Manual do Bom Português Atual - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Manual do Bom Português Atual
Conforme as novas regras introduzidas pelo Acordo Ortográfico de 1990 e muito além dele
Lúcia Vaz Pedro
Calendário de Letras, 2016 724   

Neste livro, a professora Lúcia Vaz Pedro esclarece algumas questões relacionadas com o Acordo Ortográfico de 1990, em vigor no Brasil, em Cabo Verde e em Portugal, nomeadamente as que mais dúvidas têm causado a quem o aplica. Ao longo de cinco capítulos que constituem este Manual do Bom Português Atual, editado pela Calendário de Letras, em 2016, pontuam-se os esclarecimentos sobre a três novas letras acrescentadas ao alfabeto português, sobre o uso das maiúsculas e das minúsculas iniciais, da supressão das consoantes não articuladas, da acentuação e das novas regras quanto à hifenização (grande parte delas inexistentes de todo na norma de 1945). Outros assuntos tratados vão além das (novas) questões ortográficas – como é o caso das competências gráfica, morfossintática e discursivo-textual do português, assim como à volta da pontuação e outras questões problemáticas da língua (palavras homófonas e parónimas, por exemplo) ou sobre a complexidade das classes de palavras e da correção linguística em geral. 

Um ponto interessante é que, ao longo de todos os capítulos, a autora propõe alguns exercícios relativos ao tema abordado, permitindo ao leitor a sua própria avaliação direta.

Manual do Bom Português Atual, abarcando um universo alargado de leitores empenhados em dominarem mais qualificadamente a sua própria língua, fica como mais  uma das tantas obras disponíveis  hoje no mercado nacional – fora as tantas outras ferramentas de acesso rápido e gratuito, via Internet – que retiram qualquer argumento aos que atiram para cima do Acordo Ortográfico a razão do desleixado uso do idioma nacional no espaço público, dos media em geral  até aos organismos do Estado.