Sobre a adaptação de estrangeirismos, novamente - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Sobre a adaptação de estrangeirismos, novamente

Estranhou-me esta afirmação: «A sua argumentação a favor da manutenção da forma original dos estrangeirismos drakars e skalds parece-me válida. Todos sabemos que há estrangeirismos difíceis de adaptar (T-shirt, surf, download, abat-jour...) e outros que podem ser aportuguesados com naturalidade, sem que a sua forma cause estranheza (batom, futebol, hambúrguer, blogue).»

Por que difíceis? No Brasil há "séculos" dizemos/escrevemos camiseta, surfe e abajur. Quanto a download, ainda não apareceu uma forma aportuguesada (mas poderia escrever-se "daunloude" se se quisesse), mas muito freqüentemente diz-se baixar (algo do computador). Estas adaptações não são válidas em Portugal? Se não, por que não? E o que quiseram dizer com «adaptações difíceis»?

Mais uma vez obrigado.

Luciano Eduardo de Oliveira Professor Botucatu, Brasil 7K

Tem toda a razão em estranhar as minhas declarações, uma vez que no Brasil este assunto ganha uma luz bem diferente!

Utilizei a expressão «adaptações difíceis» para me referir aos estrangeirismos cujo aportuguesamento (em Portugal) não é consensual, porque causa estranheza, sendo que muitos falantes preferem a forma original, por vezes levando a que se hesite entre duas ou mais grafias — caso de atelier e ateliê, em Portugal); e também às palavras estrangeiras para as quais não é fácil encontrar uma grafia que seja inequívoca, em português, quanto à pronúncia do estrangeirismo. É o caso de surf, que não assume, entre os portugueses, a forma surfe, pois eles continuam a pronunciar a vogal u com o som [α], à inglesa. E se escrevessem “sarfe”, tentando aproximar mais a grafia do som, o problema não ficaria resolvido, dado que o a poderia ser pronunciado como aberto. É a este tipo de problemas que me refiro quando falo em adaptações difíceis.

Penso que, de maneira geral, os portugueses resistem muito mais ao aportuguesamento de estrangeirismos do que os brasileiros. Muitas palavras, como sutiã, foram rapidamente adaptadas no Brasil e levaram mais tempo a sê-lo em Portugal, ou ainda conservam a forma original (soutien).

Utilizando o seu exemplo, acredito que no Brasil fosse fácil levar as pessoas a escrever “daunloude”, até pela forma como a prosódia do Brasil facilita o seu aportuguesamento, comparativamente com Portugal.

Em suma, creio que os portugueses devem aprender com os seus irmãos brasileiros a serem mais criativos e “soltos” com a grafia das palavras, e menos servis às línguas estrangeiras, sobretudo ao inglês.

Sara Leite