A pluralidade dos estudos gramaticais, uma gramática para todos, um cómico exercício de tradução e os significados de redundância - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
A pluralidade dos estudos gramaticais, uma gramática para todos, um cómico exercício de tradução e os significados de redundância
A pluralidade dos estudos gramaticais, uma gramática para todos,
um cómico exercício de tradução e os significados de redundância
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 208

1. A gramática e as suas áreas constitutivas têm, ao longo dos séculos, sido testemunhas de uma especialização cada vez maior. Ao longo dos tempos, os estudos gramaticais aprofundaram novas áreas de estudo no âmbito específico da gramática e também no da sua relação com outras disciplinas. Esta diversidade de abordagens que se tem desenvolvido nos estudos linguísticos está a par com a variedade de perguntas que chegam ao Consultório do Ciberdúvidas. Nesta nova atualização são tratadas questões na área da sintaxe («Qual a função sintática desempenhada pelo constituinte «breve e misteriosa» na frase «Teve vida breve e misteriosa?» e «O modificador integra o predicado?»), da etimologia («Qual a origem do adjetivo rupestre?» e «Por que razão variam em género os numerais um/uma e dois/duas?») e da lexicologia («Qual a expressão mais adequada: "Às claras", "pelo claro" ou "em claro"?).

2. Na Montra de Livros, é também uma gramática que divulgamos. Trata-se da mais recente publicação do tradutor e professor universitário Marco Neves: Gramática para todos – o português na ponta da língua, da Editora Guerra & Paz. Uma gramática construída em tom coloquial e que propõe uma abordagem simples das tradicionais partes da gramática, às quais se junta um capítulo para tratamento de erros e dúvidas frequentes e ainda um outro com pistas para a produção textual. Uma obra para iniciados, que procura tornar acessível o conhecimento gramatical.

3. De tradução à letra e dos seus resultados por vezes risíveis nos fala Ana Martins, colaboradora do Ciberdúvidas e responsável pela Ciberescola, num apontamento que recorda a obra O Novo Guia de Conversação Português e Inglês, do português Pedro Carolino, que reúne um conjunto de traduções de expressões portuguesas propostas por um autor que não falava inglês. Este detalhe final justificará a tradução de «Quem tem boca vai a Roma» como «With a tongue one go to Rome», que constitui um dos inúmeros casos que aqui se encontram e que parece antecipar, em 1855, alguns estranhos resultados da atual tradução automática. 

4. A lexicologia, área da gramática que se dedica ao estudo das palavras e das relações que estabelecem entre si, dedica uma parte da sua atenção ao estudo do alargamento do significado das palavras. Este processo, designado extensão semântica, tem uma vitalidade assinalável e promove a dinâmica das línguas. A palavra redundância, utilizada pelo primeiro-ministro português António Costa a propósito das negociações do Estado português com o SIRESP, é um exemplo deste fenómeno de alargamento da significação inicial de um vocábulo no sentido de uma complexidade de sentido que por vezes parece roçar o contraditório. Sobre este aspeto da língua reflete o jornalista Luís M. Faria, num apontamento publicado e originalmente divulgado no Revista do Expresso

5. Destaque para a decisão do jornal britânico The Guardian que anunciou a atualização do seu livro de estilo, introduzindo  termos que descrevam com maior precisão e impacto a crise ambiental que o planeta enfrenta. Exemplo disto é a substituição da expressão "climate change"  ("alterações climáticas") por "climate emergency" ("emergência climática").  

6.  A expansão e divulgação da língua portuguesa no panorama mundial fica patente nas seguintes notícias que aqui destacamos:

— A oferta de ensino de língua portuguesa nas escolas públicas do distrito escolar de Santa Clara, em Silicon Valley, nos Estados Unidos, num projeto agora iniciado em resultado de um acordo entre o Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, a Presidente da Câmara de Santa Clara, Lisa Gillmor, e Stanley Rose, superintendente do distrito escolar (notícia aqui);

— O avanço lento do projeto da primeira escola internacional portuguesa, em São Paulo, no Brasil, um projeto cuja primeira pedra foi lançada em 2017 e que assegurará um ensino com dupla certificação e ainda um centro de formação de professores (notícia aqui);

— Portugal é o país convidado da Feira do Livro de Sevilha, que terá lugar de 22 de maio a 2 de junho de 2019, na cidade espanhola de Sevilha (mais pormenores aqui).