Ainda sobre o verbo despoletar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda sobre o verbo despoletar

Mão amiga fez-me chegar este texto-circular, que a seguir transcrevo, do director da agência de notícias Lusa, Luís Miguel Viana, contrariando o que sempre foi o meu entendimento sobre o verdadeiro sentido do verbo despoletar  — na esteira, aliás, do muito que se tem escrito sobre o assunto, no Ciberdúvidas.

Apreciava muito um novo comentário vosso.

 

 Lusa

 

 

CIRCULAR

Direcção

de Informação

De: Luís Miguel Viana

Para: DL_jornalistas

C/C:

Refª: DI-LMV/08

   

Data: 26/02/08

ASSUNTO: Utilização da expressão ESPOLETAR

Existe um hábito muito comum na Lusa de ultilizar a expressão ESPOLETAR para significar algo como «deflagrar da espoleta» ou «desencadear». Editores há que «corrigem» o original dos redactores que utilizam o verbo DESPOLETAR. Fazem mal. É um erro, como já muito brilhantemente explicou Vasco Graça Moura.

ESPOLETAR quer dizer «colocar a espoleta», «preparar a espoleta», se é que alguém alguma vez se utilizou esse verbo para descrever tal acção.

DESPOLETAR não quer dizer «retirar a espoleta», «desarmar um engenho explosivo». Se algum verbo existisse com esse radical e esse significado, seria DESESPOLETAR.

DESPOLETAR é que quer dizer «deflagrar da espoleta», «desencadear».

E DESPOLETAR não é correctamente substituído por DEFLAGRAR, porque este verbo tem o sentido da instantaneidade e o outro significa o início de um processo deflagratório.

O prefixo DES não significa sempre negação de uma acção: DESencadear não quer dizer interromper um encadeamento mas dar início a um encadeamento, só para dar um exemplo.

Luís Miguel Viana

Director de Informação

 

 

João Carlos Araújo Lisboa, Portugal 4K

Começa a preocupar-me o ritmo com que os erros grosseiros se vão instalando na língua. Já não bastam o «dia solarengo» em vez de soalheiro, a cessão do contrato» em vez de cessação, a «factura descriminada» em vez de discriminada», e agora também o «despoletar» significando «deflagrar, desencadear». 

Vamos primeiro aos factos lexicais.

Espoleta é um termo militar que designa o dispositivo que produz a detonação das cargas explosivas, como por exemplo, uma granada. Quando activamos esse dispositivo, usamos o verbo espoletar, que significa «pôr a espoleta em», logo, «fazer deflagrar a granada». Se tirarmos a espoleta, a granada fica inactiva.1 Para esta acção, usamos o verbo despoletar, que significa, portanto, «tirar a espoleta a; tornar impossível o disparo de»; «(Figurado) anular algo, travar o desencadeamento de».2

Agora, os factos morfológicos.

Despoletar é um verbo derivado por prefixação, por intermédio do prefixo des-, que, tal como tantos outros elementos gramaticais, é polissémico, ou seja, veicula diferentes significados dependendo da base a que se agrega. Pode significar:

1. Negação: desaprovar (= «não aprovar»); desleal (= «não leal»);

2. Ação contrária: desmentir (= «acção inversa de mentir); desarrumar (acção inversa de arrumar).

Ora, é neste segundo quadro semântico que o verbo despoletar se inclui, exprimindo precisamente a ação contrária de espoletar: «tirar a espoleta a, travando ou impedindo o disparo de».

O significado de reforço, de intensidade que o prefixo des- passou a assumir (por exemplo, na palavra desinquieto) é resultado da produtividade deste prefixo, mas não é esse significado que despoletar acarreta, como muita gente julga.

Por conseguinte, os factos falam por si. "Despoletar", como sinónimo de desencadear, é um uso incorreto da língua, apesar de alguns dicionários registarem este barbarismo, devido ao uso generalizado dos falantes.

Resta uma tomada de decisão por parte da comunicação social: ou continuar a difundir o erro ou, pelo contrário, privilegiar a correcção, o bom uso da língua, que é o que todos nós esperamos daquilo que acreditamos ser uma referência — como deve ser o caso da agência de notícias portuguesa Lusa.2 

1 Sobre o recorrente equívoco entre a espoleta e a cavilha de uma granada — e, portanto, sobre o mecanismo que faz ou não deflagrá-la — cf. Tirar a espoleta ao assunto + Tirar a espoletaDespoletar + Espoletar. E, ainda, a elucidativa explicação no blogue Filipa de Lencastre no comentário de 79-84, às 00:23 de 6-1-2004.
2 Vide, por exemplo, o Grande Dicionário da Porto Editora",  o Grande Dicionário Universal da Língua Portuguesa e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa.

Cf.: A espoleta e os seus derivados linguísticos

Sandra Duarte Tavares
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo