma homenagem ao escritor chileno Luís Sepúlveda, falecido em 2020.

Maria Teresa Horta vence prémio literário Correntes d' Escritas 2021

♦ A série Culto, em nove curtas-metragens, dedicada à poesia portuguesa e apresentada pela Musgo e Câmara Municipal de Oeiras.

7. Impondo-se por enquanto o confinamento, justifica-se aqui o registo da lista de bibliotecas em linha, com livros para descarregar, que o jornal Observador publicou em 17/03/2021.

8. Tópicos desta semana nos programas que a Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa produz para a rádio pública portuguesa:

♦ O português em S. Tomé e Príncipe e a palavra saudade em A Língua de Todos, emitido pela RDP África, na sexta-feira, 26 de fevereiro, pelas 13h20* (repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00*).

♦ As iniciativas oficiais do Brasil para a promoção internacional do português no Páginas de Português, transmitido na  Antena 2, no domingo, 28 de fevereiro, pelas 12h30** (com repetição no sábado seguinte, 6 de março, às 15h30**).

 * Hora oficial de Portugal continental, ficando os programas Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis aqui e aqui.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. A senda da evolução da covid-19 coloca as populações a depositar a sua confiança nas formas de proteção que as investigações científicas têm desenvolvido. Entre elas encontram-se as vacinas, concebidas sob diferentes formas de abordagem, que dão origem já a vacinas de 1.ª, 2.ª e 3.ª geração e às quais se juntam também as vacinas de ADN. No entanto, a mesma solução que promete salvar as populações tem levantado problemas ligados à corrupção ou à falta de ética, como se verifica pela hipótese de administração de vacinas de vento (sobretudo no Brasil) ou pela existência de fura-filas, que teimam em desrespeitar as prioridades de vacinação definidas pelas autoridades. Apesar de ter encontrado já soluções de vacinação, a comunidade científica mantém uma especial atenção a cada mutação, variante, cepa e linhagem do vírus SARS-CoV-2, atentando sobretudo na sua disseminação, virulência ou patogenicidade. Presta-se igualmente especial atenção a sequelas da covid-19, tais como o aparecimento de formas de pneumonia raras ou o desenvolvimento de bactérias oportunistas. Entretanto, na ordem do dia em Portugal instala-se a dúvida sobre se é chegado o momento de desconfinar. Cansada do isolamento e das suas consequências e confiante na diminuição dos números diários de contágios, a população começa a dar sinais de vontade de regresso à vida normal, o que implicará, entre outros aspetos, a reabertura das escolas. Pensando nesta realidade, diversos setores da sociedade deixam já exigências relacionadas com as creches. Os termos destacados incluem a nova atualização de O Léxico da Covid-19 e a eles juntam-se ainda as entradas Antígenos, Cepa, Informação ≠ especulação e espetáculoLinhagem e Matriz (de riscos).  

2. A exploração dos significados da palavra mentideiro, originária do castelhano mentidero, abre a atualização do Consultório, acompanhada pela explicação da origem do termo membresia, de aceitação ainda duvidosa. A estas respostas juntam-se a análise do constituinte «a que houvesse discórdia» enquanto complemento do verbo levar, a análise de um complemento direto preposicionado, a explicitação da regra de concordância do possessivo com um sintagma nominal composto por nomes coordenados, uma explicação sobre diferentes tipos de modalidade estudados no ensino não universitário e ainda uma reflexão sobre o uso das palavras dordores

3. Os problemas de tradução estão presentes, em diversas situações, nos programas televisivos. Desta feita, o erro merecedor de entrada no Pelourinho foi a tradução do inglês camaraderie por "camaradaria", como nos dá conta neste apontamento a jornalista Paula Torres de Carvalho

4. Partindo da tese defendida por Roland Barthes de que não existe linguagem objetiva, o escritor português Gonçalo M. Tavares desenvolve um artigo no qual demonstra como a linguagem permite perspetivar de formas distintas uma mesma realidade, o que abre o caminho à manipulação das perceções sobre a realidade com recurso a mecanismos que importa conhecer para defesa da própria ação de cidadania (crónica originalmente divulgada na Revista E do jornal Expresso e aqui transcrita com a devida vénia). 

5. A profusão de estrangeirismos que integra o léxico quotidiano dos portugueses leva o escritor e argumentista Alexandre Borges a defender a tese de que a língua portuguesa acabará por definhar naturalmente face à hegemonia da língua inglesa (artigo originalmente publicado no jornal Observador e aqui transcrito com a devida vénia).

6. A importância do léxico está patente também nos palavrões que o integram, os quais assumem funções muito diversas nas relações humanas. Tomando este facto como mote, a jornalista mexicana Darinka Rodríguez apresenta a nova série da Netflix intitulada History of Swear Words [«A História dos Palavrões»], que aborda a história de seis dos insultos mais usados em língua inglesa (artigo originalmente publicado em espanhol na página Verne, que aqui transcrevemos com a devida vénia).

7.  O jornal espanhol El País lançou uma nova edição do seu Livro de Estilo (editora Aguilar). Nesta 23.ª edição Este documento integra questões muito atuais, como a problemática do género gramatical a adotar. Neste plano, determina-se, pela primeira vez, o uso das formas femininas "jueza" [juíza] e "concejala" [vereadora], embora para os restantes casos se mantenha o uso do masculino. Apresenta também recomendações relativamente ao sexismo na linguagem e às formas de apresentação da violência machista (artigo completo aqui). 

