Usos cristalizados, dialetologia brasileira e equívocos interlinguísticos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Usos cristalizados, dialetologia brasileira e equívocos interlinguísticos
Usos cristalizados, dialetologia brasileira e equívocos interlinguísticos
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 223

1. Nem sempre se pode esperar que frases e sintagmas resultem de regras e se interpretem como cálculo dos significados de cada palavra constituinte. Em discurso, ocorrem frequentemente sequências prontas a usar, que se cristalizaram no tempo, como é o caso da pergunta «que horas são?» ou da expressão «meter à bulha», tópicos de duas novas perguntas em linha no consultório. Desta atualização fazem ainda parte as seguintes questões: diz-se «a 3D» (= «a três dimensões»)? O adjetivo perpétuo deriva de perpetuar? E não será tudo isto estrambólico... ou estrambótico?

 2. Ainda tendo por mote o contexto político do Brasil (prepara-se a segunda volta das eleições presidenciais, a realizar em 28/10/2018), nota-se que uma região sobressai quer do ponto de vista eleitoral quer no plano linguístico. Trata-se do Nordeste, que, como salienta o linguista brasileiro Aldo Bizzocchi num texto intitulado "O Brasil que tem sotaque" (blogue Diário de um Linguista), se distingue das demais regiões brasileiras pelas características inconfundíveis dos seus dialetos. Do mesmo autor, leia-se igualmente o artigo "Como nascem os sotaques". Ambos os textos passam a estar também disponíveis na rubrica O nosso idioma.

3. Falando ainda de diversidade, mas na perspetiva interlinguística, recomenda-se a divertida crónica escrita por Marco Neves no blogue Certas Palavras, a propósito de um modelo de carro sul-coreano cujo nome equívoco choca uns e faz rir outros em muitos lugares onde se fala português (ou galego).

4. Que neologismos têm entrado na língua por influência de idiomas originários dos países africanos lusófonos? No programa Língua de Todos,  transmitido pela RDP África na sexta-feira, dia 12 de outubro, às 13h15, com repetição no sábado, 13/10), os neologismos são o tema em foco numa entrevista com a professora Teresa Lino, investigadora do Grupo de Lexicologia e Terminologia do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa. E que estratégias está a adotar o Camões – Instituto da Cooperação e da Língua para projetar a nossa língua comum? O programa Páginas de Português, que vai para o ar na Antena 2, no domingo, 14 de outubro, às 12h30* (com repetição no sábado seguinte, 20/10, pelas 15h30), fala com Luís Faro Ramos, presidente deste organismo do Ministério dos Negócios Estrangeiros sobre ações de promoção da língua portuguesa no espaço da sua geografia pluricontinental, da Europa às Américas e da Ásia à África.

* Os programas Língua de Todos, e Páginas de Português  ficam  disponíveis posteriormente aqui e aqui. Hora oficial de Portugal continental.