Pragas e Falares do Algarve - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Pragas e Falares do Algarve
Ana Pereira, Diogo Simão, Filipe Pires, João Duarte, Marco Gago, Miguel Brito de Oliveira, Nuno Soares e Roberto Leandro
Lugares e Palavras do Algarve, 2017 2K

Pragas e Falares do Algarve é uma obra que se centra na linguagem própria dos algarvios e que contribui para o conhecimento do património linguístico regional português. Um livro com mais de 2000 significados, com termos e expressões carismáticas, mas também arcaísmos e gírias urbanas. Os artigos apensos, numa perspetiva sociolinguística e etimológica, procuram desenvolver explicações sobre vocábulos e expressões típicas.  

O livro tem uma apresentação diversificada com pragas do Algarve, histórias e poemas. Eis alguns termos e expressões que se poderão encontrar: «dar de vaia», «marafado», esgarrar a samerote», «moce d'um cabreste», «fezes», «bicoso», «griséus», «almareado», «Ah, Diéb! Quem dera vê-lo enterrade até ós ortelhes, mas de cabeça para baixe.», «feniscadinho», «lamber os cambeiros», «nevrinhar», «tem avonde», «Oh, maldeçoade dum cabrão, devias ter tanta sorte côm' u pêxe fora d' água!», «alcagoita», entre outros...

A falha de bibliografia revela-se uma falha importante numa obra que aborda uma temática que tem sido trabalhada por outros autores. Por exemplo (e só para citarmos livros integrantes da biblioteca do Ciberdúvidas): Dicionário do Falar AlgarvioOs Provérbios Estão Vivos no Algarve ou Subsídios para um Vocabulário Algarvio.   

Filipe Carvalho