Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Dicionário do Falar Raiano de Marvão
Teresa Simão
Edições Colibri, 2016 192   

«Ir a alacar» (=«ficar para trás»), «sair tudo de rapa terrão» (= «à pressa, sem concentração») ou «ir p'ra vea d'água» (= «ser tudo mentira») são três das muitas expressões e palavras reunidas por Teresa Simão, linguista e investigadora da Universidade de Évora, neste novo contributo para os estudos de Dialetologia em Portugal. O Dicionário do Falar Raiano de Marvão apresenta-se como um repositório do vocabulário típico de um dos dialetos da sub-área que abrange o norte do distrito de Portalegre e parte do distrito de Castelo Branco. Recorde-se, portanto, que, no contexto de Portugal continental, esta região se salienta, entre os dialetos centro-meridionais, por certos fenómenos fonéticos que encontram paralelo na ilha açoriana de São Miguel, como sejam o u e o ou entoados «à francesa», o que leva palavras como fruta e pouco a soarem respetivamente como "früta" e "pöque". A estes traços, junta-se um vocabulário expressivo, muitas vezes pitoresco, cuja originalidade se reforçou pela localização e pela vivência fronteiriças. Obra de fácil consulta, constitui um instrumento precioso de divulgação, numa linha de valorização do património material e imaterial das diferentes regiões portuguesas. Por outro lado, trata-se de um trabalho que, adotando os critérios científicos da investigação linguística, evidencia como a cultura não erudita e a variação dialetal são, afinal, objetos válidos de conhecimento.

Carlos Rocha