O neologismo monotético - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O neologismo monotético

O termo monotético parece fazer parte do vocabulário do português do Brasil, (significando «uma classificação que utiliza apenas um critério diferenciador»1) assim como da língua inglesa (monothetic: "That assumes or is based on a single essential element or idea"2).

Haverá alguma expressão, no português de Portugal, com significado similar?

1 Dicionário Informal, em linha.

2 Oxford English Dictionary, em linha [tradução livre da frase em inglês: «que supõe ou é baseado num único elemento ou ideia essenciais»]

Luís Machado Bibliotecário Coimbra, Portugal 210

A palavra em questão pode efetivamente ser atestada, com o significado indicado pelo consulente, no português de Portugal, como termo especializado em textos da área das chamadas ciências exatas e experimentais. Exemplo (sublinhado nosso):

(1) «Computacionalmente os   métodos   divisivos são   geralmente   exigentes.   No   caso particular  das  variáveis  serem  binárias, os métodos  divisivos,  conhecidos  por  métodos monotéticos, são computacionalmente mais eficientes.» (António da Costa Fernandes, Análise de conglomerados: comparação de técnicas e uma aplicação a dados de fluxo migratório em Portugal, tese de mestrado, Universidade de Aveiro/Departamento de Matemática, 2017, p. 34)

Noutras áreas de estudo, sem parecer um termo especializado, surge como neologismo usado como sinónimo de monolítico, rígido, inflexível, palavras que se apresentam em alternativa. Exemplo (sublinhado nosso; manteve-se a ortografia do original citado):

(2) «Assim, assumimos que  a  nossa  postura  é  informada  pela  perspectiva  feminista  crítica defendida por Nogueira, Saavedra e Neves (2006) –pautada por um olhar contextualizado, que se  afasta  de  generalizações  abusivas,  homogeneizadoras  e  monotéticas  que  constituem  a perpetuação  de  assimetrias  sociais –informada pela  teoria  crítica,  construccionismo  social  e análise de discurso.» (Sara Isabel Almeida Magalhães, Como ser uma Ragazza – Discursos de sexualidade numa revista para raparigas adolescentes, tese de doutoramento, Universidade do Minho/Escola de Psicologia, 2011, p. 98)

Observe-se que não é seguro tomar monotético como palavra proveniente do Brasil. Uma consulta na Internet faculta certamente muitos resultados em páginas brasileiras, mais tal frequência talvez se deva apenas à existência de um número enorme de utentes brasileiros, sem daí se concluir um impacto direto no uso linguístico em Portugal.

Mais plausivelmente, parece tratar-se de empréstimo anglo-saxónico feito tanto por brasileiros como por portugueses, dada a importância do inglês na escrita académica e científica, e a significativa presença de estudantes e especialistas das duas nacionalidades em meios anglófonos. Sendo assim, monotético será a adaptação do inglês monothetic, composto por elementos eruditos de origem grega, mono- e -thetic. Estes, por sua vez, encontram paralelo nos elementos eruditos da mesma origem transpostos na morfologia da língua portuguesa: mono- «um só, uma única coisa» + -tético «próprio e adequado a ser posto ou colocado em (como formador de adjetivos derivados de -tese «ação de pôr, colocar».

Em suma, é difícil condenar o uso de monotético. Para os mais conservadores, os sinónimos em alternativa poderão ser opções mais seguras quanto à sua tradição na língua.

Carlos Rocha
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: adjectivo
Áreas Linguísticas: Léxico; Morfologia Construcional Campos Linguísticos: Composição; Neologismos