O você e os pronomes oblíquos - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
O você e os pronomes oblíquos

É aceito o uso de pronomes oblíquos de 2.ª pessoa quando se utiliza você como pronome de tratamento, ou deve-se usar sempre os de 3.ª pessoa? Ex.:
«Você gostou do livro que te/lhe enviei?»
Ainda que pronomes, devo utilizar quando uso, por exemplo, Vossa Excelência ou Vossa Senhoria, os da 3.ª pessoa do singular ou os da 2.ª pessoa do plural?
Ex.: «Envio-lhe» ou «envio-vos»?
Grato.

Guilherme Ramalho Estudante São Paulo, Brasil 11K

Em Portugal, os pronomes com função de objecto/objeto (directo/direto ou indirecto/indireto) correspondentes ao pronome com função de sujeito «você» são sempre os de terceira pessoa («o», «a», «lhe»). O pronome oblíquo tónico/tônico que lhe corresponde é «si/sigo» («para si»). Os pronomes de segunda pessoa do singular nunca se referem a «você», apenas sendo utilizados quando ao se tratar alguém por «tu».
Diz-se então «Você gostou do livro que lhe enviei?», «Gostaste do livro que te enviei?».
O pronome «vos» (assim como o possessivo correspondente «vosso») é usado somente quando o receptor é plural. Temos pois «Envio-Lhe [a Vossa Excelência]», «Envio-Vos [a Vossas Excelências]», «Envio-Lhes [a Vossas Excelências]». Nestes casos, o Ciberdúvidas recomenda a utilização dos pronomes de terceira pessoa do plural, reservando os de segunda pessoa do plural para o tratamento por «vós» (que desapareceu da maioria dos dialectos/dialetos, sobrevivendo apenas em textos religiosos, e que pode ser utilizado com valor singular).
Todavia, o Português do Brasil conhece usos diferentes dos pronomes pessoais e não é minha intenção sugerir que os brasileiros devem falar como os portugueses.

Francisco Costa