Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre o Dicionário Terminológico (ex-TLEBS)

O Dicionário Terminológico, para consulta online no site da DGIDC, não apresenta o conceito de modificação nos processos regulares de formação de palavras. Não apresenta, da mesma forma, uma noção para derivação, não se percebendo claramente qual o entendimento relativamente aos prefixos e sufixos que não implicam alteração das características gramaticais da forma de base/palavra a que se juntam... É aceitável o tratamento de todos os casos de afixação como casos de derivação?

Grato pela atenção.

Pedro Silva Professor Porto, Portugal 2K

1. A distinção entre modificação e derivação desaparece na TLEBS revista/Dicionário Terminológico. E, de fa{#c|}to, o termo derivação aparece sem verbete.

2. A distinção entre modificação e derivação está inequivocamente fundamentada no seio dos estudos morfológicos.

No «Relatório da Revisão da Terminologia Linguística para os Ensinos Básico e Secundário» (Janeiro 2008) lê-se o seguinte:

«(...)procedeu-se a uma redução significativa dos termos utilizados. A lista proposta, que reduz em cerca de 40% a lista original, foi elaborada em função dos seguintes princípios:

a)     Eliminação de termos redundantes ou repetidos nas várias áreas.
Exemplo: os termos palavra e nome apareciam repetidos em diferentes áreas.

b)     Eliminação de termos cuja explicitação pode não ser relevante nos ensinos básico e secundário.
Exemplo: subtipos de compostos morfológicos, alguns termos da fonética articulatória e acústica, o termo determinante nulo.

c)     Eliminação de termos inadequados, por má escolha terminológica ou por não corresponderem a um observável linguístico óbvio.
Exemplo: os termos frase fonológica ou nome concreto vs. nome abstracto.

d)     Eliminação de subclasses que poderiam conduzir a tentativas de compartimentação excessiva do material linguístico a analisar ou a classificações redutoras de unidades linguísticas.
Exemplo: subtipos de concordância.

e)     Eliminação de termos que não correspondem a unidades terminológicas, mas a conceitos.
Exemplo: as entradas da semântica frásica correspondentes a valores.

Em alguns casos, foram feitas propostas de alteração, substituições de termos ou aditamentos. Estas alterações são propostas em quatro contextos:

a)     Casos em que, por lapso, não eram incluídos termos, quebrando a coerência interna.
Exemplo: era incluída a função sintáctica de predicativo do complemento directo, mas não os verbos transitivos predicativos.

b)     Casos em que a estrutura interna da TLEBS não é respeitada.
Exemplo: na sintaxe, separava-se sistematicamente forma de função, excepto nos complementos preposicionais e adverbiais.

c)     Casos em que o termo não é adequado.
Exemplo: a área da semântica lexical é, na verdade, um domínio de lexicologia.

d)     Casos em que a experiência pedagógica revelou que a tradição no uso de um termo constituía um factor de dificuldade face à adopção de um termo sinónimo.
Exemplo: o termo oração na tipologia de frases complexas.»

Não há referência, como exemplo, à supressão do termo/conceito modificação. Das diferentes justificações apresentadas, supõe-se que a última possa explicar a fusão da modificação com a derivação.

Ana Martins
Tema: TLEBS