A regência do adjetivo faminto - Ciberdúvidas da Língua Portuguesa
Este é um serviço gracioso e sem fins comerciais, de esclarecimento, informação e debate sobre a língua portuguesa, o idioma oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste. Sem outros apoios senão a generosidade dos seus consulentes, ajude-nos a dar-lhe continuidade: Pela viabilização do Ciberdúvidas. Os nossos agradecimentos antecipados.
A regência do adjetivo faminto

Gostaria de saber se é correcto usar o adjectivo faminto seguido da preposição «de» quando o usamos num sentido figurado.Exemplo:

«As crianças, a morrerem de fome, famintas das ideias que já havia aqui e ali, gritaram: "Independência!"»

Uma vez que faminto pode significar, em sentido figurado, «muito desejoso» ou «ávido», não sei qual a regra admitida, se a preposição é de ou por ou se não é admitida preposição.

Muito obrigado.

 

[N. E. – O consulente escreve correcto e adjetivo, mantendo a antiga ortografia. As formas da norma em vigor são correto e adjetivo.]

Luís Marques Tradutor Lisboa, Portugal 144

O adjetivo faminto, no sentido de «muito desejoso, ávido», constrói preferencialmente regência com a preposição de, como no exemplo apresentado na questão: «As crianças, a morrerem de fome, famintas das ideias que já havia aqui e ali, gritaram: "Independência!"». Acham-se abonações deste uso em registos dicionarísticos:

(1) «Faminto de honras, de dinheiro.» (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa, s.v. faminto)

(2) «Instalado na residência nova, onde a lei era gozar, como ordenava Epicuro, Izidro, como um faminto de prazeres, lançou-se desabridamente na troça.» (C. Neto, Treva, 5, citado por Francisco Fernandes, Dicionário de Regimes de Substantivos e Adjetivos, São Paulo, Globo, 1995)

Contudo, em escassíssimos textos literários, ocorre eventualmente a regência com a preposição por, uso bastante marginal cuja recomendação não se justifica:

(3) «De facto, fora por muito tempo recadeiro de bordel, contava isso, num ar de segredo um tanto depravado e feliz, a Belinda, a cozinheira, que era faminta por homens, vaidosa do seu oiro, dos seus olhos pretos, e muito serrana.» (Agustina Bessa-Luís, Os Incuráveis, 1982, in Corpus do Português)

Sara Mourato
Tema: Uso e norma Classe de Palavras: adjectivo
Áreas Linguísticas: Léxico; Sintaxe Campos Linguísticos: Atestação/Significado de palavras; Semântica nominal; Regência