Predisposição, suscetibilidade e vulnerabilidade - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Predisposição, suscetibilidade e vulnerabilidade

Os termos predisposição, susceptibilidade e vulnerabilidade são utilizados com frequência em saúde/medicina. Existem claras diferenças sobre os respetivos significados e seguem-se algumas definições, de acordo com o dicionário on-line da Priberam*:

Predisposição: Disposição natural para contrair certas doenças, certos hábitos, etc.

Susceptibildade: Disposição especial do organismo para acusar influências exercidas sobre ele ou para adquirir doenças.

Vulnerabilidade:Qualidade de vulnerável.

Assim, justificava-se uma utilização diversa, no entanto, os conceitos são, com frequência, utilizados como se de sinónimos se tratassem.

Gostava de ir mais longe e identificar alguns elementos que, corretamente utilizados, acrescentassem a esses termos, melhorando a qualidade da sua utilização. Será indicado referir a predisposição como mais próxima das componentes genéticas, a vulnerabilidade associada a caraterísticas morfológicas e a susceptibilidade a elementos individuais que incluam o perfil psicossocial?

Obrigado pela vossa atenção.

* Predisposiçãosuscetibilidadevulnerabilidade in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa.

Florentino Serranheira Professor Lisboa, Portugal 88

A distinção que o consulente propõe é possível como forma de elaborar uma dada terminologia num determinado quadro de análise ou numa teoria. Convém observar, porém, que a consulta dos dicionários gerais muitas vezes aponta para certo grau de sobreposição semântica entre palavras que pertençam ao mesmo campo lexical. Por outras palavras, do ponto de vista da descrição estritamente linguística, é natural que, por exemplo, as três palavras em questão possam substituir-se mutuamente em certos contextos.

No plano da linguagem mais estritamente médica, o contraste mais nítido estabelece-se entre suscetibilidade e predisposição. Com efeito, nos textos de medicina, em português, o contraste entre os termos predisposição e suscetibilidade (ou susceptibildiade) decorre mais da sua associação (colocação) com outras palavras do que da sua oposição semântica. Por exemplo, diz-se «predisposição herdada» e «predisposição genética», mas empregam-se «genes de suscetibilidade» e «variantes genéticas de susceptibilidad», não havendo permuta entre predisposição e suscetibilidade nestas expressões (ou seja, não ocorrem ou não são frequentes «suscetibilidade herdada/genética», nem «genes/variantes genéticas de predisposição»). No entanto, há outras colocação em que as palavras em referência podem permutar; ex.: «doenças de suceptibilidade/predisposição genética» (designação que se usa por oposição às doenças genéticas ou de causa genética). Por último, quanto ao termo vulnerabilidade, parece este não ter uso especializado, podendo, no entanto, correr como palavra não específica, sinónima de predisposição e suscetibilidade1.

Apesar de tudo, em áreas profissionais e de investigação mais próximas ou mais afastadas da medicina, a palavra vulnerabilidade tem sido investida de significados mais precisos, também contrastáveis com os de suscetibilidade e predisposição. Por exemplo:

 – em estudos de psiquiatria, que, por exemplo, tenham como tema o stress, fala-se de vulnerabilidade como ««[...] o risco aumentado em se reagir de forma negativa perante um dado acontecimento da vida» (Vaz Serra, "Stress e vulnerabilidade", Psiquiatria Clínica, 21 (4), 2000, p. 270; cf. também a pág. p. 271);

vulnerabilidade faz parte igualmente da terminologia dos estudos de bioética.

1 Todo este parágrafo é devedor da informação prestada pelo Doutor José Carlos Ferreira, especialista  em Ginecologia e Obstetrícia (Hospital Central de Maputo e ICOR - Instituto do Coração, Maputo, Moçambique ), a quem se agradece a disponibilidade.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: substantivo