Ainda o uso da vírgula - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda o uso da vírgula

Embora saiba que o complemento determinativo não se separa do nome por vírgula, tenho reparado que, em algumas situações, aparece antecedido por esse sinal de pontuação, como no seguinte caso: «Li Os Maias, de Eça de Queirós.» Gostava de saber se é correcto colocar a vírgula neste contexto. Realmente, a obra em questão é, indubitavelmente, de Eça. Não existe outro livro com o título Os Maias e de outro autor. Será por isso que a vírgula aparece, por ser uma informação acessória, explicativa e não restritiva, tal como acontece com as orações subordinadas adjectivas relativas? Ou estará errado mesmo?

Obrigada por toda a atenção que dispensam às nossas dúvidas!

Ana Tavares Professora Ponta Delgada, Portugal 6K

Usualmente, não colocamos uma vírgula entre um substantivo e o complemento determinativo regido pela preposição de, mas acontece que o que a gramática tradicional denomina complemento determinativo pode ter diferentes valores semânticos e até diferentes comportamentos sintácticos. Tendo isto em conta, direi que é admissível a vírgula nesses contextos, porque a  esse constituinte pode ser dada uma função apositiva, ou seja, explicativa. Se tem esta função, o uso da vírgula é legítimo, como se lê em Celso Cunha e Lindley Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo (pág. 645):

«[...] toda oração ou todo termo de oração de valor meramente explicativo pronunciam-se entre pausas; por isso, são isolados por vírgulas, na escrita [...].»

Por conseguinte, se disser:

1) «O Requiem de Mozart»,

está referir-se a uma peça musical que é do compositor austríaco e não de Fauré ou de Verdi. Mas, se afirmar:

2) «A Oferenda Musical, de Bach, é uma admirável peça musical»,

deixa entender algo como «A Oferenda Musical, que, recorde-se, é de Bach».

Poderemos, portanto, admitir que, na expressão «Li Os Maias, de Eça de Queirós», a vírgula foi intencional e resultou do desejo de pôr em evidência o nome do autor. As regras de pontuação não são tão rígidas como as regras ortográficas.

A. Tavares Louro/Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo
Áreas Linguísticas: Ortografia/Pontuação; Sintaxe Campos Linguísticos: Pontuação; Funções sintácticas