O aportuguesamento do topónimo Nikšić (Montenegro) - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O aportuguesamento do topónimo Nikšić (Montenegro)

É aceitável escrever Nikšić (cidade do Montenegro)? Como aportuguesar? "Niksich"?

Obrigado.

Álvaro Faria Ator Lisboa, Portugal 42

Aceita-se a forma Nikšić, nome de uma cidade do Montenegro. Trata-se da romanização do montenegrino Никшић1, de acordo com ISO 9, norma internacional que define o sistema de transliteração dos carateres cirílicos pelos caracteres latinos.

Poderá propor-se um aportuguesamento, embora falte uma norma portuguesa que garanta uma transliteração estável. De qualquer modo, procurando uma transcrição com base na ortografia do português, afigura-se discutível a forma "Niksich", por causa do <s>; com efeito, não esta a melhor transcrição da fricativa marcada por <š>, visto este grafema representar em sérvio e em montenegrino um som muito próximo do ch de cacho ou do x de caixa. Também problemático será o recurso a <k>, porque, apesar de esta letra fazer parte do alfabeto português conforme estabelece o Acordo Ortográfico de 1990 (Base 1, n.º 2), não é ela empregada nas adaptações de formas estrangeiras ao português.

Apesar dos condicionalismos apontados, "Niquexich" ou "Niquechitch" são transcrições possíveis. Ambas exibem a sequência <que> para transcrever o <k> do topónimo montenegrino2. Quanto à transcrição dos grafemas <š>, indicativo da consoante fricativa acima descrita, e <ć>, semelhante ao "tch" que ainda se ouve nos dialetos setentrionais portugueses (chão = "tchão"), a primeira proposta de aportuguesamento é mais fiel ao valor histórico dos grafemas portugueses <x> e <ch>, visto estes terem tido pronúncia contrastada até relativamente tarde: o x de caixa não se confundia com o ch de cacho (soava e, entre alguns falantes, ainda soa "catcho"). Em contrapartida, a segunda forma talvez seja mais clara, por <ch> constituir hoje um grafema sem ambiguidade fónica, ao contrário de <x>, que pode ler-se de diversas maneiras (cf. baixo, trouxe, exame); a grafia <tch> também não suscitará grandes dúvidas, até porque já conta com a tradição das formas brasileiras tcheco e tchetcheno (cf. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, 2001). 

1 O montenegrino é muito próximo do sérvio, se é que estas duas línguas não são variedades de um mesmo sistema linguístico, formando o que se chama um diassistema. Refira-se que, em sérvio, o nome da cidade em questão também se escreve Никшић ou Nikšić.

2 Poderia também considerar-se <c> como transcrição mais simples de <k>, e, nesse, caso, obter-se-iam as formas "Nicxich" e "Nicchich", nas quais, no entanto, as sequências <cxi> e <cch> são de leitura muito pouco óbvia. 

Carlos Rocha
Tema: Topónimos Classe de Palavras: nome próprio
Áreas Linguísticas: Fonética Campos Linguísticos: Pronúncia; Estrangeirismos