«Que nem» = como - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
«Que nem» = como

Uma dúvida me assola: no Brasil, é muito estendido o uso da expressão «que nem» no lugar de como. Ex.: «Ele cozinha que nem o pai» / «o teclado se toca que nem piano». Há anos procuro entender a origem dessa expressão, pois me parece estranha e até mesmo incongruente. Na canção "Sebastiana", de Gal Costa (1969)[*], há a frase «(...) pulava que nem uma guariba». Mas em outras gravações se substitui a expressão por «que só», o que para mim soa mais lógico, no sentido de "como apenas". Seria esse o caminho etimológico da expressão? Existem registros históricos de maior importância? Por favor ajude-me a solucionar esse mistério!

[*] N. E. – "Sebastiana" é uma composição de Rodil Cavalcanti (1922-1968) e foi interpretada pela primeira vez, em 1953,  por Jackson do Pandeiro (1919-1982), com enorme êxito .

Theo Firmo Artista São Paulo, Brasil 1K

A expressão «que nem» é bastante antiga na língua portuguesa:

1. «Isto consola que nem o copo de água que a gente, em dias de calma, pede à borda da estrada, quando se leva a boca seca e queimada da poeira!» (Júlio Dinis, A Morgadinha dos Canaviais, 1868, in Corpus do Português).

Trata-se de uma «expressão comparativa (como) usada na linguagem coloquial» (Maria Helena de Moura Neves, Guia de Uso do Português, Editora UNESP, 2003).

Quanto à suposta incongruência da expressão, é possível pensar o contrário, se aceitarmos que a expressão se relaciona historicamente com uma construção consecutiva que, por elipse, fica com alguns dos seus elementos subentendidos (os parênteses assinalam a informação omissa):

2. Ela pula que nem uma guariba. = Ela pula (de tal maneira) que nem uma guariba (pula assim).

A construção ter-se-á fixado (gramaticalização), associando-se-lhe um significado comparativo: «ela pula que nem uma guariba» = «ela pula como uma guariba não pula» (contextualmente, depreende-se «ela pula melhor/mais que uma guariba»). Daqui, a construção ganhou valor superlativo: «ela pula que nem (uma) guariba» = «ela pula muito bem».

Quanto a «que só», o seu valor parece ser simplesmente comparativo, mas a sua origem pode encontrar-se também numa construção consecutiva:

3. Ela pula que só uma guariba. = Ela pula (de tal maneira) que só uma guariba (pula assim).

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: locução
Áreas Linguísticas: Semântica; Sintaxe Campos Linguísticos: Orações