Ainda sobre o bilião - Controvérsias - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Controvérsias Artigo
Ainda sobre o bilião

A controvérsia à volta da equivalência do bilião levou-nos a procurar estabelecer uma espécie de ponto da situação. No Brasil bilhão, no português europeu bilião têm, de facto, modernamente significado diferente do antigo. Quando eu andava no liceu (já lá vão 60 anos!), o termo queria dizer 'mil milhões' (1 000 000 000), como o francês milliard. Na Alemanha, Espanha e Inglaterra, o termo equivalente corresponde actualmente a «um milhão de milhões» (1 000 000 000 000), com doze zeros em vez de nove; e, recentemente, também em Portugal (q.v., por exemplo, o dicionário da Porto Editora). Outro tanto faz o "Aurélio", quanto a Portugal, Inglaterra e Alemanha, atribuindo-lhe, porém, o valor antigo e menor (1 000 000 000) no Brasil, França e Estados Unidos, o que é confirmado, quanto aos dois últimos, no Webster. O mesmo Webster traz que a Inglaterra e a Alemanha dão ao termo o valor de 1 milhão de milhões, o que está de acordo com "The Oxford Universal Dictionary Illustrated", em dois volumes, nomeadamente quanto à Inglaterra, a França e os Estados Unidos (billion, de origem francesa, documenta-se em inglês desde 1690). O "Petit Robert", que data o francês billion de 1520, atribui-lhe dois sentidos, um antiquado, sinónimo de milliard, vocábulo registado desde 1544, que continua a valer 1 000 000 000 (mil milhões), e outro moderno, equivalente a 1 000 000 000 000 (1 milhão de milhões).

"Das moderne Lexicon" (em 20 vols.), da Bertelsmann (Berlim), em 1972 dá a billion o valor de 1 000 000 000 000 (= 1000 milliarden, ou seja 1 milhão de milhões), acrescentando que a Inglaterra, os Estados Unidos e a França lhe dão a equivalência de 1 000 000 000 (= 1 milliarde, isto é, 'mil milhões'). Surge, pois, aqui uma discrepância, visto a Inglaterra (q.v. o "Oxford") ficar assim incluída nos dois valores, como acaba de se ver. A Itália para o seu bilione dá, juntamente com a França e os Estados Unidos, o valor de 'mil milhões' (1 000 000 000) ou 1 miliardo (= mille milioni), com a Inglaterra e a Alemanha para o valor de 1 milhão de milhões (q.v. "Dizionario Garzanti della Lingua Italiana", Milão, 1972). Quanto à Espanha, alinha no seu billón com o valor de «millón de millones». O catalão bilió também vale um milhão de milhões, mas o russo billion (em transliteração latina) ainda está pelos mil milhões, como os Estados Unidos e a França.

O caso do romeno é, e para terminar, o seguinte: bilion vale 1 milhão de milhões ou igualmente pode ter o valor de 1 miliard (mil milhões).

Chama-se ordenação internacional, baseada na alemã e inglesa, a que dá a equivalência de 1 milhão de milhões, seguida também em Portugal, pelo menos pelos matemáticos.

Sobre o autor

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca (Lisboa, 1922 - Lisboa, 2010) Dicionarista, foi colaborador da Enciclopédia Portuguesa e Brasileira e da atualização do Dicionário de Morais, membro do Comité International Permanent des Linguistes e da Secção de História e Estudos Luso-Árabes da Sociedade de Geografia de Lisboa, sócio de Honra da Sociedade da Língua Portuguesa e da Academia Brasileira de Filologia. Antigo decano dos professores do Colégio Militar, era licenciado, com tese, em Filologia Românica, distinguido com a Ordre des Palmes Académiques. Autor de várias obras de referência sobre a língua portuguesa, entre as quais O Português entre as Línguas do Mundo, Noções de História da Língua Portuguesa, Glossário etimológico sobre o português arcaico, Cantigas de Escárnio e Maldizer dos Trovadores Galego-Portugueses, O Português Fundamental e O Ensino das Línguas pelos Métodos Audiovisuais e o Problema do Português Fundamental. Outros trabalhos: aqui.