Tradutor, traidor (em versão automática), dúvidas linguísticas, palavras do ano e falares açorianos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Tradutor, traidor (em versão automática), dúvidas linguísticas, palavras do ano e falares açorianos
Tradutor, traidor (em versão automática),
dúvidas linguísticas, palavras do ano e falares açorianos
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 293

1. O provérbio italiano «Traduttore, traditore» parece continuar atual quando se fala de tradução automática, pois esta gera produtos que levantam muitas dúvidas. Apresentada como uma das novidades do século, fruto da investigação combinada entre linguística e computação, a tradução automática, quando aplicada a obras integrais, parece produzir alguns resultados estranhos, como assinala Ana Sousa Martins, consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa e responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa, num artigo intitulado Tradução desumana, disponível no Pelourinho

*Imagem principal: pintura de Brueghel, Torre de Babel, de 1563.

2. As dúvidas linguísticas estão presentes no Consultório e colocam o enfoque em diferentes aspetos: 

   — a possibilidade de diferentes combinações entre orações relativas introduzidas por preposição e o artigo definido, no português e no castelhano;

   — a posição na frase do quantificador mais quando especifica nomes;

   — o significado de expressões como «à mistura» ou «dez-réis de mel coado»;

   — a classe da palavra calmoso na expressão «um domingo perto do calmoso».

3. Após a divulgação de enfermeiro como a palavra do ano 2018 em Portugal, temos agora conhecimento de que em Moçambique foi eleita a palavra resiliênciaNa sequência destas iniciativas, o escritor brasileiro Sérgio Rodrigues veio propor ódio como palavra do ano de 2018 no Brasil.  

4. Se ouvir alguém dizer «É rapá», «É um poupo» ou «não tem tafulho», estará provavelmente em presença de um açoriano em pleno uso de expressões típicas das diferentes ilhas do arquipélago. Estes falares típicos são o tema do artigo publicado originalmente na revista Visão, de autoria do jornalista e locutor da RTP AçoresJoão Gago da Câmara

 

5. No programa de rádio Língua de Todos é entrevistado Paulo Serra, leitor da Universidade Pedagógica da Beira (Moçambique) e responsável pelo Centro de Língua do Instituto Camões, sobre os projetos desenvolvidos na referida universidade (na RDP África, na sexta-feira, dia 11 de janeiro, pelas 13h15*, com repetição no sábado, 12/01). O programa Páginas de Português, emitido pela  Antena 2, no domingo, 13 de janeiro, às 12h30* (com repetição no sábado seguinte, 19/01, às 15h30), passa uma conversa com o professor universitário e tradutor Marco Neves, sobre o seu recente livro Dicionário de Erros Falsos e Mitos do Português.