O verbo submeter-se com uma estrutura de coordenação - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O verbo submeter-se com uma estrutura de coordenação

Queria saber se as seguintes opções estão corretas, e, em caso de resposta afirmativa, qual delas a melhor:

a) «Eles disseram que se submetiam/confiavam e os seus bens ao poder dos invasores.»

b) «Eles disseram que se submetiam/confiavam e aos seus bens ao poder dos invasores.»

Muito obrigado

Paulo Ferreira Professor Aveiro, Portugal 271

O verbo submeter pode ser utilizado na sua forma reflexa, recorrendo ao pronome se, como se observa em (1):

(1) «Eles submeteram-se ao inimigo.»

 Neste caso, o pronome se desempenha a função sintática de complemento direto e «ao inimigo» de complemento indireto.

Pode também ser utilizado em construções sem forma pronominal, como em (2):

(2) «Ele submeteu o povo ao inimigo.»

 O constituinte «o povo» é, neste caso, complemento direto do verbo e «ao inimigo» complemento indireto.

O verbo submeter é, portanto, um verbo transitivo direto e indireto.

Na questão apresentada, a dúvida coloca-se em torno de duas possibilidades de estrutura coordenada: «-se e aos seus bens» e «-se e os seus bens».

Relativamente à primeira estrutura, será importante recordar que a coordenação, para que esteja corretamente formada, exige que os termos coordenados tenham a mesma função sintática. Neste caso, a presença de uma preposição (a) a introduzir o segundo termo coordenado («aos seus bens») parece apontar para o facto de este constituinte não desempenhar a função sintática de complemento direto, o que se verifica com o primeiro membro da coordenação (se). Assim sendo, esta frase evidencia um problema sintático por procurar ligar dois termos que aparentam funções sintáticas distintas.

A segunda construção, «se e os seus bens», coordena dois constituintes que detêm a mesma função sintática, pelo que, neste plano, está correta. Não obstante, a construção evidencia um problema semântico: se detém na frase a função de paciente (aquele que sofre a ação do verbo submeter), ou seja, a ação desencadeada pelo sujeito «eles» recai sobre eles (na forma do pronome se). Este tipo de interpretação não funciona com o constituinte «os seus bens», que não é paciente da ação do verbo submeter. A frase procura, portanto, coordenar duas entidades que desempenham papéis semânticos distintos, pelo que não funciona.

Regressando à construção pronominal do verbo, é sabido que, em construções desta natureza, é possível proceder ao redobro1 do pronome, como fica evidente em (3) onde o constituinte «a eles próprios» redobra o pronome se:

(3) «Eles submeteram-se a eles próprios/a si próprios ao inimigo.» 

A frase (3) mostra também que o redobro resulta de uma construção que é introduzida pela preposição a.

É esta possibilidade que nos permite reanalisar o segundo exemplo apresentado pelo consulente. Poderíamos estar perante uma construção elítica que constitui um redobro do pronome se, pelo que os termos coordenados seriam compostos por um constituinte de redobro (elidido) e por «aos seus bens», sendo a frase completa semelhante à seguinte:

(4) «Eles submeteram-se [a eles/ a si] e aos seus bens ao poder dos invasores.»  

De qualquer forma, para que a frase esteja completamente correta e não gere ambiguidade sintática, os dois elementos coordenados terão de estar explicitados na frase. 

1. Cfr. Mateus et al., Gramática da Língua Portuguesa.5.ª ed.,Lisboa, Caminho, 2003, p. 833.

Carla Marques
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas