As alterações "dramáticas" das palavras da moda - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Aberturas Abertura
As alterações "dramáticas" das palavras da moda
As alterações "dramáticas" das palavras da moda
Por Ciberdúvidas da Língua Portuguesa 800

1. Não é nova a tendência de o adjetivo dramático ocorrer no sentido de «drástico», «espetacular», «repentino», refletindo a interferência ou a má tradução do inglês dramatic. Os exemplos são abundantes: «subida dramática», «descida dramática», «aumento dramático», «abrandamento dramático», «redução dramática». Recorde-se que o adjetivo em causa se aplica genericamente ao que é próprio do drama, como género literário, ou ao que emociona fortemente; portanto, não se associa tradicionalmente aos substantivos indicados, pelo que é preferível dizer-se ou escrever-se «subida acentuada», «descida abrupta», «aumento espetacular», «abrandamento notável», ou «redução drástica».

A interferência do inglês dramatic também se acusa noutras línguas românicas (ou seja, da mesma subfamília que o português), por exemplo, no espanhol e no francês, idiomas em que dramático e dramatique têm aceções muito semelhantes às do português dramático. Consultem-se a Fundéu BBVA e o Office Québécois de la Langue Française.

2. Acerca de modismos, aqui fica uma série de neologismos e alterações semânticas ou morfológicas que o estilo mediático reiteradamente evidencia: bombástico e brutal, no sentido de «espetacular», «grandioso»; contabilizar, que parece querer substituir o simples e direto enumerar; deletar, em vez de apagar; desde, para exprimir lugar de origem («"desde" Lisboa», em vez «de Lisboa», ou «a partir de Lisboa»); a afetação de expectante e espectável; focalizar, quando se quer dizer «concentrar»; o uso de impactante; o castelhanismo ilusão, que quer acabar com esperança; o performativo, de cepa anglo-saxónica; prestação, quando se pretende falar de uma exibição, atuação ou desempenho; a locução «ser suposto», sobretudo empregada pessoalmente («ele foi suposto...»); submeter, na aceção de «entregar»; e, finalmente, o mecânico alavancar, recorrente no futebolês. Mais exemplos, no artigo "Já se focalizou no português que anda a falar?" e na abertura "A novilíngua da imprensa". O tema é também tratado em páginas eletrónicas do Brasil, como Mundo Educação, ou Exame.com (aqui e aqui).

3. Quem fala de moda fala de compras, por exemplo, neste dia de 2016, última sexta-feira do mês de novembro, que a moda do inglês e da cultura associada apelida de Black Friday, isto é, Sexta-feira Negra. É denominação de um dia especial, em que o comércio faz grandes promoções para gáudio dos consumidores; então, porquê "negra"? O Online Etymology Dictionary dá uma explicação que se pode traduzir assim: «Black Friday [usa-se] como nome do movimentado dia de compras que se segue à celebração do Dia de Ação de Graças nos EUA. Diz-se que a expressão data dos anos 60 e talvez tenha sido cunhada não pelos comerciantes, mas por quem tinha a função de controlar as multidões; antes, aplicava-se principalmente às sextas-feiras que registaram quedas dos mercados financeiros (1866, 1869, 1873).»

4. Ainda a propósito de atualidades que tenham o português como tema, são de assinalar:

– a criação em 23 de novembro p. p. de uma cátedra na Universidade de Goa com vista a promover a investigação linguística do português e das suas relações com as línguas asiáticas, em especial, as indianas;

– a publicação de O Mundo do Português e o Português no Mundo afora: Especificidades, Implicações e Ações (Pontes Editores, Campinas, São Paulo), um volume de estudos coordenado por Maria Luisa Álvarez Ortiz Luis e Gonçalves, no qual se salienta um artigo do professor e linguista  Gilvan Müller de Oliveira (antigo diretor executivo do IILP), com o título "O sistema de normas e a evolução demolinguística da língua portuguesa" (consulte-se aqui) – ver também apresentação do livro na Montra de Livros;

– um novo guia para o uso da língua, da autoria do conhecido gramático e académico brasileiro Evanildo Bechara: trata-se do Novo Dicionário de Dúvidas da Língua Portuguesa, cuja apresentação se pode consultar na Montra de Livros.

5. No consultório, os tópicos abordados dizem respeito às orações condicionais, à locução «em frente a» e à diferença entre temporão e serôdio.

6. Quanto aos programas produzidos pelo Ciberdúvidas para a rádio pública portuguesa, o grande tema é a publicação do O Novo Atlas da Língua Portuguesa, com o apoio do Instituto Camões e de outras organizações. No Língua de Todos de sexta-feira, 25 de novembro (às 13h15*, na RDP África (com repetição no sábado, 26 de novembro, depois do noticiário das 9h00*), José Paulo Esperança, professor catedrático no ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), fala deste novo livro, em que também colaborou. No Páginas de Português de domingo, 27 de novembro (na Antena 2, às 12h30*, com repetição no sábado seguinte, às 15h30*), entrevista Luís Antero Reto, reitor do ISCTE-IUL e coordenador da obra em foco.

* Hora oficial de Portugal continental.