Ainda a classificação do verbo considerar - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Ainda a classificação do verbo considerar

Quanto à classificação do verbo considerar – assunto tratado em 10/1/2018 –, tenho algumas considerações a fazer, que são as seguintes:

1 – O verbo considerar pode ser transobjetivo: «O lavrador considerou o cão bonito» (considerou-o bonito).

2 – Assim sendo, se quisermos omitir o agente, podemos criar a frase «Considerou-se bonito o cão» (voz passiva com a particularidade de ocorrer um predicativo («bonito») do sujeito («cão»). Não é o cão que se considera bonito, mas é ele assim considerado. Portanto, quanto a esta frase dada como exemplo «agramatical», quero crer que não o seja, assim como «As paredes da casa consideram-se agradáveis» ou, invertendo-se a ordem: «Consideram-se agradáveis as paredes da casa», e, estendendo-se: «O lavrador considerou agradáveis as paredes da casa».

3 – Sem contar o fato da seguinte frase: «O lavrador considerou-se apto ao trabalho», na qual temos um complemento direto (se) e um predicativo do complemento direto. Mas se trata de uma análise diferente de uma estrutura frasal idêntica a «Considerou-se o lavrador apto ao trabalho.» Antepondo-se ou não o sujeito ao verbo, pode-se dar uma interpretação semântica diferente, o que é interessante.

Fernando Bueno Engenheiro Belo Horizonte, Brasil 597

assunto tratado a 10/1/2018 era a resposta a uma dúvida quanto à classificação do verbo considerar-se como copulativo e foi apenas esse aspeto que foi abordado.

No entanto, o verbo considerar, noutros contextos, como, por exemplo, os apresentados, tem outras classificações ¹:

  • verbo transitivo direto - Ex: «O diretor considerará todos os cenários possíveis.»²
  • verbo transitivo indireto - Ex: «Os politicólogos consideram sobre a crise partidária.»²
  • verbo transitivo-predicativo - Ex: «A Igreja católica considera todos os batizados filhos de Deus.»²
  • verbo intransitivo - Ex: «Só quando surgem problemas, ele passa algum tempo a considerar.»²

Passaremos agora a responder aos pontos da questão do consulente:

1. Na frase «O lavrador considerou o cão bonito», o verbo considerar é transitivo-predicativo, pois «cão» desempenha a função sintática de complemento direto e «bonito» a de predicativo do complemento direto.

2. Tendo em conta que todas as definições de considerar apontam para o uso da razão, do pensamento, da reflexão, inerentes ao homem, conclui-se que é um verbo que não admite sujeito que não seja humano, razão pela qual a frase «*O cão considerou-se bonito.» foi apresentada como exemplo de agramaticalidade na resposta de 10/1/2018.

Nas frases «Considerou-se bonito o cão.» e «Consideram-se agradáveis as paredes da casa.», independentemente da ambiguidade conferida pela partícula apassivante se com outros verbos transitivos (aqui), pelo que já foi exposto, teremos de classificar «o cão» e «as paredes da casa» como complementos diretos e «bonito» e «agradáveis», como predicativos do complemento direto.

3. Assim, encontramos exatamente as mesmas funções sintáticas nas frases «O lavrador considerou agradáveis as paredes da casa» e «O lavrador considerou-se apto ao trabalho», tal como apresenta.

No entanto, «Considerou-se o lavrador apto ao trabalho.» pode ter várias interpretações:

a) Considerou-se o lavrador apto ao trabalho. [Frase passiva pronominal]³

b) O lavrador foi considerado apto ao trabalho (por alguém).[Frase passiva verbal = frase passiva canónica]³

c) (Alguém) considerou o lavrador apto ao trabalho. [Frase ativa transitiva]³

Nas frases a), b) e c), segundo Gramática do Português, «O pronome se ocorre em frases passivas pronominais (ou passivas reflexas), ligado a um verbo transitivo que concorda em pessoa e número com um sintagma nominal que corresponde ao complemento direto de uma frase ativa e transitiva equivalente.», mas a Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira Mateus et al., p. 532, sustenta que as construções de -se com um verbo transitivo ou ditransitivo na terceira pessoa do singular são sistematicamente ambíguas entre uma interpretação de passiva de -se e de frase com -se nominativo [i.e., sujeito].

Em suma, após a consulta das gramáticas de referência, a colocação do GN «o lavrador» depois do GV torna a frase ambígua e não permite identificar com exatidão a função sintática desempenhada. 

 

 

Fontes:

Aura Figueira
Tema: Classes de palavras Classe de Palavras: verbo
Áreas Linguísticas: Gramática