Dois casos de obrigatoriedade da vírgula - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Dois casos de obrigatoriedade da vírgula

«Se bobear eu te pego.» É preciso utilizar vírgula após a palavra bobear?

No segundo caso, «A gente vive sem comida, sem cerveja nunca.» É necessário o uso da vírgula depois de «cerveja»?

Obrigado pela atenção.

Michel Marques Estudante Coromandel, Brasil 1K

A frase «Se bobear eu te pego.» tem duas orações, antecedendo a oração subordinada adverbial («Se bobear») a oração subordinante («eu te pego»), pelo que devem ser separadas por vírgula: «Se bobear, eu te pego.» Sempre que a oração subordinada adverbial antecede ou está intercalada na oração subordinante é isolada por vírgulas, dado que não se encontra na sua posição canónica.

Na frase «A gente vive sem comida, sem cerveja nunca.», foi eliminado o verbo «viver», que fica subentendido (A gente vive sem comida, sem cerveja nunca vive.): a vírgula após «cerveja» é necessária, pois «Emprega-se a vírgula no interior da oração para indicar a supressão de uma palavra (geralmente o verbo) ou de um grupo de palavras:

         Chuva, névoa, desconforto,

         A imagem da minha vida! (António Botto, Ódio e Amor¹ 

Fontes:

¹ CUNHA, Celso & Luis Filipe Lindley CINTRA. Nova Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa: Ed. J. Sá da Costa,1984

Aura Figueira
Tema: Uso e norma