E se na escola se escrevesse por prazer? - Ensino - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Ensino Artigo
E se na escola se escrevesse por prazer?
E se na escola se escrevesse por prazer?
Escrita criativa na aula de Português

Enquanto professora de Português, fiz as minhas opções: ensinar o menos possível a escrever com técnicas puramente reprodutivas, que obrigariam os alunos a estar o tempo todo a escrever para “ninguém”

 

Dar aulas pelo amor à criatividade e à educação impede-me de cair na rotina académica. Dedico-me, há vários anos, a ajudar muitos alunos a escreverem sobre os seus projetos de vida, potencializando a imaginação e seus talentos, recorrendo às suas memórias/ histórias de vida. A partir de 2010, implementei oficinas de escrita criativa e de ficção, para desenvolver, além do ensino da língua e literatura, ferramentas que ajudem os alunos a lidar com o emocional, o mental e o espiritual, apoiadas na terapia Gestalt. Para suplantarem os saberes escolarizados e recuperarem o gosto por aprender, ensino-lhes técnicas de escrita automática para terem acesso à sua vocação literária natural e à perceção do comportamento humano, tendo em conta as suas fontes (necessidades, lembranças, emoções, pensamentos e sonhos). Complementando esta abordagem, desenvolvo o “método” que designo por «educura», isto é, educar e, ao mesmo tempo, curar, através do qual eles aprendem a dar a atenção ao corpo e à respiração, a descobrir os benefícios da visualização criativa e da meditação, do autoconhecimento e da consciência baseada no coração. Sempre que possível, promovo o envolvimento dos pais e da família neste processo.

Enquanto professora de Português, fiz as minhas opções: ensinar o menos possível a escrever com técnicas puramente reprodutivas, que obrigariam os alunos a estar o tempo todo a escrever para “ninguém”; aprender para ensinar a aceder a uma escrita “não trabalhada” para que, como diz José Luís Peixoto, fosse vivida como uma afirmação tranquila, uma forma de crescer. Esta escolha viria a implicar, da minha parte e da parte dos alunos, um compromisso de aproximação às suas histórias de vida, de autoconhecimento maior, que passa, como disse, por fazer emergir suas memórias, sonhos, sentimentos e emoções.

As minhas escolhas ligam-se, claramente, à minha própria história de vida. Antes de me tornar professora de Português, comecei a escrever poesia para desenvolver a vocação de escritora, treinando a minha voz “literária” por puro prazer. Quando me confrontei no início da minha profissão, e nos anos subsequentes, com turmas de adolescentes considerados “difíceis” e “resistentes”, deparei-me com as suas dificuldades relativamente à escrita escolar.

Para transformar esta vivência “negativa” da escrita em algo mais significativo para as suas vidas, dediquei um ano de licença sabática para criar um projeto de formação em escrita criativa (ficcional e autobiográfica), com 26 alunos do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico, cuja experiência se encontra narrada no livro Escritas de vida, histórias da escola. Na Roda Gigante. Foi o ponto de partida para a construção de um dispositivo didático que continuo a desenvolver num trabalho escolar integral, que não ignora o que os alunos já “sabem” nem o que gostam ou não de aprender. O resultado é muito satisfatório: alunos mais motivados e mais participativos na vida da escola. Colaboram nas sessões de oficina de escrita com alegria e emoção, com gosto por adquirirem conhecimento importante para as aulas de língua, e não só, e por poderem expressar-se pela escrita, em liberdade.

Na perspetiva das pessoas que são os alunos, escrever na escola terá mesmo de fazer sentido para eles, possibilitando uma ação didática que contemple, ao mesmo tempo, a transformação pessoal dos alunos e dos professores. Acredito que os alunos inspiram os professores de muitas maneiras. Para mim, eles inspiram-me com suas próprias histórias de vida/ suas histórias de família e estão, na verdade, a inspirar outros adultos, nomeadamente agentes da cultura.

Em parceria com a Câmara Municipal de Ovar/Museu Júlio Dinis, estou, precisamente, a coordenar o projeto “História da minha família”, com o apoio de professores, educadores e pais do Agrupamento de Escolas de Ovar. Aproximadamente 100 alunos do pré-escolar (com ajuda dos pais e das educadoras), do 1.º, 2.º, 3.º ciclo e secundário têm escrito, de forma afetiva e prazerosa, as suas histórias de família, sobre os acontecimentos, as pessoas, os objetos, a memória, o afeto e as mudanças no seio das famílias nas últimas décadas. Acredito que o projeto das Histórias de vida/histórias de família é relevante como “semente” para o despertar de um novo paradigma de educação, que salienta a multidimensionalidade, a inclusão e o atendimento às reais necessidades das crianças e jovens.

É nesta base de compromisso ético, entre a escola e a família, que tenho projetado a ideia de que na escola se pode escrever por gosto, por necessidade genuína, de forma autêntica e natural, legitimando um caminho possível de conhecimento que fomente o bem-estar e a harmonia para a mente e o coração de quem aprende e de quem ensina.

Fonte

Jornal Observador, coluna Caderno de Apontamentos, de 14/03/2019

Sobre a autora

Finalista da 1.ª Edição do Global Teacher Prize Portugal, Professora de Português e Francês na Escola Secundária José Macedo Fragateiro de Ovar, e membro do grupo de investigação “ProTextos: Ensino e Aprendizagem da Escrita de Textos”.