Sérgio Rodrigues - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Sérgio Rodrigues
Sérgio Rodrigues
3K

Sérgio Rodrigues é um escritor, jornalista e critico literário brasileiro. Entre as suas obras destacam-se: O homem que matou o escritor (2000), What língua is esta? (2005), Elza, a garota (2009), entre outros.

 

 
Textos publicados pelo autor
Millôr contra a crase: <br>

«Eu tinha acabado de assumir o consultório gramatical do finado Jornal do Brasil, em 2002 – conta o escritor, jornalista e crítico literário brasileiro Sérgio Rodrigues, nesta crónica que se transcreve, com a devida vénia, do jornal Folha de S. Paulo, de 7/09/2017 –, quando Millôr Fernandes me lançou de sua coluna vizinha esta casca de banana: «Existe mesmo a tal em português do Brasil, ou é apenas uma macaquice do português de Portugal?»

Com 310 mil palavras de cinco países, <br>VOC é um monumento da lusofonia

Assinalando o lançamento oficial, na capital de Cabo Verde, no dia 12 p.p., da primeira versão do Vocabulário Ortográfico Comum (VOC) e dos vocabulários nacionais associados, recursos que, desde a referida data, estão disponíveis na plataforma do Instituto Internacional da Língua Portuguesa, o escritor, jornalista e critico literário brasileiro Sérgio Rodrigues dá conta neste texto da dimensão deste gesto de afirmação da língua portuguesa, no contexto internacional.

[Artigo publicado  no jornal  Folha de S. Paulo do dia 18 de maio de 2017.]
Sai paraolímpico, entra paralímpico

Se os jogos, e os atletas, e as respetivas federações, se designaram sempre parolímpicos, porquê, então, a prevalência, nos últimos tempos, da forma "paralímpico" — contrariando, inclusive,  todas as recomendações1 e registos dos dicionários e vocabulários de referência? «O Brasil resistiu por muitos anos, mas, sem o apoio de Portugal, ficou difícil conter a onda internacional», lamenta o escritor Sérgio Rodrigues, na sua coluna Sobre Palavras, da revista brasileira Veja de 14/08/2012.