Crioulo, dialecto e «pidgin» - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Crioulo, dialecto e «pidgin»

Módi stado?

M'bem pídi um splicaçom sôbri um cussa qui portuguesis dja flá txeu sôbri criôlo na Cabo Verde o na Guiné. Sôbri Guiné nho t'odja ma nem mémo ques scritôr qui dja scrébi sôbri quel país piquinóti na África, nem ês própi respetá'l. Dja'm lê um artigo sôbri Guiné úndi canto m'sta tirminaba di lê'l m'odja um frázi undi si autor txoma língua di lá di língua di trapos.
I, na Cabo Verde, sima na Guiné, criôlo foi considerado um dialeto di português. Pa quel poco qui m'cônchi di línguas, um língua ê um língua diveras óqui ê consígui si própi forma, qui cata permíti um comprensom cu otos grupo, ê ca simê? I criôlo, na Cabo Verde o na Guiné, cata permití'l...
Antom, m'ta gostaba dum definiçom midjôr... I, sôbri nha testo, m'sta screbê'l na dôs língua pa ser más fáxi di intendi nha raciocínio.

Como está tudo?

Venho pedir uma explicação sobre algo que os portugueses já falaram muito sobre o crioulo em Cabo Verde ou na Guiné. Na Guiné o senhor vê que mesmo os escritores que já escreveram sobre aquele pequeno país na África, nem eles mesmos o respeitaram. Já li um artigo sobre a Guiné onde o autor chamou à língua deles "Língua de trapos".
E, em Cabo Verde, como na Guiné, o crioulo foi considerado um dialecto do português. Pelo pouco que conheço de línguas, uma língua é uma língua deveras quanto ela conseguir uma forma própria, que não permita uma compreensão com outros grupos, não é verdade? E o crioulo, em Cabo Verde ou na Guiné, não o permite...
Então, eu gostaria de uma definição melhor... E, sobre o meu texto, estou escrevendo o mesmo em duas línguas para ser mais fácil de entender o meu raciocínio.

Um abraço lusófono!

Otávio Kremer Abuchaim Brasil 15K

Em primeiro lugar, agradeço pelo texto em crioulo – que me divertiu bastante.

Dialecto, crioulo e «pidgin» são três conceitos distintos que dizem respeito à formação de línguas e não à compreensão por parte de outras pessoas. Segundo o "Longman Dictionary of Applied Linguistics" (Jack Richards, John Platt e Heidi Webber, 2ª ed. Essex, Longman, 1987), dialecto constitui uma variedade da língua, falada numa parte de um país ou por pessoas que pertencem a um grupo social, com diferenças nas palavras, gramática e pronúncia em relação às outras formas da mesma língua. Geralmente é associada a um sotaque específico. (Não se pode dizer que o Brasil tenha um dialecto diferente – trata-se da mesma língua, em que a diferença é apenas o sotaque, existindo vários no Brasil, mesmo que os brasileiros muitas vezes não consigam entender o que os portugueses falam.)

Já o «pidgin» é utilizado como língua de contacto, quando grupos de diferentes idiomas se encontram. Foi o caso dos portugueses ao chegarem às colónias, que necessitavam de uma forma de comunicar tanto com os nativos como com os escravos. O «pidgin» caracteriza-se por ter um vocabulário pouco extenso e uma estrutura gramatical simplificada, que pode se expandir se for usado por longos períodos.

O crioulo surge quando o «pidgin» deixa de ser uma língua de contacto para tornar-se o idioma nativo de um grupo de falantes, usado para todos ou a maioria das suas necessidades de comunicação. A estrutura das suas sentenças e o seu vocabulário são geralmente muito mais complexos do que o do «pidgin». Os crioulos são classificadas segundo a língua que dá origem à maior parte do seu vocabulário: inglês, francês, português, espanhol ou swahili, por exemplo.

Portanto, o crioulo de Cabo Verde é uma língua à parte do português, assim como o português é independente do latim.

Amílcar Caffé