Oração subordinada completiva não finita, sujeito de ocorrer - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Oração subordinada completiva não finita, sujeito de ocorrer

Estava fazendo uma leitura e me deparei com a seguinte frase: «Nunca ocorreram aos grandes cronistas, em seus textos, basearem-se tão somente nas experiências de fato vividas por eles». Aí me veio a dúvida: O verbo "ocorrer" tem de vir no plural?

Tentei encontrar o sujeito da oração, no entanto, não consegui.

Gostaria também de saber a classificação do verbo "ocorrer" na frase em questão.

Rafael Nascimento Funcionário público Catanduva, Brasil 760

    Comecemos por dividir e classificar as orações da frase apresentada.

   O sujeito da frase apresentada é a oração subordinada e corresponde a "isto", logo, singular, pelo que o verbo terá de fazer concordância com este sujeito singular.

   A frase correta será, então, «Nunca ocorreu aos grandes cronistas, em seus textos, basearem-se tão somente nas experiências vividas, de facto, por eles».

  O verbo ocorrer, com este sentido de «aparecer ao pensamento», é transitivo indireto, pois seleciona complemento indireto: «aos grandes cronistas».

Aura Figueira
Tema: DT (Dicionário Terminológico) Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Sintaxe Campos Linguísticos: Funções sintácticas; Concordância; Orações