Erros de ortoépia na moda, o ensino do português aliado à literatura e cinco novas respostas no consultório do Ciberdúvidas - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
Erros de ortoépia na moda, o ensino do português aliado à literatura e cinco novas respostas no consultório do Ciberdúvidas
Erros de ortoépia na moda, o ensino do português aliado à literatura
e cinco novas respostas no consultório do Ciberdúvidas
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 254

1. Os erros devem ser evitados e corrigidos. Não é novidade. Novidade será eventualmente pensarmos que há erros que persistem e que se expandem a tantos falantes que parece que passaram a ser moda. No Nosso Idioma, a linguista Carla Marques traz-nos um apontamento sobre cinco erros de ortoépia que ouvimos frequentemente.

 2. O ensino da língua pode ser perspetivado de inúmeras formas. A professora Lúcia Vaz Pedro desenvolve uma reflexão sobre a importância da literatura no processo de ensino-aprendizagem do Português. Um percurso estruturante que não descura a fruição. 

3. Também sobre ensino, agora da escrita, reflete a professora Rosa Maria Oliveira, que divulga no jornal digital Observador um artigo (aqui transcrito com a devida vénia) sobre a possibilidade de motivar os alunos para o desenvolvimento desta competência através de processos criativos e significativos. 

4. Não obstante a persistência de muitos erros, os falantes revelam preocupação com a correção linguística, como o comprova a questão relacionada com a correção das construções «estar a caminho», «pôr-se a caminho» ou «ir a caminho». Por vezes, são as combinações de palavras que intrigam os utilizadores da língua: há diferença entre «estar para vir» ou «estar por vir»? A evolução das palavras e das expressões é também um assunto que cativa os falantes: como se processou a evolução fonológica de dous para dois? E qual a expressão que surgiu em primeiro lugar: «siga para Vigo» ou «siga para bingo»? Ainda uma hesitação na classificação de um ato ilocutório: diretivo ou expressivo? Estas são as respostas disponíveis na nova atualização do Consultório.

5. Entre os eventos relacionados com a língua, destacamos o projeto Café com Letras – Encontro com a Literatura, que vai promover uma conversa aberta com Fátima Fernandes, professora da Universidade de Cabo Verde e membro da cátedra Eugénio Tavares de Língua Portuguesa. Acontecerá no dia 15 de março, na cidade da Praia, em Cabo Verde. 

6. De língua e de política de língua fala Edleise Mendes, professora da Universidade Federal da Bahia, no programa Língua de Todos, transmitido na RDP África, na sexta-feira, dia 15/03, às 13h15* (com repetição  no dia seguinte, depois do noticiário das 09H15*), abordando a questão do papel do Brasil na promoção do português no mundo e particularmente em África, no âmbito do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP) e a sua articulação com Portugal. No programa Páginas de Português, na Antena 2, Paulo Dias, reitor da Universidade Aberta de Lisboa, detalha as  novas ofertas de ensino a distância em língua portuguesa (no domingo, dia 17/03, às 12h30 **, com repetição no sábado seguinte, dia 23/03, às 15h30**)

* Hora oficial de Portugal continental, ficando o programa disponível, posteriormente, aqui e aqui.