Sobre a formação, em português, do feminino de profissões e cargos tradicionalmente excercido por homens, vide. entre outros textos disponiníveis no arquivo do Ciberdúvidas Juiz, juíza + A juíza e a presidente + Palavras à procura do feminino + O sexo e a língua, Capelã e capelã + Capitã, outra vez + O feminino de mestre + Mulheres... barbeiras + O feminino de carteiro  + A tropa no feminino + Poetisa inferiroiza?Uma maestrina a quem chamam maestro + A chanceler, a chancelera ou a chancelerina? Palavras à procura do feminino + Os cidadãos e a gramática.

8. No dia 21 de fevereiro assinalou-se o Dia Internacional da Língua Materna, o que motivou uma variedade de eventos. Entre eles, destacamos os seguintes (que poderão ser revistos):

— A Journée Internationale des Langues Maternelles: 36 voix pour un petit tour du Monde, um encontro onde se apresentaram testemunhos relacionados com línguas como o basco, o bretão, entre outras (disponível aqui);
— A tertúlia «O desassossego das palavras», organizada pela Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, em Braga, que contou com a presença dos linguistas Marcos BagnoFernando Venâncio e do moderador José Moreira da Silva, que abordaram o tema do preconceito linguístico e a intolerância (notícia aqui).

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Além da premência do rastreio e da vacinação contra o coronavírus, tornam-se patentes problemas de outra ordem – da falta de sustento à perda da saúde mental. Valoriza-se, portanto, o gesto de quem, fora dos hospitais, antes e depois deles, se solidariza com os desamparados pela atual crise. Tudo isto documenta o aparecimento de iniciativas  como «Vizinhos à Janela», denominação que, com outras vinte, constituem a atualização de "O léxico da covid-19": «apoio alimentar», «cama solidária», «contact tracing», «contentores frigoríficos», «distribuição gratuita», «exaustão extrema»,«fadiga pandémica»,«gig workers», «humidade», «índice de transmissão ( ou de transmissibilidade)», Our World In Data, «severidade (da doença)», «simulador para vacinação», «síndrome de pânico», «SOS Hotelaria», take away, «teorias da conspiração», «testar, testar, testar», «tomada única» e «Vacinas... em falta».

2. Com a presente atualização do Consultório, volta-se às orações com a função de predicativo do sujeito e dão-se pistas sobre o conjuntivo a um estudante da China. Descreve-se a sintaxe da construção «quem (me) dera...» e do nome pejo; depois, distingue-se o pronome se reflexivo do se apassivador, além de se abordar a relação entre  as noções de campo lexical e hiperonímia/hiponímia. Finalmente, revisitam-se as expressões idiomáticas,  listando as que significam «ter sabor excelente», e regista-se o uso de «ir para baixa da égua» no Nordeste brasileiro.

3. Na rubrica  Notícias, assinala-se a realização do webinar «Professor, o que tenho de estudar? Processos de compreensão do texto», que teve lugar no dia 9 de fevereiro de 2021, sob orientação de Carla Marques, professora e consultora permanente do Ciberdúvidas. A sessão, destinada sobretudo a professores de Português, tratou de vários aspetos da compreensão leitora.

4. Na Montra de Livros, apresenta-se A Língua das Cantigas (Vigo, Editorial Galaxia, 2019), uma breve gramática descritiva elaborada pelo filólogo sueco Pär Larson, no intuito de facilitar a leitura e a compreensão da lírica medieval da Galiza e de Portugal.

5. Em O Nosso Idioma, transcrevem-se com a devida vénia dois apontamentos do matutino  Público: sobre a banalização do uso de certos termos políticos, "Os direitos das palavras:  fascista" (17/11/2018), do jornalista Jorge Almeida Fernandes; e, a propósito de estrangeirismos desnecessários e do vernáculo que anda esquecido, "Importações verbais" (17/02/2021), do escritor Miguel Esteves Cardoso.

6. Em Portugal, o mês de fevereiro vai manifestando a chegada da primavera, como é o caso das míticas amendoeiras em flor do Algarve e do Alto Douro, mas outras plantas há também, mais prosaicas e merecedoras de igual atenção. Na rubrica Diversidades, disponibiliza-se um texto de Miguel Boieiro, vice-presidente da Direcção da Sociedade Portuguesa de Naturalogia, à volta da ervilheira cujos grãos, as ervilhas, têm importante uso culinário.

7. Em situação de pandemia, serviços e comércio procuram conjugar a presença do utente/cliente com um mínimo de contacto físico graças a meios de leitura e registo digitais. Fala-se, portanto, de phygital um neologismo inglês que resulta da amálgama de physical («físico») e digital. O  anglicismo começa a ter ocorrências no discurso mediático em português, mas ainda sem aportuguesamento estável à vista. Uma adaptação possível seria "fisigital" (ou "figital"), formas ainda não atestadas que copiam sem dificuldade o espanhol figital e fisigital, propostas pela Fundación para el Español Urgente (Fundéu).

8. Continuando com neologismos, anote-se a ocorrência de amartagem, termo associado à chegada a Marte do rover Perseverance. Sobre maneiras de denotar o ato de pousar numa superfície terrestre ou extraterrestre, consultem-se "Amartar", "Efeito aquaplanagem", "A formação de alunar", "Ainda aterrar, amarar,alunar" e "Aterrar,aterrissar".

9.  Assinala-se em 21 de fevereiro o Dia Internacional da Língua Materna. A data é marcada por diferentes eventos nos países de língua portuguesa não só para festejar a língua hegemónica – o português –, mas a diversidade linguística no interior de cada Estado. Ao encontro desta perspetiva, mencione-se o programa de atividades (virtual) que a Câmara Municipal de Barrancos dedica ao idioma local, o barranquenho, interessantísismo resultado raiano do contacto entre  populações alentejanas e andaluzas.

