A língua portuguesa na era digital. O que quer esta língua? - O nosso idioma - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Início Português na 1.ª pessoa O nosso idioma Artigo
A língua portuguesa na era digital. O que quer esta língua?
A língua portuguesa na era digital. O que quer esta língua?
Desafios para o século XXI

« (...)A língua portuguesa é global com cerca de 244 milhões de falantes, disseminados por várias latitudes. É a quarta língua mais pujante do mundo e a terceira mais utilizada na Internet. Juntos, estamos entre as cinco maiores economias do planeta. (..)»

 

Vivemos num mundo digital: a maioria das transações comerciais e uma parte significativa das relações sociais migraram para o âmbito online, onde são mais baratas e mais rápidas. Todos os dias milhões de pessoas interagem nas suas vidas em português. A língua portuguesa aceita muitas variações, traduz muitas culturas, tem um enorme dinamismo para acolher a diversidade, para derrubar fronteiras.

Mas estará preparada para se adaptar à transformação digital? Estarão todos aqueles que falam português conscientes do que vale economicamente a sua língua? Terão presente os versos de Pessoa «ser a mesma coisa de todos os modos possíveis ao mesmo tempo, realizar em si toda a humanidade de todos os momentos»?

A língua portuguesa é global com cerca de 244 milhões de falantes, disseminados por várias latitudes. É a quarta língua mais pujante do mundo e a terceira mais utilizada na Internet. Juntos, estamos entre as cinco maiores economias do planeta. Segundo dados recolhidos pelo Banco Mundial, 3,59% da riqueza mundial foi produzida em países de língua portuguesa. Em 2016, as nove economias da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) valiam quase três biliões de dólares – se fosse um país, seria a sexta maior economia do mundo. Os lusofalantes ocupam 18,8 milhões de km2 em 7,25% da superfície continental da terra.

Em 2010, o escritor cabo-verdiano Germano Almeida (Prémio Camões) dizia que os portugueses se achavam «donos da língua». Infelizmente, de certa forma, assim é. Ainda há muitos «puristas» da língua portuguesa. Ainda há quem pense que o português de Portugal é mais correto. A verdade é que a Internet mudou tudo, ou quase tudo, ao nível da linguagem. Quando o ultimo Acordo Ortográfico foi assinado em 1990 ainda não havia Google (1998), Facebook (2004), Twitter (2006), WhatsApp (2009), Instagram (2010). A realidade e o contexto em que o Acordo Ortográfico foi assinado já não existem. A chamada “nova linguagem” da Internet tem como objetivo principal a comunicação rápida. A preocupação em escrever «corretamente», de acordo com a linguagem padrão, fica num segundo plano. O intuito das pessoas no «novo mundo» é comunicar de forma rápida e eficaz. Na Internet, a ortografia caracteriza-se pela simplificação: não utilização de letras maiúsculas, pontuação mínima, substituição de grupos gráficos por sons equivalentes, inutilização das vogais e preservação das consoantes, alongamento das vogais para indicar ênfase e letras maiúsculas para enfatizar uma palavra ou uma mensagem.

Pensar que a utilização destas formas pode interferir de maneira negativa na forma como cada um escreve talvez seja um exagero. A estrutura da língua portuguesa permite abreviações, e algumas vezes escreve-se, do ponto de vista ortográfico, de forma incorreta, e nem por isso deixa de haver comunicação. É claro que se a linguagem da Internet for aplicada a todo o tempo, isso pode ser negativo. Estamos num caminho sem volta e, apesar de muitos ainda estarem excluídos deste mundo virtual, ele chegou para ficar.

Além de que reinventar a língua portuguesa não é exclusivo da Internet. Há e sempre houve escritores que o fizeram. Na Ode marítima de Álvaro de Campos, heterónimo de Fernando Pessoa, também há alongamento das vogais para indicar ênfase e letras maiúsculas para enfatizar uma palavra ou uma mensagem. Nos livros de Jorge Amado também há um cuidado maior com a narrativa do que com a estrutura técnica, não demonstrando grande preocupação com a estrutura literária ou mesmo com as normas de ortografia e gramática – o importante é contar bem a história. Na poesia concreta do brasileiro Augusto de Campos integram-se os aspetos físicos ou concretos do som, da visualidade e do sentido das palavras, constituindo experiências de «design de linguagem» que foram pensados não para a página de um livro, mas para um cartaz. Na poesia do escritor moçambicano Mia Couto sentimos uma linguagem minuciosa, preocupando-se com as palavras e os diferentes sentidos despertados por ela e que deu à língua portuguesa um léxico próprio, inspirado nas várias regiões de Moçambique, criando um novo modelo de narrativa africana, inventando novas palavras, mudando as classes gramaticais, empregando prefixos de forma incomum. A língua portuguesa reinventa-se, evolui, renasce pela mão de poetas e escritores e através da Internet.

O século XXI desafia-nos, a todos nós falantes da língua portuguesa, para um imenso protagonismo. A nossa língua exige que tenhamos no mundo uma afirmação global, uma grande estratégia cultural que abranja todo o nosso território linguístico. Por isso, uma ortografia comum, mais uniformizada, como parte de uma maior interação cultural, poderia dar-nos a grandeza e dimensão que artistas e escritores projetam. Ou tão-só, como defendem outros, tornar mais acessíveis as variantes do português dentro de um corpo comum, mas não uniforme, fixando uma variante ortográfica por país. O português tem hoje apenas duas, o francês, o inglês ou o espanhol mais de dez. Seja qual for a opção, os possíveis erros de condução do passado não diminuem a importância de construirmos uma estratégia concertada de afirmação da língua portuguesa para o fortalecimento da cultura e da educação no contexto global. Um desígnio que tenha a língua como alavanca trará ganhos económicos, sociais, culturais, ecológicos, mas também ao nível da diplomacia cultural e dos direitos humanos.

A língua é uma ferramenta económica, cultural e diplomática. Mas se pensarmos que nas Nações Unidas, apesar de termos um secretário-geral português, a nossa língua continua a não ser uma língua de trabalho, percebemos que há muito a fazer. Como também no reconhecimento recíproco de habilitações académicas, na divulgação literária, no reconhecimento de qualificações profissionais, bem como da portabilidade dos direitos sociais e no âmbito da sustentabilidade e dos oceanos. Passos importantes têm sido dados recentemente, como o Procultura, destinado à criação de emprego nos setores culturais. Ou a criação da Escola Portuguesa em São Paulo. Mas há muito a fazer para a consolidação de uma comunidade de língua portuguesa, que compartilhe o nosso universo cultural. É preciso ensaiar novas ações de colaboração rumo a uma maior projeção global e para a construção de uma estratégia planetária para a língua portuguesa. Precisamos pensar e projetar a nossa língua nas suas várias dimensões, consolidando um universo cultural comum, não apenas nas suas expressões literárias e poéticas, mas também na música, no teatro, no cinema. Precisamos pensar e agir mais globalmente. É fácil? Não. É possível? Sim. É necessário? Sem dúvida.

Fonte

Artigo do jornal Público, publicado no dia 29 de agosto de 2019.

Sobre o autor

Advogado e gestor cultura.