Uma Web Summit que angliciza Lisboa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Uma Web Summit que angliciza Lisboa
Uma Web Summit que angliciza Lisboa
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 195

1. A realização da Web Summit 2018  de 5 a 8 de novembro, em Lisboa, cidade onde decorre pela terceira vez este encontro dedicado à tecnologia da comunicação, é sempre oportunidade para avaliar a pressão do inglês em território de língua portuguesa. Sobre a torrente de anglicismos que, por estes dias, circula na comunicação social portuguesa, leiam-se, por exemplo, o guia que a revista Visão publicou em 2/11/2018, bem como o artigo Dicionário do Empreendedor – uma versão irónica para aguentar a Web Summit, texto que Francisco Peres assinou em 2/11/2018 no jornal eletrónico Observador. A propósito vem também o trabalho jornalístico apresentado pelo canal Euronews, segundo o qual os Portugueses, entre as nações de língua românica, se encontram razoavelmente colocados quanto ao domínio do inglês. Neste contexto, pergunta-se: até que ponto a aparente ou real competência portuguesa em inglês é sinal de perda de vitalidade da língua nacional?  No meio do bulício que se apodera de Lisboa, recordem-se os comentários que o Ciberdúvidas produziu sobre o impacto deste acontecimento mediático nos dois últimos anos: Web Summit, start-up e feature: como usar em português? (2016); e 10 novas respostas no consultório do Ciberdúvidas, a Web Summit 2017 e (um)a Urban Beach à beira-Tejo (2017).

2. Na rubrica Montra de Livros, apresenta-se o novo livro da professora e consultora linguística Sara de Almeida LeitePara Acabar de Vez com os Erros de Português. Trata-se de uma obra concebida para apoiar o uso correto do português entre os não especialistas, como faz questão de frisar a autora: «Pode desfrutar destes esclarecimentos durante os seus intervalos de trabalho, nas horas  de lazer, em casa, nos transportes públicos, aos poucos ou de uma só vez. Acredite que esta é a forma mais fácil e divertida de acabar de vez com o mau português!» (ver também o vídeo da entrevista que o programa televisivo Queridas Manhãs, do canal SIC, fez a Sara de Almeida Leite em 24/10/2018). 

3. No Consultório, pergunta-se: a frase «cinco toneladas de alimentos foram apreendidos» está correta? Numa frase como «Hoje ela foi passear», a palavra hoje faz parte do predicado? O significa a expressão «ação depurativa»? O verbo arrastar é de que tipo, intransitivo? Fundilhos e fundura são da mesma família de palavras? 

4. Nas Lusofonias passa a estar disponível um artigo do tradutor e docente universitário Marco Neves à volta das tendências de união e afastamento que definem as relações do português de Portugal com o português do Brasil e o galego (texto transcrito, com a devida vénia ao autor, do  seu blogue Certas Palavras).