10. Da atualidade em que a língua é tema e atividade, salientam-se ainda:

– A aula aberta Contacto linguístico e emergência de novas variedades do português: o caso angolano, pela linguista Liliana Inverno, com organização do CELGA-ILTEC, em 5 de março p. f., das 14h00 às 15h00 (acesso ao Zoom aqui; mais informação em Notícias); e

–  A iniciativa "Leituras ao ouvido" da Casa Fernando Pessoa, em Lisboa.

11. Temas principais dos programas produzidos pela Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa para a rádio pública portuguesa:

– O ensino do português em Moçambique e em S. Tomé e Príncipe, no contexto dos conflitos entre usos prescritos e os usos reais, em análise com a linguista moçambicana Ermelinda Mapasse e o investigador Gabriel Antunes Araújo, em A Língua de Todos (RDP África, sexta-feira, 19 de fevereiro, pelas 13h20*; repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00*);

– Um glossário elaborado por alunos do Agrupamento de Escolas de Paredes sobre a pandemia causada pelo SARS-CoV-2, no Páginas de Português (Antena 2, domingo, 21/02/2021, pelas 12h30*), que conta ainda com uma nova crónica da linguista brasileira Edleise Mendes e uma intervenção da professora Sandra Duarte Tavares acerca da palavra agnotologia.

** Hora oficial de Portugal continental.

12. Uma breve referência final ao falecimento  da atriz portuguesa Carmen Dolores (1924-2021), cuja voz e dicção configuraram um modelo de excelência para a pronunciação cuidada e expressiva do português europeu do século XX. Muito se escreveu sobre a sua herança artística, e, portanto, pouco haverá a acrescentar a não ser recordar também a sua iniciação e constante presença no teatro radiofónico que se transmitia em Portugal nos anos 40, 50 e 60 do século passado. Deixa-se aqui como pequena homenagem o registo de poemas de Camilo PessanhaAntónio Nobre ditos por Carmen Dolores:

 

 

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. O Carnaval, com lugar a 16 de fevereiro, não dará no ano de 2021 lugar aos tradicionais desfiles que mobilizam multidões, em Portugal e sobretudo no Brasil. Cancelados devido à pandemia de covid-19, os desfiles serão, no máximo, virtuais.  As festas que alegram os foliões ficam também adiadas à espera de dias mais felizes e mais saudáveis. Esta é mais uma data festiva que ficará por celebrar a bem do controlo da doença. Em Portugal, terá início a 15 de fevereiro o Estado de emergência XI, que se prolongará até ao dia 1 de março, deixando no ar a certeza de que o desconfinamento global ainda não está próximo, para além de que as tradicionais festividades da Páscoa estão, à partida, comprometidas. O novo Estado de emergência traz ainda novidades relacionadas com a venda de livros, o ruído em zonas habitacionais e o regressos às aulas presenciais. Não obstante, a manutenção de medidas restritivas continuará a imperar, em muito devido à proteína E484K, já identificada na variante brasileira (ou P1), na variante sul-africana (ou B.1.351) e numa mutação da variante inglesa (ou B.1.1.7, também conhecida como variante de Kent), uma evolução que tornou o vírus muito mais contagioso e que poderá vir a ser responsável por um aumento exponencial da positividade. As palavras / expressões assinaladas constituem novas entradas no glossário o léxico da covid-19. A estas juntam-se ainda «Arma principal», Consensualização científica,  Coronafobia, Demência, (Dois)  fatores de risco, E@D, Erasmus, IPST, Linhas vermelhas, Livrarias, «[A] mão ...»... e «o pé na mola», Dois mil/dia, [A] mortalidade em contexto hospitalar, MRR, Novas variantes, 70 por centoSuperdisseminadores, Taxa de transmissão, Unidades de retaguardaVentilação não invasiva e Sobrantes.

A chegada da época de Carnaval constitui um excelente motivo para recordar alguns textos / respostas relacionadas com o tema, já publicadas no Ciberdúvidas: «"Enfezar o carnaval": etimologia, mais uma vez», «"Enfezar o carnaval": etimologia», «O Carnaval e o futebol são o ópio do povo», «Natal, Carnaval, Páscoa: palavras variáveis», «Do Carnaval ao futebol», «Partidas de Carnaval», «O grandioso desfile do verbo haver» e «Portugal, Alentejo, no Carnaval»

2. A grafia incorreta do termo bojarda (que foi grafado com -u-), num artigo jornalístico, motiva a primeira dúvida constante na nova atualização do Consultório. De natureza ortográfica é também a questão associada à palavra oleo-hidráulico. Noutro plano, é sabido que a identificação de funções sintáticas oferece, não raro, dificuldades de diversa ordem, o que justifica que se regresse à distinção entre modificador (do grupo verbal) e complemento (oblíquo). Neste plano também, analisa-se uma estrutura clivada e a natureza das orações que seguem os advérbios felizmente sempre. Ainda uma resposta que trata a diferença entre as palavras estrategoestrategaestrategista e uma outra que aborda a fórmula de despedida «até mais». Por fim, esclarecem-se aspetos da sintaxe do verbo alugar

3.  A história da primeira reforma ortográfica proposta por José Medeiros e Albuquerque à Academia Brasileira, em 1907, está na base da obra de Cândido de Figueiredo, intitulada A ortografia no Brasil. História e Crítica, que se recorda num texto de divulgação disponível na Montra de Livros. 

4. As palavras sacrilégio, lenha e colega estão na base do apontamento do professor João Nogueira da Costa, onde se explica que todas têm na sua raiz o verbo latino legere

5. O Núcleo de Toponímia do Departamento do Património Cultural de Lisboa passa em revista um conjunto de topónimos lisboetas de origem religiosa, não esquecendo também a justificação mítica para a existência das sete colinas na cidade (texto divulgado originalmente na página de facebook do projeto e aqui transcrito com a devida vénia). 

