«Não sei se...» e modo verbal - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Não sei se...» e modo verbal

Gostaria de saber qual o modo adequado na construção frasal abaixo:

«Não sei se ele esteja em casa.»

«Não sei se ele está em casa.»

«Não sei se ele estaria em casa.»

Sabemos que há um advérbio de negação que pode dar um sentido de dúvida ao verbo saber. Neste caso, a oração não deveria ser construída com o verbo no modo subjuntivo? Qual a função sintática do termo (se) na frase acima? Conjunção? Partícula de realce? Poderia colocar o sintagma verbal no final da frase?

Obrigado.

Luis Carlos Alves dos Santos Telefonista Carapicuíba, Brasil 296

Entre as frases apresentadas, apenas a primeira não é aceitável.

As três frases indicadas na questão são constituídas por duas orações:

 – «Não sei»: oração subordinante que inclui um verbo epistémico (verbo que exprime o saber);

– «se ele está/estaria/esteja em casa»: oração subordinada completiva que corresponde a uma interrogativa indireta, introduzida por se, uma conjunção subordinativa completiva.

 modalidade epistémica exprime o saber ou a crença do locutor (ou de alguém de quem se fala - «Ele sabe que/se») sobre a afirmação que se apresenta na oração subordinada. Os verbos que exprimem conhecimento selecionam o modo indicativo na oração subordinada (cf. Mira Mateus, Gramática da Língua Portuguesa, p.261 e 599). Deste modo, exprime-se o saber relativamente a dados factuais (1), sendo a oração completiva apresentada como verdadeira:

(1) «Ele sabe que hoje o João está em casa.»

Normalmente, a introdução de uma negação na oração subordinante inverte o valor de crença expresso, ou seja, passa a exprimir-se um valor de crença fraco, o que conduz à seleção do modo conjuntivo1:

(2) «Não tenho a certeza que ele esteja em casa.»

Porém, quando a oração completiva é uma oração interrogativa indireta, ainda que a subordinante inclua uma negação, não há lugar à seleção do conjuntivo como modo da subordinada porque «é assumida a veracidade de uma das proposições que fazem parte do conjunto de respostas possíveis à pergunta formulada e é esta a razão pela qual o modo selecionado é o indicativo»2. Por esta razão, é aceitável a frase (3) e não a frase (4):

(3) «Não sei se ele está em casa.»

(4) «*Não sei se ele esteja em casa.»

 Os verbos epistémicos são também compatíveis com o modo condicional na oração subordinada, desde que este esteja associado, por exemplo, a uma situação hipotética1:

 (5) «Não sei se ele estaria em casa se tu chegasses às 18h.» 

Disponha sempre!

* – Este sinal assinala a agramaticalidade da frase.  

1. Para mais informação, cf. Raposo et al., Gramática do Português. pp. 678 e ss.

2. cf. Idem, ibidem, p. 1845.

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Morfologia Flexional; Sintaxe Campos Linguísticos: Tempo/Modo/Pessoa/Número (verbos); Orações