O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
 
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Léxico
Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.
A pandemia e o festival de inanidades
Os miasmas de antanho travestidos de novas palavras

Texto do autor lido no  programa Páginas de Português, emitido pela Antena 2, no domingo, 19/04/2020,  com a participação da professora  Carla Marques, sobre a elaboração de um  glossário de termos associados à pandemia do  novo coronavírus e à correspondente crise sanitária que assola o mundo.

A história da palavra <i>vírus</i>
Do tempo dos romanos até aos nossos dias

Vírus, a palavra mais usada nos últimos  tempos  no espaço  mediático, desde o aparecimento e propagação já à escala planetária do  COVID 19, chegou-nos do latim, mas foi pela descoberta de um cientista holandês, no final do século XIX, que muitas  «doenças eram transmitidas por qualquer coisa ainda mais pequena que as bactérias» – conta neste texto* o professor universitário, tradutor e escritor Marco Neves.

* Com o título original Qual é a origem da palavra «vírus»?, texto transcrito,  com devida vénia, do blogue do autor, Certas Palavras, no dia 8 de março de 2020 – escrito segundo a norma ortográfica de 1945.

A discriminação racial nos dicionários de língua
Os preconceitos no léxico português

«A língua portuguesa, como as demais línguas – escreve neste trabalho* a linguista portuguesa Margarita Correia   , está eivada de unidades lexicais ou expressões que denotam muitos dos preconceitos que marcaram a sociedade portuguesa e as sociedades lusófonas ao longo dos tempos. Esses preconceitos podem visar grupos raciais e/ou étnicos (exs.: negros, judeus, ciganos), nacionalidades específicas (exs.: chineses, indianos), grupos religiosos (exs.: judeus, muçulmanos), mas também grupos profissionais e etários, entre outros. Claro que os preconceitos podem também ser de natureza sexual.»

Artigo publicado na revista brasileira  Alfa – Revista de Linguística, v. 50, n.º 2, 2006. Segue a norma ortográfica de 1945.

Três pequenas notas sobre <i>charro</i>, <i>insumo</i> e <i>sótão</i>
Casos de etimologia caprichosa

Cada palavra tem a sua própria história, entre as particularidades formais e semântico-referenciais das origens e o enquadramento mais ou menos regular na língua de que fazem parte. Em texto publicado em 27 de dezembro de 2019 no blogue Travessa do Fala-Só , o tradutor Vítor Lindegaard  propõe três etimologias: a de charro, talvez um empréstimo proveniente da Índia; a de insumo, outro empréstimo de origem castelhana difundido por via brasileira; e a de sótão, cujo significado em português contraria o de palavras estrangeiras com a mesma etimologia (cognatos) – sótano (castelhano) e sottano (italiano).

<i>Declaração</i>
A evolução semântica de uma palavra nos media de Portugal

Apontamento sobre o uso excessivo da palavra declaração no discurso jornalístico em Portugal. Texto assinado pelo jornalista português Luís M. Faria e publicado na Revista do semanário Expresso em 12 de outubro de 2019.

Um novo verbo
Usar o verbo meter em substituição do verbo pôr

É sabido que a língua portuguesa é riquíssima e facilmente um termo é substituído por outro, por ser seu sinónimo. Nesta crónica publicada em 27 de julho de 2019, no PúblicoMiguel Esteves Cardoso faz uma análise do uso do verbo meter em substituição do verbo pôr, possibilidade que é questionável em certos contextos. Texto transcrito com a devida vénia do referido jornal (manteve-se a ortografia do original, anterior à do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa).

 

Uma lista para feitos desportivos incríveis
Para relatores turvados pela emoção

A emoção do relato de uma final pode reduzir drasticamente o léxico do relator, como aconteceu no jogo em que Portugal se sagrou campeão mundial de hóquei em patins. Para que as palavras não voltem a faltar, aqui fica uma lista de adjetivos qualificativos de feitos desportivos. 

O Obnóxio e o Abnóxio
Histórias com sentidos

«Obnóxio, adjetivo de sua natureza, passeava-se pela Alameda das Palavras em busca de um substantivo solitário a quem pudesse emprestar alguma cor, num dia em que se sentia “funesto” e “nefasto”» Uma ficção que busca os sentidos das palavras, por Carla Marques.

O vil metal
Uso e conotações da palavra dinheiro

Aludindo a temas financeiros, a língua portuguesa parece poupar-se ao uso da palavra dinheiro – sobretudo em comparação com o inglês. Esta é uma das conclusões a que chega a linguista Ana Sousa Martins em crónica que escreveu e leu no programa Páginas de Português em 14/04/2019.

<i>Vítima</i> não é só quem morre
Um uso nem sempre adequado

Num acidente, como o que aconteceu na ilha da Madeira com um autocarro com turistas alemães, entre  mortos e feridos, todos são vítimas. Um uso, porém, nem sempre acertadamente seguido nos registos  informativos, noutras circunstâncias.