A definição de predicado na nova terminologia linguística (Portugal) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A definição de predicado na nova terminologia linguística (Portugal)

Entre colegas (professores) surge frequentemente a dúvida: O predicado é tudo aquilo que se declara acerca do sujeito e, sendo assim, inclui todo o tipo de complementos e outras funções sintácticas, ou inclui apenas os elementos essenciais: verbo, complemento directo, complemento indirecto e predicativo do sujeito?

Berta Simões Professora Portugal 5K

O predicado é tudo aquilo que se declara acerca do sujeito, incluindo o grupo verbal (verbo e seus complementos) e os seus modificadores (por exemplo, modificadores adverbiais como aqui em «o camião explodiu aqui»). Esta concepção de predicado está mais próxima da análise da linguagem em lógica.

Em Portugal, a nova Terminologia Linguística para o Ensino Básico e Secundário – TLEBS (subdomínio de sintaxe, B4.3.2.) define predicado como «função sintáctica desempenhada pelo grupo verbal e pelos modificadores do grupo verbal», formulação que exige outras duas definições:

Grupo verbal: unidade sintáctica constituída por um núcleo, que é o verbo, e os complementos [directo, indirecto, preposicional ou adverbial] desse verbo.
Modificadores do grupo verbal: função sintáctica desempenhada por constituintes opcionais, não seleccionados pelo grupo verbal.

Deste modo, apliquemos estas definições à análise da seguinte frase:

(1) A Rita deu um livro ao pai ontem.

A expressão «deu um livro ao pai ontem» é o predicado, no qual, temos um grupo verbal – «deu um livro ao pai» – e um modificador adverbial – «ontem», que poderia ser ou omitido ou substituído por um modificador preposicional (p. ex., «no Natal»).

Assinale-se a distinção entre modificador adverbial verbal e modificador adverbial frásico: o primeiro faz parte do predicado [«ontem», em (1)], mas o segundo fica excluído dele. Por exemplo:

(2) A Rita, naturalmente, deu um livro ao pai ontem.

Na frase (2), naturalmente é um modificador adverbial frásico. A melhor maneira de identificar este modificador é o facto de ele não poder ser negado nem interrogado, como se mostra no contraste entre (1)’ e (2)’ (o asterisco indica agramaticalidade):

(1)’ a. A Rita deu um livro ao pai não ontem, mas hoje.
b. Foi ontem ou hoje que a Rita deu um livro ao pai?

(2)’ a. *A Rita deu um livro ao pai ontem não naturalmente, mas felizmente.
b. *Foi naturalmente ou felizmente que a Rita deu um livro ao pai ontem?

Note-se que em (2) e (2’b.), naturalmente significa «como se esperava». Se o advérbio significasse «com naturalidade», a frase (2’b.) poderia ser adaptada e tornar-se-ia aceitável: «foi naturalmente que a Rita deu um livro ao pai (ontem)». Neste caso, tratar-se-ia de um modificador verbal e faria parte do predicado.

Carlos Rocha
Tema: TLEBS