Uma prestação imprestável - Pelourinho - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Início Português na 1.ª pessoa Pelourinho Artigo
Uma prestação imprestável

Prestação, do latim "praestatione": acto ou efeito de prestar; cota, contribuição, pagamento escalonado. Ou, quando muito (no Brasil): alcunha de todo o vendedor ambulante de mercadorias a prestações.
   Isto é o que registam os dicionários, o que dirá qualquer lusofalante, independentemente do seu nível cultural, a não ser que tenha aderido ao chamado "futebolês" e repita esse estereótipo, mais um, tanto ao gosto do meio jornalístico do sector.
   É o que aconteceu ao cantor português Luís Represas, que se diz do Belenenses, nem por isso muito envolvido nas coisas da bola, mas – viu-se, ou melhor, ouviu-se no último programa televisivo «Domingo Desportivo» – suficientemente contaminado já pela maleita generalizada.
   As "prestações" do Belenenses para aqui, as "prestações" do Belenenses para acolá, o entrevistador na mesma onda, mais à frente outro pontapé no neologismo, quando se falava no tetra à vista do FC Porto. E em nenhum momento se lhes ouviu empregar, nunca, os termos naturalmente mais apropriados...
   Apropriados e conhecidos: exibição, actuação ou desempenho, tão enraizados que estão no nosso vocabulário comum, não serão eles, até, bem mais melodiosos de dizer? E muito mais claros: toda a gente os entende.

Sobre o autor

Jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.