A função do constituinte «ao escritor» na expressão «homenagem ao escritor» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A função do constituinte «ao escritor»
na expressão «homenagem ao escritor»

Recorro a vós para uma questão que, aparentemente, seria simples.

Na expressão «É um livro de afeto, de admiração, de homenagem ao escritor dos contos...», o termo «ao escritor» desempenha a função de complemento indireto? Apesar de ser «a quem», não consigo fazer a sua substituição por -lhe.

Obrigada!

Maria Luisa de Castilho Estudante Coimbra, Portugal 57

O constituinte «ao escritor», na frase apresentada, desempenha a função de complemento do nome de homenagem. Esta expressão não se relaciona diretamente com o verbo pelo que nunca poderia ser um constituinte do grupo verbal, logo não poderia desempenhar a função de complemento indireto. Acresce ainda que o verbo da frase é copulativo, pelo que não tem complementos. O constituinte que se associa ao verbo copulativo desempenha a função de predicativo do sujeito.

Neste caso concreto, podemos perceber que homenagem pede um complemento do nome se pensarmos que homenagem dá origem ao verbo homenagear, que pede complemento direto:

(1) «Ele homenageou o pai.» (homenagear alguém)

O verbo, ao pedir complemento, mostra que já o nome necessitava de um argumento para completar o seu sentido:

(2) «A homenagem do pai» (homenagem de alguém) 

Disponha sempre!

Carla Marques
Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Léxico; Sintaxe Campos Linguísticos: Semântica nominal; Funções sintácticas