Da ortografia à terminologia, de França à Galiza - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Da ortografia à terminologia, de França à Galiza
Da ortografia à terminologia, de França à Galiza
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 701

1. Depois da brevíssima interrupção do Carnaval, o Ciberdúvidas regressa neste dia às atualizações e, para começar, retoma o (eterno) debate da ortografia do português. No Pelourinho, a desleixada aplicação das novas regras ortográficas num jornal português que passou a segui-las motiva um comentário de José Mário Costa, sobre esses e outros erros – que não só ortográficos – nos media nacionais. Na área das Controvérsias da rubrica Acordo Ortográfico, fica em linha uma divertida Chronica de Carnaval, transcrita, com a devida vénia, do Facebook do escritor e professor universitário português Frederico Lourenço, a propósito também da querela ortográfica que tantas paixões ateia em Portugal. E, ainda a respeito da aplicação do Acordo Ortográfico de 1990, registem-se dois artigos saídos no jornal português Público, em 9/02/2016: a favor, "O Brasil e o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa", do embaixador do Brasil em Portugal, Mário Vilalva, esclarecendo, uma vez mais, que ele se encontra oficialmente em vigor no seu país, desde 2009 e em pleno desde o início deste ano; rotundamente contra, "O 'Acordo Ortográfico' de 1990 não está em vigor", do embaixador Carlos Fernandes, que o considera inconstitucional.

2. Em O nosso idioma, um artigo do professor Guilherme de Almeida aborda um outro tema, centrado na construção e fixação de terminologias: deve dizer-se apenas «grau Celsius», ou também se aceita «grau centígrado»? O consultório está também de volta com cinco novas perguntas: o que é uma «narrativa por encaixe»? A palavra reequilibrante estará bem formada? E o neologismo "namorido"? Que interpretação se pode dar à expressão «aristocrático pessimismo»? Poderá alguma vez usar-se vírgula antes de que consecutivo?

3. De França, chegam notícias sobre os protestos contra as alterações ortográficas que a Academia Francesa aprovou em 1990 e que agora estão a ser aplicadas a muitas palavras do francês. A comunicação social daquele país dedicou ampla atenção às novas grafias, mas, como já aconteceu na Alemanha e, em certa medida, em Espanha, sem esquecer a enorme controvérsia gerada em Portugal, também muitos franceses têm reagido mal às mudanças na escrita. Um debate com ecos também em português. Por exemplo, nestes registos: "Eu sou circunflexo: Franceses protestam contra mudanças na língua", TSF, 5/02/2016; "Reforma ortográfica criada há 26 anos gera polêmica na França", NZ Notícias, 5/02/2016.

4. O programa de rádio Língua de Todos de sexta-feira, 12 de fevereiro (às 13h15* na RDP África; repete no sábado, 13 de fevereiro, depois do noticiário das 9h00*), entrevista João Laurentino Neves, presidente do Instituto Português do Oriente, acerca de uma iniciativa apoiada por esta entidade, o curso de verão O Ser e Saber da Língua Portuguesa 2016, que é organizado pelo Gabinete de Apoio ao Ensino Superior de Macau. O Páginas de Português de domingo, 14 de fevereiro (pelas 11h30*, na Antena 2), entrevista Rute Costa sobre um projeto por ela coordenado, a Base de Dados Terminológica e Textual (BDTT), a qual resulta da colaboração multidisciplinar entre o núcleo de tradução do Gabinete de Relações Internacionais e Protocolo da Assembleia da República e o Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa.

* Hora oficial de Portugal continental.

5. Na perspetiva da aprendizagem ao longo da vida, várias são atualmente em Portugal as entidades que organizam cursos, seminários e encontros destinados a quantos desejam continuar a exercitar, a desenvolver ou a enriquecer as competências adquiridas ao longo de cada percurso educativo (formal ou não formal) e profissional. É neste contexto, e no intuito de promover o debate de temas da língua portuguesa, na sua vertente histórica e cultural, que o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa colabora numa iniciativa levada a cabo pela Universidade Sénior de Almada (USALMA), no âmbito das atividades da sua área de Línguas e Literaturas: trata-se da palestra intitulada Das Irmandades da Fala ao Ano Castelao: cem anos de cultura galega moderna, que o investigador e crítico literário galego Isaac Lourido (Prémio Carvalho Calero de Ensaio em 2014), leitor do Centro de Estudos Galegos – Universidade Nova de Lisboa, profere no dia 16 de fevereiro, às 16h00, na sede da USALMA, na Rua da Cerca, 21, em Almada. A entrada é livre (mais informação aqui).