Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Conhecer a uma pessoa = conhecer alguém?

Sou uma estudante de português na Argentina. Eu tinha a ideia que o CD de pessoa em português não leva a preposição a. Em espanhol, leva a. Mas ontem li um artigo no jornal que dizia "conhecer a uma pessoa". Então, a pergunta é: existe alguma diferença em português, entre "conhecer a uma pessoa" e "conhecer alguém" ? Obrigada.

Evangelina Álvarez Leal Estudante Mar del Plata, Argentina 706

A expressão «conhecer a uma pessoa» não é possível. A alternativa é «conhecer uma pessoa» ou «conhecer alguém». Relativamente à segunda questão, há casos específicos na sintaxe da língua portuguesa que admitem a preposição a a reger complemento direto. Referimo-nos ao complemento direto preposicionado. Evanildo Bechara, na Moderna Gramática Portuguesa, 37.ª edição, pp. 343-344, escreve sobre este complemento. O gramático dá exemplos, apresentando as regras em que o complemento é utilizado:

«a) quando se trata de pronome oblíquo tónico, (uso hoje obrigatório):

"Nem ele entende a nós, nem nós a ele."

b) quando, principalmente nos verbos que exprimem sentimentos ou manifestações de sentimento, se deseja encarecer a pessoa ou ser personificado a quem a ação verbal se dirige ou favorece:

"Amar a Deus sobre todas as coisas."

"Consolou aos amigos." 

c) quando se deseja evitar confusão de sentido, principalmente quando ocorre:

1. Inversão (o objeto direto vem antes do sujeito)

"A Abel matou Caím"

2. comparação:

"Isto causou estranheza e cuidados ao amorável Cakisto como a um filho"[CBr.1, 80].

Observação: Sem preposição poder-se-ia interpretar filho como sujeito: como filho preza; todavia o uso da preposição neste caso não é gramaticalmente obrigatório.

d) na expressão de reciprocidade: um ao outro, uns aos outros:

"Conhecem-se uns aos outros."

e) com o pronome relativo quem:

"Conheci a pessoa a quem admiras."

f) nas construções paralelas com pronomes oblíquos (átonos ou tónicos) do tipo: 

"Mas engana-se contudo com os falsos que nos cercam. Conhece-os, e aos leais" [AH.3, 102].

g) nas construções de objeto direto pleonástico, sem que constitua norma obrigatória:

"Ao ingrato, ou não o sirvo, porque (para que) me não magoe." [RLb.2, 278] » 

Celso Cunha e Lindley Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo, Edições João Sá da Costa, Lisboa, 13.ª edição, 1997, página 141, afirmam que «O objeto direto é um complemento de um verbo transitivo direto, ou seja, o complemento que normalmente vem ligado ao verbo sem preposição e indica o ser para o qual se dirige a ação verbal.» No entanto, como Bechara, acrescentam que exceção a esta regra é o objeto direto preposicionado [p. 143].  

Filipe Carvalho
Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Sintaxe