Percepção da pronúncia do Norte de Portugal - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Percepção da pronúncia do Norte de Portugal

Como espanhol, luto com a pronúncia portuguesa quase quotidianamente, mas é com grande prazer! Gostaria de uma explicação sobre a percepção de certos fenómenos fonéticos do Norte de Portugal: o acréscimo /j/ em palavras do tipo gajo, fecho, hoje. Acho que para os nortenhos essa é a única pronuncia correcta para uma pessoa que não quer fingir ser de Lisboa (ao contrário de outros fenómenos do Norte estigmatizados como incorrectos pelos próprios nortenhos – como pronunicar /vjerde/, /pworto/, ou trocar os /b/ por /v/). Qual é a percepção destes fenómenos por um falante do Centro do país? Além disso, a pronúncia ditongada de "ou" em sou /sou/ parece-me ser a única "normal" do Norte, mas como se percebe o "ou" pronunciado como /ɔu/?

Obrigado pela sua resposta que com certeza trará clareza na escuridão que representa a fonética portuguesa para um pobre pentavogalista espanhol como eu...

Parabéns pelo seu trabalho.

David Clérigo Intérprete Bruxelas, Bélgica 5K

Quase todos os aspectos que refere são normalmente considerados típicos dos dialectos setentrionais pelos falantes de Lisboa e pelos de outros dialectos centro-meridionais. Só no caso de fecho é que se nota que os lisboetas (nados e criados ou radicados em Lisboa) se aproximam dos nortenhos quando pronunciam ditongo ("fâicho"); mas há um grupo considerável que monotonga e diz "fâcho".

Quanto ao ditongo de sou, convém esclarecer que as pronúncias mais frequentes nos dialectos setentrionais são "âu" e "ou" (em transcrição fonética, [ɐw] e [ow] respectivamente). O ditongo "óu" (com ó aberto: [ɔw]) não costuma verificar-se em português europeu, ao contrário do que acontece no português brasileiro, onde ocorre foneticamente, por vocalização de [l] em final de sílaba: sol = "sóu" ([sɔw]).

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma