O gentílico de Lobão (Feira, Aveiro) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O gentílico de Lobão (Feira, Aveiro)

Lobão é uma freguesia do concelho de Santa Maria da Feira. Como se designam os habitantes e/ou naturais de Lobão – "lobanenses" ou "lobonenses"?

Gastão Pinto Professor aposentado Lobão, Portugal 42

Tendo em conta que as atestações medievais do topónimo (ver Livro Preto. Cartulário da Sé de Coimbra, ed. 1999, doc. 266, p. 398) exibem a terminação -on (Lubon e Lunbon), o gentílico mais adequado será lobonense.

Note-se, porém, que, se a forma lobanense está enraizada e tem longa tradição no uso, há que atender a essa situação e aceitar essa variante – é o caso do gentílico de Lobão da Beira, no concelho de Tondela.

Importa observar que a distribuição as terminações -onense e -anense pode ter razão etimológica. Com efeito, vários nomes próprios hoje terminados em -ão podem ter diferentes terminações medievais (cf. Dicionário de Topónimos e Gentílicos do Portal da Língua Portuguesa): Marvão (Portalegre) < Marvan; Apelação (Loures, Lisboa) < *Apelaçom1. Os nomes que se sabe (ou se supõe) terminarem em -an ou -ã dariam, em princípio, gentílicos terminados em -anense: marvanense (Marvan), lousanense (Lousã); e os derivados de nomes acabados em -on (grafados assim, ou -om) na Idade Média exibiriam a terminação -onense: portimonense < *Portimom (Portimão). Contudo, a verdade é que as terminações em causa são imprevisíveis, e -anense ocorre muitas em lugar de -onense e vice-versa. Casos como estes não são incorretos, porque na derivação dos gentílicos nem sempre é clara a forma do topónimo com que se relacionam.

1 O asterisco indica que a forma é hipotética. Não tendo sido possível encontrar atestação medieval deste topónimo, sabe-se, no entanto, que a terminação -ione(m) de vários nomes comuns latinos evoluiu primeiro para -om, no período galego-português, e só depois para -ão, na fase já plenamente portuguesa da língua; exemplo: intentione(m) > entençom (séc. XIII) > intenção.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: adjectivo
Áreas Linguísticas: Etimologia; Morfologia Construcional Campos Linguísticos: Derivação