6. A professora universitária e linguista Margarita Correia traz para a ordem do dia a questão das mulheres com funções executivas em lugares cimeiros, o que lhe permite apontar razões para o facto de a percentagem de mulheres nestas funções se encontrar, em Portugal, abaixo da média da União Europeia (artigo publicado no Diário de Notícias e aqui transcrito com a devida vénia).  

7. Entre as notícias relacionadas com Angola, destaque aqui para as seguintes: 

— Lançamento das obras Cultura do Provérbio e Frases de Alteza Simbólica, do Padre Belchior Tchihópio;

Encerramento de diversas livrarias, sobretudo na cidade de Luanda, devido a uma conjugação de fatores que alia a pandemia aos baixos índices de leitura no país;

— A tradução para turco da obra completa do escritor e político António Agostinho Neto.

8. Um estudo desenvolvido por investigadores da Universidade do Minho aborda as diferentes variáveis associadas à colaboração ativa na produção de conteúdos para a Wikipédia. Entre os resultados do estudo preliminar destacou-se o conflito assente na variante do português usada, a baixa participação de mulheres e a possibilidade da manipulação da informação divulgada (notícia aqui, transcrita com a devida vénia do jornal Público).

9. Entre as notícias de atualidade, destacamos: 

— O projeto de apoio escolar online da rede DLBC (Associação para o Desenvolvimento Local de Base Comunitária de Lisboa), que tem como fim auxiliar alunos em risco de insucesso escolar, através da disponibilização de meios materiais e de programas de acompanhamento educativo.

— A realização da quinta série de Histórias BLX em formato online intitulada «Com uma Lenda por dia não sabe o Portugal que descobria», onde, a cada programa, se exploram duas lendas de cada distrito de Portugal (incluindo as regiões autónomas) em episódios que estarão disponíveis no Facebook e no YouTube, de segunda a sexta feira às 11h00 (a partir de 15 de fevereiro).

— O recrutamento de mais de uma centenas de professores para o ensino do português em Timor-Leste. Estes iniciarão funções em meados de março (notícia aqui). 

10. Outros registos:

— Em 13 de fevereiro, assinala-se o Dia Mundial da Rádio

Recordem-se algumas publicações relacionadas com a temática da rádio: «Radiodespertador vs. rádio-despertador», «Rádios-piratas», «Zigzag - rádio portuguesa ou rádio francesa», «A rádio e o rádio», «O português na rádio e na TV», «Falar mal na rádio e na TV», «Radiouvinte», «Pela língua portuguesa, na rádio e na televisão».

— Também em 13 de fevereiro faz 115 anos do nascimento do pedagogo, filósofo, ensaísta Agostinho da Silva.

— Em 14 de fevereiro, celebra-se o dia de São Valentim (o Dia dos Namorados). 

 Também o Dia dos Namorados tem motivado diversos textos no Ciberdúvidas: «Origem e significado do nome Valentim», «Qual a origem das palavras «coração», «amor» e «desejo»?», «Filipina: etimologia», «Enamorado namorado».

11.  Nos programas produzidos para a rádio pública pela Associação Ciberdúvidas, pode acompanhar-se uma entrevista a Joice Elói Guimarães* e passa-se em revista a obra da linguista Maria Fernanda Bacelar do Nascimento** (e ainda a apresentação da nova coleção Uma língua com vista para o Mar, Estudos de Língua Portuguesa e a crónica da professora Carla Marques sobre o termo covid e a família de palavras que está a gerar).

* No programa Língua de Todos, emitido pela RDP África, na sexta-feira, 12 de fevereiro, pelas 13h20* (repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00*).

** No programa Páginas de Português, transmitido na Antena 2, no domingo 14 de fevereiro, pelas 12h30** (com repetição no sábado seguinte, 20 de fevereiro de, às 15h30**)

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Apesar dos muitos computadores em falta e dos problemas de conectividade, as escolas portuguesas retomaram a atividade em 8 de fevereiro p. p., com recurso ao ensino à distância, após uma interrupção de duas semanas. É um acontecimento de grande projeção mediática, assinalando-se que o regime de aulas não presenciais se confronta com opiniões desfavoráveis (ler aquiaqui e aqui), entre constrangimentos técnicos e disrupções em família. A vida prossegue, portanto, em (infernal?) confinamento, enquanto a luta contra a pandemia se revela extenuante, não só no caso dramático dos hospitais mas até em teletrabalho, devido aos abusos da teledisponibilidade. Este é um dos termos incluídos no conjunto de 12 novas entradas no glossário O léxico da covid-19: antivacinas, astronautas,  «autópsias virtuais», boxes, ECDC, «fervores crepitantes», «hipóxia feliz»,  «não deixes o vírus entrar», oxímetro, procedimentos post-mortem, e «tsunami de mortes».

2. Sobre as variantes concorrentes «ensino à distância» (com contração à) e «ensino a distância» (só com a preposição a), assinale-se que quem ouviu os vários professores entrevistados pela Antena 1 em 8 de fevereiro terá notado que praticamente todos eles fechavam o a, mesmo os docentes de Português, assim optando por «a distância», apenas com a preposição a. Como aqui foi apontado, encontram-se bons argumentos (históricos, lógico-semânticos, referenciais) para aceitar ambas as formas da locução; contudo, importa também seguir o uso, que uma amostra constituída por um programa de rádio, muito limitada e, portanto, não conclusiva, pode, no entanto, ajudar a definir.

