A importância do ensino da gramática, questões de ortografia, a (in)comunicação médica e as 3 palavras do novo ciclo luso-angolano - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
A importância do ensino da gramática, questões de ortografia, a (in)comunicação médica e as 3 palavras do novo ciclo luso-angolano
A importância do ensino da gramática, questões de ortografia,
a (in)comunicação médica e as 3 palavras do novo ciclo luso-angolano
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 400

1. O ensino da gramática é uma necessidade. Em O nosso idioma, um apontamento da professora Lúcia Vaz Pedro sublinha a importância do conhecimento explícito do funcionamento da língua na aprendizagem formal e na comunicação do dia a dia. Na mesma rubrica, o episódio de uma mãe apreensiva com as queixas  do filho, numa urgência hospitalar em Luanda, é pretexto para o jornalista e professor angolano Edno Pimentel criticar o abuso de termos especializados numa crónica que, com a devida vénia, se transcreve do semanário angolano Nova Gazeta, do dia 7 de março de 2019.

2. Ao consultório, regressam os problemas de análise gramatical com duas respostas, uma à volta de orações subordinadas e outra sobre os complementos do verbo encontrar. Recorda-se também que o acento gráfico de certas palavras desaparece nos seus derivados, como acontece em cafezinho, formado a partir de café ou de Alvarinho, diminutivo (ou melhor, hipocorístico) de Álvaro. E, evocando ainda o Carnaval de 2019, fala-se de nógado, nome de um doce muito apreciado em certas sub-regiões do Alentejo.

3. Comemora-se, na data de 8 de março, o Dia Internacional da Mulher, depois de na véspera se ter assinalado pela primeira primeira vez em Portugal o Dia de Luto, em protesto contra a chamada violência de género e o machismo, que infelizmente continuam a fazer vítimas. Entre os eventos de caráter político e cultural destas datas, conta-se o I Mulherio das Letras em Portugal, que decorre até 10 de março p. f., em diferentes pontos de Lisboa, com o «objetivo de contribuir para a difusão da produção cultural e artística de autoria feminina» (notícia da agência Lusa de 7/03/2019, difundida em diversos meios de informação). No encontro, participam Maria Teresa Horta, Lídia Jorge, Ana Paula Tavares, Julieta MonginhoAna Margarida de Carvalho e Rita Taborda Duarte (idem).

Sobre estes temas, consultar no Ciberdúvidas: "Machismo, feminismo e igualitarismo", "Os avós e o machismo da língua portuguesa", "Feminismo e 'femeísmo'", "Feminicídio ≠ uxoricídio", "Ginocídio e feminicídio", "'Machista' e 'heteropatriarcal', a língua portuguesa?", "Os géneros das palavras", "Eles são elas e elas são elas?", "O símbolo @ nos plurais que denotam ambos os géneros".

4. A visita oficial do presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, a Angola, marca um novo ciclo das relações diplomáticas dos dois países – ultrapassado que foi o «irritante [caso] Fizz» e os incidentes ocorridos nos finais de janeiro em Portugal, no Bairro da Jamaica, no Seixal. Pretexto para o Presidente português, com sua conhecida eloquência, recorrer a um curioso jogo retórico, tirando partido do uso nominal dos adjetvos irritante, insignificante e importante: «Verdadeiramente significativos não são os "irritantes" do passado, nem os "insignificantes" do presente, mas, sim, os importantes do futuro. (...) [A] diferença entre um político e um estadista é que o político se prende aos "irritantes" e aos "insignificantes" e o estadista olha para os importantes.»

Sobre o português de Angola, consultem-se os registos áudio e as sinopses de Mambos da Língua, um programa de José Mário Costa para a Rádio Nacional de Angola, transmitido entre 2014 e 2015. Ver também "A língua portuguesa em Angola". Acerca da política de língua deste país e da sua resistência ao Acordo Ortográfico de 1990, leiam-se os seguintes artigos: "Sobre a aprendizagem das línguas nacionais em Angola", "Angola, o Acordo Ortográfico e o seu vocabulário nacional", "Angola e o Acordo Ortográfico", "Angola em desacordo".

5. Entre as notícias respeitantes à língua portuguesa, fazemos registo:

– do falecimento da professora galega Pilar Vázquez Cuesta (1926-2019), grande académica e estudiosa da língua portuguesa e das suas literaturas, que muitos conhecerão por uma obra fundamental, primeiramente publicada em espanhol, pela Editorial Gredos, e depois traduzida para português pelas Edições 70 – falamos da Gramática da Língua Portuguesa, escrita com Maria Albertina Mendes da Luz;

– da primeira edição do Abecedário_Festival da Palavra, a decorrer em Lisboa de 8 a 11 de março, para valorizar a língua e a literatura portuguesas, bem como divulgar pequenas livrarias de rua (mais informação aqui e nas Notícias).

– da posição cimeira do português entre as línguas faladas no hemisfério sul;

– do lançamento de dois cursos em Língua Portuguesa e Estudos Portugueses na Universidade Estadual da Califórnia, em Fresno, nos Estados Unidos, no ano letivo de 2019/2010.

6. Nos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para rádio pública portuguesa* são temas principais:

– no Língua de Todos, emitido na RDP África, sexta-feira, 8 de março, às 13h15* (com repetição no sábado dia 9 de março, depois do noticiário das 9h00*), o estudo O Mito da Facilidade e o Ensino da Gramática no Processo de Ensino - Aprendizagem de PLE em zona fronteiriça entre o sul da Andaluzia e o Algarve – alguns casos de estudo, de Giselle Menezes Mendes, professora de Português da Universidade Pablo Olavide de Sevilha;

– no programa Páginas de Português, na Antena 2, no domingo, dia 10/03, às 12h30* (com repetição no sábado seguinte, dia 16/03 de março, pelas 15h30*), a importância da utilização de diversos géneros textuais no ensino da língua, numa conversa com Maria Antónia Coutinho, professora na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

* Hora oficial de Portugal continental, ficando o programa disponível, posteriormente, aqui. e aqui.