O género das marcas comerciais - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O género das marcas comerciais

Porque dizemos «Traz-me o Cerelac», «Traz-me o Nestum», mas «Traz-me a Milupa»? Qual o critério de género em marcas comerciais? A pressuposição de «Traz-me o (prato de/produto) Cerelac», mas «Traz-me a (farinha/papa) Cerelac»? Será que posso usar os géneros indiferentemente consoante o substantivo que estou a presumir omitir?

Alice Gonzaga Reformada Casal de Loivos, Portugal 1K

Há contextos fonéticos que podem contribuir para a marcação de género. Exemplos: Nestum remete para o masculino; Milupa, para o feminino.

Noutros casos em que o contexto fonético é indiferente, a palavra subentendida tende a indicar o género: «Traz-me a (farinha) Cerelac.»

Esta forma de marcar o género surge também em casos em que a terminação fónica é ultrapassada pela lógica semântica. Exemplo: «Ele tem um (automóvel) novo Toyota.»

A. Tavares Louro
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Léxico; Morfologia