Raiz vs. radical (da palavra) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Raiz vs. radical (da palavra)

Quando falamos sobre a estrutura das palavras, aprendemos que o morfema central delas é o radical, por ser a base que carrega a significação das palavras e à qual se adicionam os demais morfemas (afixos, desinências, vogais temáticas e vogais e consoantes de ligação).

Teoricamente, o radical de uma palavra não muda, porém, quando analisamos as famílias das palavras, não é difícil encontrar diferenças na base significante de palavras de mesma família. Por exemplo, a palavra pedra (radical pedr) é da mesma família da palavra petrificado (radical alterado para petr). Da mesma forma, a palavra sabão (radical sab) é da mesma família da palavra saponáceo (radical alterado para sap).

Está claro que essa diferença está ligada à origem da palavra no latim, grego, etc. Porém, como explicar isso didaticamente? O radical pode ou não pode sofrer alterações? Qual a diferença entre raiz da palavra e radical da palavra?

Obrigada desde já pela ajuda.

Bianca de Moraes revisora São Paulo, Brasil 42

A realização fonológica da raiz e do radical pode mudar.

Quando isso acontece, falamos em alomorfia, isto é, da possibilidade de a raiz ou o radical serem representados por formas fonológicas diferentes – é o caso dos casos em questão:

(1) pedra – pedr- / pétreo – petr-

(2) sabão – sabão / sabonete sabon- / saponáceo – sapon-1

Sobre esta relação, observam M.ª Graça Rio-Torto et al, em Gramática Derivacional do Português (Coimbra, Imprensa da Universidade, 2016, p. 46):

«A alomorfia mostra que não é possível encarar o morfema como a ligação entre uma forma e um significado. Na verdade, o mesmo significado pode ser veiculado por formas fonológicas diferentes, que se encontram correlacionadas no léxico mental. A alomorfia não anula, pois, a unidade do morfema. O falante tem capacidade para distinguir, implicitamente, os cotextos em que ocorre cada forma.»2

Sobre a diferença entre raiz e radical, reitere-se o que já se disse antes no Ciberdúvidas (cf. aqui; ver também Textos Relacionados):

«A raiz é o constituinte da palavra que contém significado lexical mas não inclui afixos derivacionais ou flexionais (cf. carr- raiz nominal de carro). [...] O radical é o constituinte da palavra com significado lexical que não inclui afixos de flexão, mas que pode incluir afixos derivacionais[3] [...].»

Observe-se que, em certas fontes, se favorece o uso de radical, mesmo quando pretende referir a noção denotada pelo termo raiz. É o que sugere, por exemplo, o Dicionário Terminológico, destinado ao ensino básico e secundário de Portugal:

«[O radical é o] constituinte morfológico que contém o significado lexical e exclui os afixos flexionais. O radical pode conter afixos derivacionais.»

1 Note-se que, em (2), a palavra sabão é igual ao seu radical. Em casos como este, diz-se que a unidade lexical não tem índice temático e é, portanto, um lexema atemático, o que significa que a sua realização como palavra é igual ao radical. Na derivação, este radical assume os alomorfes sabon- e sapon-.

2 O termo cotexto (não contexto) é deliberadamente empregado na fonte consultado, no sentido de «contexto linguístico» ou «contexto morfológico (de palavra)».

3 Exemplo: carrad- é o radical de carrada, derivado de carro pela sufixação de -ad(a). A raiz tanto de carro como de carrada é carr-. 

Carlos Rocha
Áreas Linguísticas: Morfologia Construcional Campos Linguísticos: Derivação; Composição