O uso da expressão «(não) dá para» com infinitivo - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O uso da expressão «(não) dá para» com infinitivo

Gostaria de uma explicação sobre o porquê de o verbo dar não flexionar para o plural na seguinte construção: «Iguarias que não dá para resistir.»

Obrigado.

Valter Rodrigues Guarda Municipal Rio de Janeiro, Brasil 848

O verbo dar não flexiona no plural na expressão apresentada porque é utilizado como impessoal, com um valor semelhante a «não ser possível». Os verbos impessoais ou os verbos utilizados numa construção impessoal conjugam-se apenas na terceira pessoa do singular.

Refira-se, ainda, que a expressão apresentada inclui uma oração relativa, «que não dá para resistir», que é introduzida pelo pronome relativo que, o qual se refere a iguarias. Neste contexto, é possível reescrever a oração, substituindo o pronome que pela palavra a que se refere:

1) «Não dá para resistir às iguarias.»

A reescrita da oração permite compreender que o nome a que se refere o pronome relativo é introduzido pela preposição a (contraída com o determinante artigo definido as), que é pedida pelo verbo (resistir a). Esta situação implica que, quando o nome é substituído pelo pronome relativo, este último guarda a preposição. Assim, a construção correta da expressão apresentada seria:

2) «Iguarias a que não dá para resistir.»

Carla Marques
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Outros; Sintaxe Campos Linguísticos: Concordância