Ditosa língua nossa - Antologia - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Outros Antologia Artigo
Ditosa língua nossa
Ditosa língua nossa

Nunca permita o Céu, nunca tal mande

Que, merecendo nome nos meus escritos

Êste na voz do povo em muitos ande.

 

¡Contentasse-vos eu, raros esp'ritos

Que nos ides a língua enriquecendo

Nas rimas e na prosa, em altos ditos!

 

¡Ditosa língua nossa, que estendendo

Vás já teu nome tanto, que, segura,

Inveja a tôda outra irás fazendo!

Fonte

in O Lima, Carta IV (a D. João de Castelo Branco) pág. 132 da edição de 1761), conforme transcrição dos Paladinos da Linguagem, antologia de autores clássicos portugueses e brasileiros, organizada por Agostinho de Campos. Título da responsabilidade do Ciberdúvidas, tendo-se mantido a grafia original.

Sobre o autor

Diogo Bernardes (Ponte da Barca, 1530 – 1605) foi um poeta português, que além da temática religiosa, cultivou as formas poéticas tradicionais e também as de inspiração renascentista, como cartas, canções, sonetos e éclogas. A par da sua atividade enquanto poeta exerceu ainda vários cargos nas cortes de D. Sebastião, acompanhando-o a Alcácer Quibir, e de Filipe I (II de Espanha). Mais informação aqui.