A monstruosa atualidade da palavra feminicídio em Portugal, o vocábulo do ano 2018 em Angola e o plágio na Internet - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
A monstruosa atualidade da palavra feminicídio em Portugal, o vocábulo do ano 2018 em Angola e o plágio na Internet
A monstruosa atualidade da palavra feminicídio em Portugal,
o vocábulo do ano 2018 em Angola e o plágio na Internet
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 805

1. A (desgraçada) atualidade dos assassínios resultantes de violência doméstica trouxe à ribalta a palavra feminicídio (aqui e aqui), que, seis anos depois da nossa última resposta, tem finalmente registo dicionarístico nos dicionários em linha Houaiss e Priberam... averbando uma terrível realidade que, em Portugal, se associa a números monstruosos: nove mulheres mortas desde o início do ano, 503 entre 2004 e final de 2018 (notícias e comentários aquiaquiaqui e aqui, por exemplo).

   O dicionário Priberam prevê ainda a palavra femicídio como variante de feminicídio. Há também quem proponha o termo generocídio (cd. Wikipédia) que, todavia, é considerado mais ambíguo.  

    Ricardo Araújo Pereira, conhecido humorista português, citou o esclarecimento do Ciberdúvidas a propósito da legitimidade da palavra feminicídio, no programa Governo Sombra (de 8/02) em que participa como comentador. Na resposta citada, Carlos Rocha, coordenador executivo do Ciberdúvidas, atestava o processo de formação da palavra, que é similar ao de outros compostos morfológicos (como filicídio ou homicídio). 

2. Na nova atualização do consultório continuam a surgir questões relacionadas com palavras ainda por dicionarizar. É o caso do verbo redenominar. Também nesta linha, uma questão sobre a licitude da expressão «dicotomia de estatutos». Os usos da língua motivam ainda questões relacionadas com as classes de pertença de palavras como a na frase «A minha casa é bonita, mas a tua é mais» e deles em «O livro é deles.». Por fim, uma questão sobre a concordância do verbo ser em «Aprender inglês não são fake news

3. Na atualidade de interesse para a língua, destacamos:

— A divulgação da palavra do ano 2018 em Angola, que este ano é esperança, palavra que dá voz ao sentimento que o povo angolano deposita nas melhorias de condições do país. A palavra selecionada, numa iniciativa da Plural Editores, foi escolhida entre autarquias, câmbio, cidadania, investimento, justiça, melhorar, mudança, repatriamento e resgate   vindo na sequência do que, no âmbito de igual iniciativa,  já fora apurado para Portugal e para Moçambique;

 — A notícia do reforço da coordenação do ensino da língua portuguesa em França e nos Estados Unidos, uma medida importante para a continuação da promoção do ensino da nossa língua no estrangeiro, divulgada pelo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro

4. Uma nota final para lembrarmos que o serviço prestado pelo Ciberdúvidas a todos quantos, por esse mundo fora, querem saber mais sobre a língua portuguesa – gracioso, de acesso universal e sem fins comerciais, como é próprio de qualquer serviço público – não dispensa a devida atribuição da autoria e da proveniência dos seus conteúdos, sempre que eles sejam compartilhados de qualquer forma. São preceitos éticos e legais* que cumprimos igualmente na transcrição de qualquer texto não original do Ciberdúvidas – sejam eles meras notícias ou a reprodução de artigos alheios de justificada atualidade. Infelizmente, este é um procedimento não acautelado por todos, especialmente por via de alguns sítios eletrónicos e plataformas na Internet. Trata-se, pura e simplesmente, de uma condenável prática do plágio – de que mais recentemente foi vítima a nossa consultora Sandra Duarte Tavares, com material apropriado de um artigo seu publicado  na  edição digital da revista Visão, do dia 27/07/2017, intitulado 10 erros linguísticos que mancham a sua imagem, sem que tenha havido lugar à devida atribuição da autora e da publicação original.

* Todos os conteúdos do Ciberdúvidas estão  licenciados pela Creative Commons – com os direitos e deveres correspondentes de partilha ou publicação em registo impresso ou digital que se encontram aí rigorosamente especificados.