Partícula apassivante vs. sujeito indeterminado - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
Partícula apassivante vs. sujeito indeterminado

No exame de Português de 9.º ano deste ano, Época Especial, a segunda pergunta do grupo IV pedia que se identificassem todas as frases em que o elemento sublinhado desempenhava a função sintática de sujeito. Era considerada correta a frase «Na escola, estuda-se muito o livro desse escritor.», com a expressão «o livro desse escritor» sublinhada. É inequívoca esta classificação ou poderíamos entender que o sujeito da frase é subentendido?

Obrigada.

Marília Esteves Estudante Porto, Portugal 1K

      «Na escola, estuda-se muito o livro desse escritor.» é o caso de uma passiva pronominal ou passiva reflexa, em que «O livro desse escritor» é o sujeito da frase: se começarmos a frase pelo referido segmento, «O livro desse escritor estuda-se muito na escola.», verificamos que o verbo pode ser substituído pela forma passiva, «é estudado», o que nos leva  a concluir que este «se» é uma partícula apassivante, ou pronome apassivador, segundo Celso Cunha e Lindley Cintra, na Nova Gramática do Português Contemporâneo , pág. 308. (Exemplo: «Ouve-se ainda o toque a rebate.» Bernardo Santareno, A Traição do Padre Martinho

         É de notar que na voz passiva pronominal, a língua moderna omite sempre o agente. («Aumentou-se o salário dos gráficos.»)

      Vejamos sobre este assunto a Gramática do Português, de Eduardo Paiva Raposo et al., FCG : «O pronome se ocorre em frases passivas pronominais (ou passivas reflexas), ligado a um verbo transitivo que concorda em pessoa e número com um sintagma nominal que corresponde ao complemento direto de uma frase ativa e transitiva equivalente.,»

Exemplo:

a) Declamaram-se vários poemas de Pessoa ( para comemorar o aniversário do poeta) . [Frase passiva pronominal]

b) O ator declamou vários poemas de Pessoa ( para comemorar o aniversário do poeta) . [Frase ativa transitiva]

c) Vários poemas de Pessoa foram declamados (pelo ator) (para comemorar o aniversário do poeta) . [Frase passiva verbal = frase passiva canónica]

      Mas, como se verifica, na frase 1. o argumento externo agente não pode ocorrer como agente da passiva (cf. Declamaram-se vários poemas de Pessoa pelo ator). Ou seja, nestes casos, o agente é necessariamente implícito, com uma interpretação indeterminada.

      Ao contrário do que acontece nas passivas sintáticas, nas passivas de -se, o argumento interno direto tem obrigatoriamente traços de terceira pessoa gramatical:

«Na escola, estudaram o livro deste autor.»

      A Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira Mateus et al., p. 532, sustenta que as construções de -se com um verbo transitivo ou ditransitivo na terceira pessoa do singular, como a frase "Na escola, estuda-se muito o livro desse escritor.", são sistematicamente ambíguas entre uma interpretação de passiva de -se e de frase com -se nominativo [i.e., sujeito].

a) Descobriu-se uma fuga no reator nuclear.

b) Foi descoberta uma fuga no reator nuclear.

c) Alguém descobriu uma fuga no reator nuclear. 

         Tendo em conta o que foi apresentado, «Na escola, estuda-se muito o livro desse escritor.» pode configurar um exemplo da ambiguidade deste tipo de frases.

Maria Eugénia Alves
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: pronome
Áreas Linguísticas: Sintaxe