Influência árabe na língua portuguesa - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Influência árabe na língua portuguesa

Sou estudante e moro em Recife (Brasil). Gostaria de saber mais sobre a influência árabe na nossa língua durante a invasão da Península Ibérica.

Rafaela Mateus Duarte Brasil 9K

Para José Pedro Machado são 954 os termos árabes na língua portuguesa. Muitos deles são arcaicos ou desusados (mais de um terço) e a arabização lexical foi maior na parte sul que no Norte de Portugal.

Os Árabes constituíam a classe dominadora e militar; daí o grande número de termos relativos a instituições jurídicas e sociais, bem como à arte da guerra. Além disso, há muitos termos relativos à cozinha e aos alimentos, às indústrias e ao comércio, à agricultura, às ciências e às técnicas, às artes, aos ofícios (domínios em que brilharam), ao vestuário, animais, plantas, topónimos (sobretudo no centro e Sul do País), etc., e ainda alguns adjectivos, um pronome indefinido (fulano), uma preposição (até) e uma interjeição muito significativa da influência árabe (oxalá), quase todos anteriores ao século XIII. Como Diez observou, não deixaram um único termo respeitante aos sentimentos, se exceptuarmos a palavra mesquinho.

Quase todos os arabismos começam por al- (artigo definido invariável em árabe), por vezes com o l assimilado à consoante inicial do substantivo árabe (arrabalde, Arrábida, arrais), havendo frequentemente posterior simplificação (açorda, açúcar, ataúde, azougue).

Também são arabismos os nomes dos rios e de terras começados por Guad- (ou Od-), que em árabe quer dizer precisamente "rio", tais como Guadiana (ou Odiana, antigo), Odemira, Odiáxere, Odeceixe, Odeleite, Guadalete, Guadalaxara, Guadalquivir, etc. Vários outros topónimos sofreram alterações fonéticas ao passar pelo cadinho árabe, como Lisboa (Olisipone), Tejo (Tagus), Beja (Pax Julia), Sevilha (Hispalis, através de Isbilia), o mesmo sucedendo com nomes comuns de diversas origens: latina (alcácer <> castrum), helénica (arroz <> órÿza), sânscrita (xadrez), persa (laranja). Os antropónimos de origem árabe só abundam no século X, sendo depois destronados em proveito do calendário cristão.

Fernando V. Peixoto da Fonseca