Início Outros Antologia
Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

Texto poético em que sobressai o olhar atento sobre o falar do povo, refletindo sobre a sua pronúncia e a ortografia, ou seja, entre o uso, o erro e a norma.


Georges, anda ver o meu país de Marinheiros,
O meu país das naus, de esquadras e de frotas!
Oh as lanchas dos poveiros
A saírem a barra, entre ondas de gaivotas!
Que estranho é!
Fincam o remo na água, até que o remo torça,
À espera de maré,
Que não tarda aí, avisa-se lá fora!
E quando a o...

Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. Talvez porque a sensualidade real não tem para mim interesse de nenhuma espécie — nem sequer mental ou de sonho —, transmudou-se-me o desejo para aquilo que em mim cria ritmos verbais, ou os escuta de outros. Estremeço se dizem bem. Tal página de F...

«Caravelas ao mar partiram/ Por destino encontraram Brasil.../ Nos trazendo a maior riqueza/ A nossa língua portuguesa/ Se misturou com o tupi, tupinam brasileirou/ Mais tarde o canto do negro ecoou/ E assim a língua se modificou [...] Meu idioma tem o dom de transformar/ Faz do Palácio do Samba uma casa portuguesa». Uma bela homenagem brasileira à língua portuguesa como tema da letra de um samba-enredo (2007) da escola de samba da Mangueira.

 

Quem sou eu

Tenho a mais bela maneira de expressar


Se em vez de medo disseres força

se em vez de velho disseres novo

ficas a saber que a língua portuguesa

é povo.

Se em vez de fome disseres pão

e chegada em vez de partida

ficas a saber que a língua portuguesa

é vida.

Grita como quem canta

Fala como quem quer

Para quem luta querer é poder.

Vencer.

Se em vez  de abutre for gaivota

Se em vez de escuridão for luar

Ficas a saber que a língua portuguesa

É mar.

Se em vez de grades disseres campo

E se em vez de lição disseres livro

ficas a saber que a língua portuguesa

Por Pedro Oom

Pode-se escrever sem ortografia

Pode-se escrever sem sintaxe

Pode-se escrever sem português

Pode-se escrever numa língua sem se saber essa língua

Pode-se escrever sem saber escrever

Pode-se pegar na caneta sem haver escrita

Pode-se pegar na escrita sem haver caneta

Pode-se pegar na caneta sem haver caneta

Pode-se escrever sem caneta

Pode-se sem caneta escrever caneta

Pode-se sem escrever escrever plume

Pode-se escrever sem escrever

Pode-se escrever  sem sabermos nada

Pode-se escrever nada sem sabermos

Por Rui Zink

«Minha pátria, minha língua/Linha pátria, minha míngua», um poema inédito de Rui Zink, que é  apresentado pelo Jornal de Letras como «uma declaração de amor à língua portuguesa», para assinalar o 32.º aniversário do JL (de 21/03/2012).

 

Minha pátria, minha língua

Linha pátria, minha míngua

Juro-te, se fores minha gramática

Eu serei tua sintaxe.

É que, em ti, gosto de tudo

Dos sons, dos ecos, da surdez

Até das tuas rimas fáceis

Em extáse, em extáse.

Certo, nem sempre nos entendemos

Nós prezamos tão pouco a nossa língua,

Que tão sómente as outras aprendemos,

Em desar da nativa; e a ser-nos dado,

Na francesa escrevêramos, faláramos,

Como já na espanhola, por lisonja

E por louca vaidade, compusemos!

[…]

Falemos português brando e sonoro

A portugueses que entender-nos cabe.

E se espertos me argúem os peraltas

Que as riquezas vocais que assim pretendo

Introduzir, empecem à clareza

Da língua, e que o vulgar dos portugueses

Não pode súbito abranger o senso

Das vozes clássicas, remotas do uso,

Excerto do texto «A Voz do Mar», lido por Vergílio Ferreira em 1991, na cerimónia em que lhe é atribuído o Prémio Europália (Bruxelas), um discurso manifestamente de afirmação da língua portuguesa como reflexo da cultura de um povo cuja identidade é indissociável do mar. Destaca-se daí uma frase lapidar – «Da minha língua vê-se o mar» (...)

«Um povo que deixa o seu idioma degradar-se, aceitando todo o tipo de estrangeirismos, contributos desnecessários, em breve estará de joelhos.» Extrato do livro Milagrário Pessoal, de José Eduardo Agualusa.

A nós interessam-nos as palavras novas, disse eu. lara trabalha com neologismos. Selecciona os neologismos que devem ser dicionarizados.

Alexandre Anhanguera estremeceu, trocou um rápido olhar com Plácido Domingo.

Poema que aqui se regista, como evocação dos 750 anos do nascimento de D. Dinis, o rei-trovador enaltecido por Ferna...