Elefanta, presidenta - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Elefanta, presidenta

Daquelas que conheço, concordo entusiasticamente com todas as posições de D´Silvas Filho, excepto aquela de "elefanta" e "presidenta" (Prontuário, 3.ª ed., p. 125 e 143.). Por que não "estudanta", "utenta", "pedinta" e "transeunta"?

António Pinho Professor do ens. sec. (apos.) Viana do Castelo, Portugal 5K

Muito obrigado pelo seu apreço pelas minhas posições.

Quanto às objecções, está no seu direito. Lembro, porém:

Elefanta está taxativamente registada no Vocabulário de Rebelo Gonçalves, na entrada elefante.

Presidenta é o género defendido por linguistas, atendendo aos novos tempos de acesso das senhoras a cargos que sempre foram masculinos. Enquadra-se no critério de considerar sempre o género feminino quando possível (ex.: ministra, juíza, médica, etc.), exigido hoje por muitas senhoras.

É verdade, porém, que as palavras terminadas em e, como utente, pedinte, transeunte, herege, estudante, valente (ou ista, como cançonetista) normalmente representam adjectivos uniformes ou nomes comuns de dois. Estudante e presidente estão assim classificadas nos dicionários; logo está correcto escrever-se «ela é a estudante», «a presidente», etc. (ex.: «esta estudante é a presidente da Associação»).

Há casos mesmo em que a minha sensibilidade na língua me leva a pensar que mudar um género a um cargo muito importante lhe pode tirar dignidade. Daí que numa resposta anterior tenha defendido a designação «Chanceler da Alemanha», para a senhora que actualmente exerce o cargo. Assim, defendo que se escreva «a presidente», com referência a um cargo.

Por outro lado, uma coisa são os cargos, outra coisa os títulos pessoais, para os quais a senhora é natural que deseje ser tratada por senhora presidenta.

Lembro, também, que muitas senhoras preferem que as designem por poetas e não por poetisas. A obra da/o poeta transcende o seu sexo.

Novo acordo

Termos para Portugal: desatualizado, atualmente, objeções

Para o Brasil: linguistas, linguísticos

NOTA: as duplas grafias não implicam alterações obrigatórias na escrita.

Ao seu dispor,

D´Silvas Filho
Tema: Uso e norma
Áreas Linguísticas: Morfologia; Morfologia Flexional