3. Contrariando a obrigação do confinamento, sonha-se com a palavra liberdade, cuja definição pode gerar conflitos e doutrinas, como sejam o libertismo, por um lado, e o libertarismo (ou libertarianismo), por outro. No Consultório, comentam-se estes três termos, além de se abordarem quatro outros tópicos: a relação do pronome relativo que com a anáfora linguística; a colocação de vírgula antes da preposição com; o uso de faz em expressões de tempo; e a pronúncia do topónimo português Baguim.

4. Falando de catástrofes, por exemplo, do acidente nuclear de Chernobyl (1986), é previsível empregar o verbo evacuar, mas não é inevitável produzir frases erradas como «vinham colunas com pessoas "evacuadas"». No Pelourinho, regressa-se à sintaxe e à semântica corretas de evacuar num apontamento de Sara Mourato.

5. Para interpretar um poema basta lê-lo com atenção? O docente brasileiro Roberto Lota deu a resposta num artigo saído no mural de Língua e Tradição (Facebook, 05/02/2021), que também passa a estar acessível na rubrica Ensino.

6. Em Angola, «o português é a língua oficial em Angola» (art.º 19 da Constituição da República de Angola), mas este português não é o praticado pela população e é preciso haver uma política línguística. Esta é a opinião que o docente universitário angolano Nelson Soquessa expõe em artigo publicado no jornal O País (06/02/2021) e transcrito com a devida vénia em O nosso idioma. Na mesma rubrica, outro tema também relacionado com a história política e cultural portuguesa: em vídeo, a sessão de 14/01/2021 da Classe de Letras da Academia das Ciências de Lisboa, na qual foi orador o linguista, crítico literário e escritor Fernando Venâncio, com uma comunicação intitulada "Como pôde o português castelhanizar-se, e sobreviver?".

7. Os jornais dão precioso testemunho da vida de um país. Para incentivo ao conhecimento de Angola e da sua vida cultural, dá-se conta de notícias do jornal angolano O País: a tradução, para turco, da obra poética de Agostinho Neto (29/01/2021);  o desaparecimento das livrarias tradicionais em consequência da crise financeira e da falta da cultura da leitura (30/01/2021); e, pela editora angolana Chela, a publicação  de Cultura do Provérbio e Frases da Alteza Simbólica, do vigário Belchior Tchihópio, que assina sob o pseudónimo Kandimblé.

8. Finalmente, dois registos de igual significado cultural: em São Paulo, a confirmação da reabertura do Museu da Língua Portuguesa, provavelmente em julho; e, em Lisboa, a leitura é boa maneira de suportar o confinamento estrito, e a rede de bibliotecas da cidade (BLX) tem uma solução, o serviço BLX à sua porta, que traz a biblioteca ao domicílio de cada um.

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Em Portugal, enquanto se recebe assistência médica externa, descem ligeiramente os números da pandemia, e a comunicação social parece apontar para a referida redução ser correlativa do fecho das escolas. Nestas prepara-se o retomar das aulas, mas à distância, a partir de 8 de fevereiro p. f., no meio de grande discussão quanto à disponibilidade e à acessibilidade dos meios informáticos (ler aquiaqui e aqui). Entretanto, acumulam-se relatos sobre as vivências deste drama, por exemplo, entre os pacientes que sobrevivem, como aconteceu à médica e ativista Isabel do Carmo – que, entrevistada pelo jornalista Vítor Gonçalves (Grande Entrevista, RTP 3, 03/02/2021), fala com "um saber de experiência feito" das ciladas do novo coronavírus e salienta a importância do Serviço Nacional de Saúde. Destas e doutras situações, são reflexo as novas entradas no glossário "O léxico da covid-19":  Abdala, «ditadura da covid-19», Ivermectina, Mambisa, museus, PIB, passaporte de vacinação, porta a porta, «sinais de alarme», Soberana I + Soberana II, Tapsigargina task force.

2. São seis os novos tópicos abordados no Consultório: um teste para distinguir dois tipos de oração relativa; a ambiguidade da frase «quem se humilha será exaltado»; a preposição desde, a par da locução conjuntiva «sempre que»; o significado e o aportuguesamento do anglicismo interrobang; a  etimologia do topónimo Candão (Oliveira do Hospital); e o uso da expressão «por baixo do pano».

3. Na rubrica O Nosso Idioma, transcrevem-se, com a devida vénia, três apontamentos saídos em diferentes publicações:

– A propósito da oposição manifestada pela Ordem dos Enfermeiros na contratação de enfermeiros estrangeiros, por não falarem a língua portuguesa, a linguista Margarita Correia fala da significação da palavra corporativismo (Diário de Notícias, em 1 de fevereiro de 2021);

– Perante a pandemia, acontece pensar em conceções teológicas como Céu e Inferno, nomes que o linguista Aldo Bizzocchi comenta etimologicamente em mais uma publicação no blogue Diário de um Linguista em 2 de fevereiro;

– Noutro registo, em tom bem-humorado, João Nogueira da Costa apresenta uma série de deturpações, clássicos do anedotário do uso linguístico, como a conhecida confusão cómica de «casas geminadas» com «casas germinadas» (mural do autor no Facebook, em 8 de agosto de 2019).

4. Nas Notícias, assinalam-se as palavras mais procuradas no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa durante janeiro de 2021: entre utilizadores de Portugal, postigo, colapso ou profilático foram palavras muito procuradas, todas alusivas à crise pandémica.

5. No campo da formação relacionada com a transversalidade da língua portuguesa no ensino português, salientam-se:

–  A sessão Professor, que tenho de estudar? Processos de compreensão de texto, em 09/02/2021,às 17h30, em que é oradora a professora Carla Marques, numa iniciativa das Edições Asa;

– Dirigida pela professora Maria Regina Rocha, a ação de formação Didática da Gramática e a Interpretação Textual, a realizar como evento em linha, em 15/02/2021, das 14h00 às 17h00 (mais informação aqui).

