Ainda os particípios regulares ganhado, pagado e gastado - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda os particípios regulares ganhado, pagado e gastado

Acedi à pergunta-resposta sobre «tem-lhe ganh(ad)o» e gostei de saber que os particípios regulares ganhado, pagado, gastado, etc. ainda são os gramaticalmente correctos com os auxiliares ter/haver. Durante muito tempo defendi isso (os três particípios associados com dinheiro). Assim, continuarei a usá-los... e a dizer, por exemplo, «tenho acendido» ou «tem abrido», embora esta última já me soe mal.

Estou certo?

Obrigado.

António Pinho Professor do ensino secundário (apos.) Viana do Castelo, Portugal 10K

O particípio passado é uma forma nominal do verbo que apresenta a ideia de uma acção concluída.

Há verbos que têm particípio passado regular, terminado em -ado ou -ido, estando estes em maioria, mas há outros verbos que também têm um particípio passado irregular, mais curto, e acentuado no radical, derivado do latim, por via culta.

1. Observem-se alguns exemplos para as três conjugações e respectivas terminações em -ar/ -er/ -ir:

Particípio passado regular:

estudarestudado

comercomido

partirpartido

2. Um menor número de verbos possui apenas um particípio passado irregular (assim como os derivados destes verbos) como por exemplo:

abriraberto (1)

cobrircoberto

dizerdito

escreverescrito

fazerfeito

pôrposto

vervisto

virvindo

 (1) Percebe-se que o consulente diga/sinta: «embora esta já me soe mal» para «tem abrido».

3. Nos casos em que se mantêm as duas formas de particípio passado (regular e irregular) do verbo, estas não devem ser usadas aleatoriamente. O particípio passado regular deve ser usado com os verbos ter e haver, este último num registo formal e escrito, e o irregular com os verbos ser e estar e também com ficar, permanecer e outros verbos que exprimem o estado ou a qualidade do sujeito. Alguns exemplos:

acender

ganhar

gastar

pagar

Os verbos ganhar, gastar e pagar, apesar de possuírem os dois particípios, tendem a perder o particípio regular pelo facto de os falantes em geral adoptarem, preferencialmente, os particípios irregulares (sobretudo aceite, entregue, impresso, morto). Considera-se, mesmo, que o particípio regular do verbo pagar (pagado), por exemplo, já caiu em desuso.

Alguns particípios irregulares evoluíram para adjectivos (cego, cativo, distinto, completo, corrupto, livre, entre outros), o que significa que as formas regulares dos respectivos verbos devem ser usadas na voz passiva, ou seja, com o verbo auxiliar ser. Exemplos:

«O trabalho será completado a tempo

«Ele foi distinguido com o prémio de Piloto do Ano.»

«O tecido foi tingido com um pigmento natural

No que diz respeito aos verbos empregar e encarregar, segundo a maior parte das gramáticas e dos prontuários, não têm duas formas de particípio passado, mas apenas uma, que é a regular – empregado e encarregado. Não se recomenda, por isso, o uso das formas empregue e encarregue, nem nas construções passivas, já que esses particípios passados não estão, actualmente, consagrados.

Bibliografia consultada: S.O.S. Língua Portuguesa, Guia temático para resolução de dúvidas do portuguêsSandra Duarte Tavares e Sara de Almeida Leite, Editorial Verbo, Lisboa 2008, e Guia Essencial da Língua Portuguesa para a Comunicação SocialEdite Estrela e J. David Pinto-Correia, Editorial Notícias, 1999. 

Conceição Saraiva
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: verbo