O uso da expressão «... tão único» II - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso da expressão «... tão único» II

Sobre a gramaticalidade da expressão «tão único», encontrei uma resposta no Ciberdúvidas que considera a expressão um "disparate". Não me parece que esta interpretação se ajuste aos dias de hoje e à evolução do adjetivo no nosso idioma e não só: por exemplo, em inglês, tornaram-se comuns expressões como "so unique" (sobre a evolução da palavra em inglês).

Se consultarmos os principais dicionários portugueses, vemos que o significado de único já não se resume ao valor absoluto. Constata-se que único também pode significar «excecional», «superior aos outros», «especial», «incomum», etc. Ora, a partir do momento em que admitimos estes significados para único, parece-me que também temos de admitir, pelo menos em contextos "criativos", expressões como "tão único" ("tão especial", "tão superior aos outros", etc.). A comprovar esta tendência, uma rápida pesquisa na Web encontra mais de 100 mil ocorrências de "tão único", designadamente em inúmeras publicações, como livros, revistas, etc. Neste sentido, gostaria de conhecer a vossa opinião atual sobre o tema, agradecendo desde já a atenção.

Sérgio Costa Tradutor Lisboa, Portugal 42

 O adjetivo único não é graduável. Por essa razão, não integra estruturas comparativas e não é compatível com advérbios de quantidade e grau:

(1) «*Ele é mais único do que tu.»

(2) «*Ele é tão único quanto tu.»

(3) «*Ele é menos único do que tu.»

Para além disso, este adjetivo também não é normalmente compatível com expressões de intensidade ou de valor quantitativo:

(4) «*Ele é muito único.»

Esta incompatibilidade tem lugar com adjetivos que, semanticamente, representam extremos, como único ou, por exemplo, fechado ou último:

(5) «*A porta está tão fechada.»

(6) «*Ele é tão último.»

Apenas em situações extremas em que único significa «excecional, singular» poderá surgir, ocasionalmente, associado ao advérbio tão. Estamos perante usos que visam realçar o valor extremo da propriedade denotada (neste caso a qualidade de «ser único, ímpar») que serão semelhantes aos verificados em:

(7) «Ela está tão grávida.»

(8) «Ele é tão inglês.»

Estas frases evidenciam casos em que adjetivos não graduáveis são forçados a uma interpretação graduável que ganha um sentido específico num determinado contexto e que não deixam de ter algo de pleonástico no seu sentido. Por essa razão, numa construção mais cuidada, será aconselhável o uso de expressões como «tão raro», «tão singular», «tão excecional», que seguem de perto a norma.

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: adjectivo