6. Regista-se com pesar o recente desaparecimento de duas figuras que deram contributos valiosos para a promoção e o estudo da língua portuguesa: em 29/01/2021, em Maputo, faleceu Calane da Silva (n. 1945), escritor e linguista que desenvolveu investigação importante no domínio do léxico, no contexto de Moçambique (ver infra ponto 8); e o de Maria Fernanda Bacelar do Nascimento, investigadora aposentada do Centro de Linguística da Universidade de Lisboa (CLUL), que se destacou pelo seu trabalho pioneiro em Portugal na linguística de corpus e pela coordenação de obras como o Português Fundamental (1987) e a recente Gramática do Português, publicada pela Fundação Calouste Gulbenkian em 2013 e 2020 (cf. Notícias).

7.  Temas em foco nos programas produzidos pela Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa a rádio pública portuguesa, na presente semana:

–  Uma evocação ao linguista, poeta e escritor moçambicano Raul Calane da Silva, falecido em 29 de janeiro de 2021, na direção do Conselho Científico do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, num depoimento da professora  Margarita Correia – em  A língua de Todos (RDP África, sexta-feira, 5 de fevereiro, pelas 13h20*; repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00*); 

– Sobre livro O Mundo É Nosso, fruto do trabalho de alunos de diferentes anos de escolaridade do Agrupamento de Escolas de Paredes, com coordenação da professora Isabel Ferreira, em 2019/2020, o primeiro ano letivo marcado pela pandemia – no Páginas de Português (Antena 2, domingo, 7 de fevereiro, pelas 12h30*; com repetição no sábado seguinte, 13 de fevereiro, às 15h30*).

* Hora oficial de Portugal continental, ficando os programas A Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis depois aqui e aqui, respetivamente.

8.  Outros destaques da atualidade:

♦ 5 de fevereiro: 

– Os 10 anos do nascimento do  denominado  movimento estudantil “Geração à Rasca”,  com a abertura da respetiva página na rede social Facebook.

♦ 6 de fevereiro:

–Os 120 anos do falecimento, aos 69 anos, do poeta e estadista Tomás Ribeiro.

♦ 7 de fevereiro:

– Os 45 anos da consagração em Portugal do direito de licença de parto por 90 dias a todas as mulheres trabalhadoras .

Cf. "Primo-infeção e preconcecional/pré-concecional"; "Dar à luz e parir"; "Séptuplo e nónuplo"; "Gémeo"; "Oxitocina e ocitocina".

– 2020: morre o médico chinês que alertou para a existência de um surto de um novo coronavírus, Li Wenliang.

♦ 8 de fevereiro: 

– Os 160 anos da  formação dos Estados Confederados da América, com a reunião dos Estados do Sul, pró-esclavagistas, na base da guerra da secessão dos EUA

Cf. "À volta da palavra (e do conceito) escravatura"; "Breve viagem às línguas dos Estados Unidos da América"; "Os significados de putreia e de potreia"; "Machado de Assis – o menino de rua que virou presidente da Academia Brasileira de Letras"; "Consciência e desobediência"; "Modalidade epistémica e modalidade apreciativa"; "Perder a tramontana», a influência das línguas africanas no português e a memória de Florbela Espanca e de Tom Jobim"; "Que língua é esta?"; "Acerca das palavras escravo e servo", "A relação entre o domínio da língua e o desenvolvimento do país"; "A origem da expressão 'dia de branco'"; "Português: influência francesa"; "Crioulos".

–  O centenário do falecimento do cantor lírico português Francisco de Andrade, com 62 anos.

Cf.  Uma ópera para o rei no centenário da República + A ópera em Portugal — Os Intérpretes: Luísa Todi e Irmãos Andrade (V)

 
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. A pandemia trouxe consigo o "covidês", um conjunto de termos e expressões oriundos da realidade criada pela covid-19. A pesada realidade que se vive contrasta com uma fase extraordinária de criação e revitalização lexical. Neologismos lexicais e semânticos surgem em diferentes contextos, alguns até inesperados. Desta riqueza e deste dinamismo tem dado conta o glossário O léxico da covid-19, que desde março de 2020 tem vindo a compilar palavras e expressões que ganham relevo em função da dinâmica dos acontecimentos que vão ocorrendo em diferentes planos, explicando sentidos e clarificando contextos de uso. Nesta nova atualização, revelamos a criatividade linguística que tem ocorrido no plano morfológico: com os elementos compositivos coron- e covid- têm sido formados neologismos, ainda instáveis e de durabilidade questionável. Entre eles, Coronado, Coronaro, Covidar, Covidexit, Covidices e Covidivórcios. Para além destas entradas, poderão ainda ser consultados os termos «Anjos secretos», Birras, «Brigadas de intervenção rápida», «Campeões da vacinação», «Drenagem postural», Escalada, «"Evidência científica"», Imunoalergologia, Língua covid, Mastocitose, «Medicina de catástrofe», «17 milhões» e «Vacinação indevida».  

 2. Na atualização do Consultório, apresenta-se uma sistematização de alguns valores temporais associados ao uso do infinitivo simples e do infinitivo composto. De verbos ainda se trata quando se analisa a natureza do verbo arrastar e se classificam sintaticamente os constituintes que o acompanham na frase «Arrastou para a aventura toda a nobreza portuguesa». Ainda na análise da função dos constituintes situa-se a resposta que aborda o sintagma «inclusive eu» numa frase simples. No plano da lexicologia, ensaia-se uma possível explicação para a etimologia do topónimo Baceiros e exploram-se os significados do nome manualidades e da expressão idiomática brasileira «deixar quieto». Por fim, uma explicação relativa à necessidade de repetição de símbolos de unidade numa mesma frase. 

3. Afirma o povo que «no melhor pano cai a nódoa». Isso mesmo parece ter acontecido a Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação português, ao afirmar que os alunos estão «"melhor" preparados», como explica, num apontamento para o Pelourinho, o cofundador do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa José Mário Costa.  

4. As recentes eleições presidenciais em Portugal trouxeram consigo os nomes deverdireito. Sobre os seus significados em contexto de escolha e de abstenção reflete a professora Carla Marques na pequena crónica divulgada no programa Páginas de Português, da Antena 2 (aqui transcrita).

5. Os nomes de doenças são, não raro, usados como adjetivos insultuosos que se colocam ao serviço da agressão verbal. Estes usos populares esquecem, todavia, as pessoas que realmente têm essas doenças e a forma como poderão ser afetadas pelos usos abusivos das palavras que as designam. É dessa realidade que nos fala Rita Serra, bióloga e investigadora, num artigo que reflete sobre os usos indevidos do adjetivo autista e do nome autismo (publicado no jornal Público e aqui transcrito com a devida vénia).  

6.  A utilização imotivada (ou mal-intencionada) do verbo apanhar no título do jornal Público: «Presidente do Supremo valida escuta que apanhou Costa no caso do hidrogénio» desencadeou um conjunto de reações negativas a que José Manuel Barata-Feyo, o provedor do leitor do mesmo jornal, faz referência neste apontamento (transcrito com a devida vénia).

7. O glossário O léxico da covid-19 foi mencionado num artigo da responsabilidade da professora universitária Anabela Leal de Barros, que avalia o projeto de forma apressada e pouco informada, o que merece uma nota explicativa do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa (na rubrica Controvérsias). 

8. Finalmente, estes cinco registo de atualidade: 

— O Dia Mundial da Leitura em Voz alta foi celebrado a 1 de fevereiro. Trata-se de uma iniciativa criada pela organização não-governamental Litworld com o objetivo de erradicar a literacia;

— Em 2 de fevereiro,  assinala-se o Dia Mundial das Zonas Húmidas, que visa promover a gestão sustentada e racional destas regiões;

— O dia  3 de fevereiro marca a passagem de 55 anos da primeira «alunagem suave» de uma sonda espacial soviética (Luna 9) na Lua;

Vide, a propósito, algumas respostas disponíveis em arquivo: «A família de palavras de sol e de lua», «A formação de alunar», «Aterrar, amarar, alunar e...», «A saga dos erros cometidos na RTP», «Amartar?», «Aterrar (Portugal) e aterrissar (Brasil)»

— Em 4 de fevereiro decorrem 60 anos do início da luta armada pela independência de Angola. Depois de várias ações repressivas da polícia portuguesa, o MPLA ataca a Casa de Reclusão Militar, o quartel da PSP e a delegação da Emissora Nacional em Luanda. No norte do território, a UPA ataca fazendeiros brancos;

Questões relacionadas com Angola têm sido frequentemente tratadas no Ciberdúvidas. Por exemplo: «A língua portuguesa em Angola», «O português em Angola», «Governo de Angola», «A ortografia em Angola», «Angola, variantes da língua comum», «Angola e o Acordo Ortográfico» e «Língua e segurança nacional em Angola».

— Também em 4 de fevereiro (de 2020) foi registada a primeira morte na região administrativa especial chinesa e a segunda fora da China continental: um residente de Hong Kong de 39 anos, que morreu vítima de pneumonia viral causada pelo novo coronavírus;

— O Centro Português de Caracas, sob a direção de Sérgio Nunes, desenvolve um projeto para promover a cultura portuguesa na Venezuela, com particular atenção para o ensino da língua portuguesa (notícia aqui). 

Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

1. Em Portugal a escalada da pandemia, a angústia e o pânico motivam «falsas urgências», afetando o funcionamento dos hospitais (cf. «pressão hospitalar» e «oxigénio, falta de») e chegando a considerar-se a transferência de pacientes para o estrangeiro  (cf. «hospitalização internacional»). O impacto revela-se, portanto, dramático: enquanto surge o chamado «apoio extraordinário» para trabalhadores em perda de rendimentos, aumenta o mal-estar nas relações pessoais (cf. «violência doméstica). A situação já é, portanto, dantesca, de tal modo que o recém-reeleito presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em discurso ao país em 28 de janeiro p.p, anunciou novo estado de emergência – o «Estado de Emergência X» –, preparando a população para «um confinamento mais longo do que se esperava». Tal é o triste cenário da presente atualização de O léxico da covid-19, que, além das expressões atrás assinaladas, inclui dois termos referentes à esperança de uma luz neste túnel por agora sem fim: «taxa de vacinação», que começa a ser recorrente nas notícias sobre a vacinação em vários países (Israel destaca-se); e um antiviral que vem de Espanha, denominado plitidepsina, que parece reduzir 99% da carga viral do SARS-CoV-2 nos pulmões.

2. Mas a vida continua, e, com ela, as palavras que devolvem o discurso às exigências e às constantes avaliações do quotidiano, como «pôr em dia» e «faz todo o sentido». Juntam-se a estas outras expressões no Consultório: o diminutivo de jornalista; e «caminho das pedras», que não se aplica a agruras, mas, sim a facilidades. Completam o conjunto de novas perguntas as que andam à volta da gramática e das suas dificuldades: o imperativo do verbo fazer; a noção de clítico; e, num sonho hoje impossível de «viajar, perder países», analisa-se a frase «viajou de carro pela América do Norte».

3. Num jornal português, a propósito de um relógio do apocalipse marcar apenas 100 segundos para a meia-noite, lia-se que tal «simboliza a eminência de um cataclismo planetário». No Pelourinho, a professora Carla Marques observa, em relação à notícia, que a "catástrofe" mais certa e concreta é a da confusão de iminente («prestes a acontecer») com eminente («elevado, importante»).

4. Muitos falantes de português emigraram e hoje veem dificultada a transmissão da língua aos seus descendentes nos países de acolhimento. Esta situação tem sido abordada numa área de investigação  conhecida como Português Língua de Herança (POLH). Em Montra de Livros, apresenta-se O POLH na Europa – Português como Língua de Herança, uma obra em dois volumes (o segundo foi recentemente publicado, em 2020), em que se reúne um conjunto de estudos com novos contributos para um diagnóstico e para programas de ação junto de tais comunidades.

5. A esmagadora força das contingências obriga ao confinamento, mas a leitura permite a crianças, jovens e adultos criarem ou recuperarem espaços de partilha. A que é feita em voz alta, atenta ao sentido das palavras e ao ritmo das frases, é o tema de um apontamento do pedagogo brasileiro William Cruz publicado na página Língua e Tradição (Facebook, 22/01/2021) e agora também divulgado na rubrica Ensino.

6. Acerca de quem, por exemplo, cante muito mal, emprega-se em inglês o termo cringe, que pode significar «encolher-se por causa de algum embaraço ou desconforto». Na Itália, terra do bel-canto, a palavra inglesa naturalizou-se como cringiare, adotada sem rebuço pelos falantes da língua de Dante e Petrarca, menos preocupados com heranças literárias. O caso é aproveitado pelo escritor Miguel Esteves Cardoso para, em crónica saída no jornal Público (28/01/2021) e transcrita, com a devida vénia, em O Nosso Idioma, se aventurar jocosamente num passeio pela neologia em português.

7. Apesar dos sucessivos estados de emergência, com efeitos devastadores no mundo da cultura, multiplicam-se as iniciativas por canal digital. Salientam-se:

– para vencer estereótipos, o lançamento do livro Histórias e Memórias de Mulheres de Cabo Verde em Portugal

– para desvendar o mundo pela poesia, o projeto Culto, nas redes sociais;

 – ou, para o descobrir pela narrativa, a publicação de Os Tempos das Palavras com Tempo, uma coletânea de contos em linha.

8. Evoquem-se algumas efemérides de alguma forma abordadas nas diferentes rubricas do Ciberdúvidas:

– 29 de janeiro – Assinalam-se os105 anos do nascimento, em Ponta Delgada, do jornalista, escritor, ficcionista, biógrafo e historiador açoriano Manuel Ferreira, (cf. "A grafia de açoriano").

– 30 de janeiro – Em 1961, o capitão português Henrique Galvão, que desviara o paquete Santa Maria no dia 22, entregava-se às autoridades brasileiras(cf. "Raptar, sequestrar"). Em 1996, morre, com 81 anos, Jerry Siegel, autor de Superman, herói da banda desenhada (cf. "O processo de formação de super-herói"). Em 2011, o líder histórico islâmico tunisino Rachid Gannuchi regressa a Tunes, depois de duas décadas no exílio, sendo recebido por alguns milhares de pessoas (cf. "Rua-árabe"); e onze pessoas morrem na colisão entre um comboio regional e outro de mercadorias perto de Oschersleben, Alemanha (cf. A grafia de topónimos estrangeiros"); e morre aos 77 anos o compositor John Barry, cinco vezes vencedor de um Óscar, que escreveu músicas para uma dúzia de filmes de James Bond, entre eles Só se vive duas vezes e 007 contra Goldfinger" (cf. "Oito 'Óscars' e oito óscares"). Faz um ano que a Organização Mundial de Saúde declarou o estado emergência de saúde pública internacional  por causa do surto do novo coranavírus na China, enquanto a Itália confirmava os dois primeiros casos de infeção por coronavírus no país (cf. O léxico da covid-19).

– 31 de janeiro – Comemoram-se o Dia Mundial dos Leprosos (cf. "Gafanha") e o Dia Mundial do Mágico (cf. "O superlativo absoluto sintético de mágico). Faz 130 anos que se deu a revolta republicana do Porto. (cf. "Vivà República"). Há um ano, a Espanha anuncia o primeiro caso do novo coronavírus no país, um cidadão alemão de um grupo de cinco que estava em observação em La Gomera, nas Canárias (cf. "O natural das Canárias").

9. Temas principais, na presente semana, dos programas produzidos pela Associação Ciberdúvidas da Língua Portuguesa na rádio pública portuguesa:

– A palavra rubrica e o anglicismo podcast, amplamente usado na comunicação social portuguesa, são comentados pela professora Sandra Duarte Tavares no programa Língua de Todos, emitido pela RDP África, na sexta-feira, 29 de janeiro, pelas 13h20* (repetido no dia seguinte, depois do noticiário das 09h00*).

– Os vocábulos cidadania, dever e direito, palavras relacionadas quer com a recente eleição do presidente da República Portuguesa (em 24/01/2021), quer com a abstenção que a caracterizou, dão o mote a uma crónica da professora Carla Marques, no Páginas de Português, transmitido na  Antena 2, no domingo, 31 de janeiro, pelas 12h30** (com repetição no sábado seguinte, 6 de fevereiro, às 15h30**).

* Hora oficial de Portugal continental, ficando depois os programas A Língua de Todos e Páginas de Português disponíveis  aqui aqui, respetivamente.